Fragmentos de floresta ombrófila mista em diferentes estágios sucessionais: caracterização dendrométrica e determinação da biomassa e carbono

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023695

Palavras-chave:

manejo florestal, araucária, crescimento

Resumo

O objetivo desse estudo foi quantificar as principais variáveis dendrométricas, a biomassa e o carbono estocado de fragmentos da Floresta Ombrófila Mista de diferentes níveis sucessionais, em diferentes estratos selecionados. O banco de dados utilizado foi obtido a partir do inventário realizado nos municípios de Campo Belo do Sul e Capão Alto (SC), em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista classificados como secundários (últimas intervenções em 1960) e primários (preservados durante o “ciclo da madeira”), seguindo a metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC). A determinação do volume e biomassa foram realizadas por meio de equações da literatura, e o carbono determinado pela metodologia do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). Para as características dendrométricas, o estudo demonstrou grande variação entre as sucessões e dentro dos estratos, o que se é esperado tratando-se de uma floresta com grande variedade de espécies, em que algumas diferenças podem ser indicativos de intervenções passadas. Em todas as variáveis, a Araucaria angustifolia possui grande participação na Floresta Primária, sendo bem menor na Secundária, sendo que o mesmo acontece para a espécie Dicksonia sellowiana. A partir desse estudo conclui-se que florestas secundárias se diferenciam das primárias tanto na florística quanto na estrutura, e mesmo em áreas consideradas primárias, como a desse estudo, vê-se que não atingem o estoque de estágios sucessionais avançados, possivelmente devido a intervenções anteriores ao histórico conhecido da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victória Varela Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina

.

Marcos Felipe Nicoletti, Universidade do Estado de Santa Catarina

.

Mario Dobner Jr., Universidade do Estado de Santa Catarina

.

Douglas Rufino Vaz, Universidade do Estado de Santa Catarina

.

Gustavo Silva Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

.

Referências

ALVARES CA et al. 2013. Koppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711–728.

DALLA LANA MD et al. 2015. Projeção diamétrica por razão de movimentação em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no sul do Paraná. Floresta 45: 151 – 162.

DOBNER Jr. M et al. 2019. Effect of site and competition on diameter growth of Araucaria angustifolia. Floresta 49: 717 -724.

DOBNER Jr. M. 2022. Pruning Araucaria angustifolia for knot-free timber production. Floresta 52: 054-063.

FARIAS KJ et al. 2019. Quantificação do volume total por meio de modelos volumétricos e de afilamento em Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden. Revista de Ciências Agroveterinárias 1: 1.

FIGUEIREDO FILHO A et al. 2010. Crescimento, mortalidade, ingresso e distribuição diamétrica em Floresta Ombrófila Mista. Floresta 40: 763-776.

GASPER AL et al. 2011. Inventário de Dicksonia sellowiana Hook. em Santa Catarina. Acta Botanica Brasilica 25: 776-784.

HESS AF. 2012. Manejo de Araucaria angustifolia pelo quociente de Liocourt em propriedade rural no Município de Painel, SC. Pesquisa Florestal Brasileira 32: 227-232.

HESS AF et al. 2014. Manejo de Floresta Ombrófila Mista pelo método de Liocourt, Município de Painel, SC. CERNE 20: 575-580.

HESS AF et al. 2010. Proposta de manejo de Araucaria angustifolia utilizando o quociente de Liocourt e análise de incremento, em propriedade rural no Município de Lages, SC. Pesquisa Florestal Brasileira 30: 337-345.

IFFSC. Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, 2022. Metodologia, Biometria. Disponível em: < https://www.iff.sc.gov.br/nossas-a%C3%A7%C3%B5es/invent%C3%A1rio-florestal/metodologia/biometria>. Acesso em: 29 de nov. de 2023.

LIPINSKI ET et al. 2017. Dinâmica da biomassa e carbono arbóreo entre 1995-2012 em Floresta Ombrófila Mista Montana. Floresta 47: 197-206.

MACHADO AS et al. 2009. Distribuição diamétrica de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Scientia Agraria 10: 103-110.

MELO ACG & DURIGAN G. 2006. Fixação de carbono em reflorestamentos de matas ciliares no Vale do Paranapanema, SP, Brasil. Scientia Forestalis 71: 149–154.

