Genótipos de milho para biomassa e grãos de segunda safra em Dourados-MS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023572

Palavras-chave:

Zea mays, forragem, análise conjunta, produtividade de grãos

Resumo

O milho é uma cultura versátil, que permite desde a produção de silagem de planta inteira até a colheita de milho em grãos, porém é necessário verificar os genótipos com esses potenciais de acordo com a região de cultivo. Assim, o objetivo deste trabalho foi identificar a aptidão do milho para biomassa visando a silagem e grão em dois anos de cultivo de segunda safra em Dourados-MS. O experimento foi conduzido na Embrapa Oeste Agropecuária, Dourados, MS, Brasil em condições de campo no delineamento experimental em blocos completos casualizados em esquema fatorial 6x2 sendo seis genótipos de milho (BRS1010, KWS9606, BRS3046, 1P2224, 1Q2383, CAPO) e dois cultivos anos (2021 e 2022) com cinco repetições. Foram avaliadas as características agronômicas de biomassa da planta visando a silagem (altura da planta e da espiga, diâmetro do caule, número de folhas, produtividade de massa verde da planta, folha, colmo mais pendão e espiga, produtividade de matéria seca na planta e eficiência da terra) e milho grão (diâmetro da espiga, comprimento da espiga, número de fileiras de grãos por espiga, número de grãos por fileira na espiga, peso de cem sementes e produtividade de grãos). Houve aumento nos valores das características da planta inteira de milho no ano de 2022 em relação ao ano de 2021. Os genótipos de milho indicados para biomassa visando a silagem foram BRS3046, KWS9606 e 1Q2383, já para milho grão, os genótipos experimentais que estão em desenvolvimento, 1P2224 e 1Q238, são opções promissoras para a região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Gonçalves Guimarães, Universidade Federal de Santa Catarina

.

Gessí Ceccon, Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS, Brasil

.

Verônica Gleice de Oliveira , Universidade Federal da Grande Dourados

.

Marciana Retore, Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS, Brasil

.

Referências

BORÉM A et al. 2017. Milho: do plantio à colheita. In: BRESOLIN M & PONS AL. (Eds) Botânica do milho. Viçosa: Editora UFV. p. 69-72.

CONAB. 2023. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, v.10, safra 2022/23, n° 4. Available at: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos. Accessed on: 12 Jan. 2023.

CREVELARI JAA et al. 2018. Correlations between agronomic traits and path analysis for silage production in maize hybrids. Bragantia 77: 1-10.

CRUZ CD. 2016. Genes software-extended and integrated with the r, matlab and selegn. Acta scientiarum agronomy 38: 547-552.

CRUZ JC & PEREIRA FILHO IAP. 2008. A cultura do milho. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo.

DUARTE AP et al. 2014. Milho para Silagem. In: AGUIAR ATE et al. (Eds) Instruções agrícolas para as principais culturas econômicas. Campinas: Instituto Agronômico. p. 276-279.

FIETZ RC et al. 2017. O clima da região de Dourados, MS. Dourados: Embrapa Western Agriculture. Available at: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1079733/1/DOC2017138FIETZ.pdf. Accessed on: 27 May 2023.

GERLACH GAX et al. 2019. Resposta do milho em consórcio com adubos verde no sistema plantio direto. Acta Iguazu 8: 134-146.

GOES RJ et al. 2012. Nitrogênio em cobertura para o milho (Zea mays L.) em sistema plantio direto na safrinha. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 2: 169-177.

GOMES FP & GARCIA CA. 2002. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais: exposição com exemplos e orientações para uso de aplicativos. Piracicaba: Fealq.

GUIA CLIMA. 2021. Site de monitoramento agrometeorológico de Mato Grosso do Sul, Dados Meteorológicos de Dourados. Available at: https://clima.cpao.embrapa.br/?lc=site/banco-dados/base_dados. Accessed on: 27 May 2023.

GUIA CLIMA. 2022. Site de monitoramento agrometeorológico de Mato Grosso do Sul, Dados Meteorológicos de Dourados. Available at: https://clima.cpao.embrapa.br/?lc=site/banco-dados/base_dados. Accessed on: 30 July 2022.

GUIMARÃES AG et al. 2023. Yield potential and selection of off-season maize for silage and grain using GT Biplot under limited water and frost. Bioscience Journal 39: e39032.

GUIMARÃES AG et al. 2019. Seleção de genótipos superiores de milho para cultivo no município Couto de Magalhães de Minas-MG. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 2: 110-119.

KOLAR S et al. 2022. The effect of maize crop cutting height and the maturity at harvest on maize silage chemical composition and fermentation quality in silo. Journal of Central European Agriculture 23: 290-298.

LIMA BC et al. 2020. Diversidade genética em acessos de milho crioulo. Brazilian Journal of Development 6: 82712-82726.

MAGALHÃES PC & DURÃES FO. 2006. Fisiologia da produção de milho. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo.

MEDEIROS SR & MARINO CT. 2015. Valor nutricional dos alimentos na nutrição de ruminantes e sua determinação. In: MEDEIROS SR et al. (Eds). Nutrição de bovinos de corte: fundamentos e aplicações. Campo Grande: Embrapa Beef Cattle. p. 1-6

NEGRÃO FM et al. 2016. Perdas, perfil fermentativo e composição química das silagens de capim Brachiaria decumbens com inclusão de farelo de arroz. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 17: 13-25.

PAVAN E & DUCKETT SK. 2019. Longissimus Muscle Composition and Palatability of Grazing Steers Supplemented with corn oil or corn Grain. Meat and Muscle Biology 3: 181-193.

PEREIRA LB et al. 2018. Características agronômicas da planta e produtividade da silagem de milho submetido a diferentes arranjos populacionais. Magistra 29: 18-27.

PEREIRA MG et al. 2020. UENF MSV2210 e UENF MS2208: Silage and green maize hybrids for Rio de Janeiro State, Brazil. Crop Breeding and Applied Biotechnology 20: 1-5.

QUAN Z et al. 2020. Fertilizer nitrogen use efficiency and fates in maize cropping systems across China: Field 15N tracer studies. Soil Tillage Research 197: 1-9.

RICHMAN SE et al. 2015. Ecological implications of reduced forage quality on growth and survival of sympatric geese. Journal of Animal Ecology 84: 284-298.

SANTOS HG et al. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: Embrapa.

SARAIVA EA et al. 2019. Desempenho agronômico de variedades de milhos crioulos cultivados no Vale do Jequitinhonha. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 9: 33-43.

SOUZA ADO et al. 2022. Chemical composition and fermentation characteristics of maize silage with citrus pulp. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 23: 1-11.

TAS T. 2020. Determination of silage characteristics and nutritional values of some silage corn varieties in second crop conditions. Fresenius Environmental Bulletin 29: 7697-7705.

VILELA RG et al. 2012. Desempenho agronômico de híbridos de milho, em função da aplicação foliar de fungicidas. Bioscience Journal 28: 25-33.

ZHAO M et al. 2022. Yield and quality properties of silage maize and their influencing factors in China. Science China Life Sciences 65: 1-12.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

GUIMARÃES, Amanda Gonçalves; CECCON, Gessí; OLIVEIRA , Verônica Gleice de; RETORE, Marciana. Genótipos de milho para biomassa e grãos de segunda safra em Dourados-MS. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 572–579, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023572. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23527. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)