MELLO AA et al. 2003. Projeção diamétrica e volumétrica da Araucaria angustifolia e espécies associadas no sul do Paraná, usando matriz de transição. Revista Acadêmica: ciências agrárias e ambientais 1: 55-66.

MOGNON F et al. 2013. Uma década de dinâmica da fixação de carbono na biomassa arbórea em Floresta Ombrófila Mista no sul do Paraná. Floresta 43: 153-164.

MONTAGNA T et al. 2012. A Importância das Unidades de Conservação na Manutenção da Diversidade Genética de Xaxim (Dicksonia sellowiana) no Estado de Santa Catarina. Biodiversidade Brasileira 2: 26-32.

PÉLLICO NETTO S. 1984. Inventário Florestal Nacional, florestas nativas: Paraná e Santa Catarina. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Brasília: MMA.

NICOLETTI MF et al. 2020. Equações hipsométricas, volumétricas e funções de afilamento para Pinus spp. Revista de Ciências Agroveterinárias 19: 474-482.

OLIVEIRA GL. 2021. Caracterização e modelagem biométrica de Dicksonia sellowiana Presl. (Hooker) em Floresta Ombrófila Mista Alto-Montana. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Florestal). Lages: UDESC.

ORELLANA E et al. 2014. Modelagem da distribuição diamétrica de espécies florestais em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Revista Árvore 38: 297-308.

PALUDO GF et al. 2009. Estrutura demográfica e padrão espacial de uma população natural de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze (Araucariaceae), na Reserva Genética Florestal de Caçador, estado de Santa Catarina. Revista Árvore 33: 1109-1121.

R CORE TEAM. 2022. A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: https://www.R-project.org/

SANQUETTA CR et al. 2014. Estimativa de carbono individual para Araucaria angustifolia. Pesquisa Agropecuária Tropical 44: 1-8.

SANQUETTA CR & MATTEI E. 2006. Perspectiva de recuperação e manejo sustentável das Florestas de Araucaria angustifolia. Curitiba: Multi-Graphic Gráfica e Editora. 264p.

SEVEGNANI L et al. 2013. Considerações finais sobre a Floresta Ombrófila Mista em Santa Catarina. In: VIBRANS AC et al. (Eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Vol. III Floresta Ombrófila Mista. Blumenau: Edifurb.

SYDOW JD et al. 2017. Comparação de métodos e processos de amostragem para inventário em Floresta Ombrófila Mista. BIOFIX Scientific Journal 2: 60-68.

VIBRANS AC et al. 2011. Structure of Mixed Ombrophyllous Forests with Araucaria angustifolia (Araucariaceae) under external stress in Southern Brazil. Revista Biologia Tropical 59: 1371-1387.

VIBRANS AC et al. 2015. Generic and specific stem volume models for three subtropical forest types in southern Brazil. Annals of Forest Science 72: 865–874.

VIEIRA EM & LOB G. 2009. Dispersão e predação de sementes da Araucária (Araucaria angustifolia). In: FONSECA CR et al. (Eds.). Floresta de Araucária: Ecologia, Conservação e Desenvolvimento Sustentável. Ribeirão Preto: Editora Holos. p. 85–95.

WATZLAWICK LF et al. 2004. Teores de carbono em espécies da Floresta Ombrófila Mista. In: SANQUETTA CR et al. (Ed.). Fixação de carbono: atualidades, projetos e pesquisas. Curitiba: UFPR. p. 65-80

WATZLAWICK LF et al. 2002. O Papel do Sensoriamento Remoto nos Estudos de carbono. In: SANQUETTA CR et al. (Eds). As Florestas e o Carbono. Curitiba: UFPR. p. 215-235.

WEBER KS et al. 2005. Variação volumétrica e distribuição espacial do estoque de carbono em Floresta Ombrófila Mista. Revista Acadêmica 3: 77-85.

ZIEMMER JK et al. 2016. Quantificação da biomassa e dos teores de carbono de Pteridófitas arborescentes em Floresta Ombrófila Mista. BIOFIX Scientific Journal 1: 60-73.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SILVA, Victória Varela; NICOLETTI, Marcos Felipe; DOBNER JR., Mario; VAZ, Douglas Rufino; OLIVEIRA, Gustavo Silva. Fragmentos de floresta ombrófila mista em diferentes estágios sucessionais: caracterização dendrométrica e determinação da biomassa e carbono. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 695–704, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023695. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23605. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)