Terra diatomácea melhora as características agronômicas e induz resistência a artrópodes-praga em physalis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712142022504

Palavras-chave:

frutífera exótica, não-preferência para oviposição, dióxido de silício, Physalis peruviana, Lema bilineata

Resumo

Physalis peruviana (Solanaceae) é uma frutífera exótica ainda pouco cultivada no Brasil quando comparada a outras espécies. Em função disso, informações relacionadas ao manejo que possam contribuir para o desenvolvimento da cultura e controle de pragas são escassas. Assim, objetivou-se neste trabalho avaliar os efeitos da pulverização da terra diatomácea (TD) nos parâmetros fitotécnicos da cultura e de qualidade dos frutos, bem como na resistência induzida a artrópodes-praga em P. peruviana.  O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com cinco tratamentos, que se referem as concentrações de TD (T1 - 0 g L-1; T2 - 1 g L-1; T3 - 3 g L-1; T4 - 6 g L-1 e T5 - 9 g L-1) e oito blocos. Foram avaliadas características fitotécnicas da cultura e de qualidade (sólidos solúveis) dos frutos, bem como a indução de resistência mediante avaliação da incidência dos artrópodes-praga. Não houve diferença significativa entre as concentrações de TD para as variáveis fitotécnicas, de qualidade e aquelas relacionadas à preferência alimentar dos insetos herbívoros (número e porcentagem de folhas com orifícios). Contudo, as plantas tratadas com TD foram menos preferidas para oviposição por Bemisia tabaci e Lema bilineata, sendo registrado também menor número de adultos da mosca-branca e de larvas e adultos de L. bilineata. Dessa forma, conclui-se que a TD não apresenta efeito nos parâmetros fitotécnicos e de qualidade da physalis, mas induz resistência contra artrópodes-praga como B. tabaci e L. bilineata.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFSAH AFE. 2015. Survey of insects & mite associated cape gooseberry plants (Physalis peruviana L.) and impact of some selected safe materials against the main pests. Annals of Agricultural Science 60: 183-191.

AGROFIT. 2021. Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: https://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons. Acesso em: 10 jul.2022.

ANTUNES LEC & HOFFMANN A. 2012. Pequenas frutas: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília: Embrapa (Coleção 500 perguntas, 500 respostas).

ASSIS FA et al. 2012. Inducers of resistance in potato and its effects on defoliators and predatory insects. Revista Colombiana de Entomologia 38:30-34.

ASSIS FA et al. 2021. Physalis peruviana: ameaças fitossanitárias ao cultivo. Campo & Negócios 198: 58-59.

ASSIS FA & ANDALÓ V. 2022. Physalis: controle de pragas que causam prejuízos. Campo & Negócios 203: 64-65.

BETEMPS DL et al. 2014. Época de semeadura, fenologia e crescimento de plantas de fisális no sul do Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura 36: 179-185.

BISCHOFF AM et al. 2021. First report of Lema bilineata Germar (Coleoptera: Chrysomelidae) damaging Physalis peruviana (L.) in Brazil. Ciência Rural 51: 1-5.

BONALDO SM et al. 2005. Indução de resistência: noções básicas e perspectivas. In: CAVALCANTI LS et al. Indução de resistência em plantas a patógenos e insetos, Piracicaba: FEALQ. p. 11-28.

BRASIL. 2021. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria no 52, de 15 de março de 2021. Estabelece o Regulamento Técnico para os Sistemas Orgânicos de Produção e as listas de substâncias e práticas para o uso nos Sistemas Orgânicos de Produção. Diário Oficial da União, Brasília, edição 55, seção 1, página 10.

BUFFON PA et al. 2020. Desenvolvimento, produtividade e qualidade de physalis conduzido em diferentes sistemas de tutoramento. Acta Iguazu 9: 134-147.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FERREIRA JC et al. 2022. Silicato de potássio como fonte de nutriente e resistência do milho (Zea mays L.) a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda. Brazilian Journal of Development 8: 42979-42994.

GASPAROTTO F et al. 2020. Terra de diatomáceas como alternativa no controle de Sitophilus spp. em arroz com casca. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais 11:132-140.

GOMES SKS & CASTRO MT. 2017. Monitoramento de insetos em plantio de tomate com adubação silicatada. Biodiversidade 16: 60-67.

GONÇALVES PAS. 2007. Manejo de Thrips tabaci em cebola orgânica com terra de diatomáceas. Revista Brasileira de Agroecologia 2: 69-74.

HOFFMANN A & RUFATTO AR. 2012. Generalidades. In: ANTUNES LEC & HOFFMANN A. Pequenas frutas: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília: Embrapa (Coleção 500 perguntas, 500 respostas). p.15-28.

INMET/SINDA. 2021. Instituto Nacional de Meteorologia/Sistema Integrado de Dados Ambientais. Banco de Dados Meteorológicos. Previsão do Tempo. Morrinhos. Disponível em: https://www.ifgoiano.edu.br/home/index.php/component/content/article/111-institucional-mhos/5383-meteorologia.html. Acesso em: 10 jun. 2021.

KASALI FM et al. 2021. Ethnotherapeutic uses and phytochemical composition of Physalis peruviana L.: An Overview. The Scientific World Journal 2021: 1-22.

LAZZARINI LES et al. 2020. Silício no desenvolvimento in vitro de fisális. Revista Agrária Acadêmica 3: 36-43.

LIMA CSM et al. 2009. Características físico-químicas de Physalis em diferentes colorações do cálice e sistemas de condução. Revista Brasileira de Fruticultura 31: 1060-1068.

LORINI I et al. 2010. Principais pragas e métodos de controle em sementes durante o armazenamento - Série Sementes. Circular Técnica Embrapa 73: 1-10.

MUNIZ J et al. 2014. General aspects of Physalis cultivation. Ciência Rural 44: 964-970.

MUNIZ J et al. 2015. Physalis: Panorama produtivo e econômico no Brasil. Horticultura Brasileira 33: 1.

OLIVEIRA JAS et al. 2020. Screening test of diatomaceous earth as an alternative viability method for Diatraea saccharalis (Fabricius, 1794) (Lepidoptera: Crambidae) eggs. Luminária 22: 6-16.

PUENTE LA et al. 2011. Physalis peruviana Linnaeus, the multiple properties of a highly functional fruit: A review. Food Research International 44: 1733-1740.

R CORE TEAM. 2018. R: A Language and Environment for Statistical Computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna. Disponível em: https://www.R-project.org. Acesso em: 5 jun. 2021.

RODRIGUES FA et al. 2013. Caracterização fenológica e produtividade de Physalis peruviana cultivada em casa de vegetação. Bioscience Journal 29: 1771-1777.

RODRIGUES DS et al. 2021. Qualidade, desempenho fitotécnico e incidência de artrópodes em rabanete submetido ao silício e mulching. Acta Iguazu 10: 132-145.

SANTANA AS et al. 2020. Fenologia e qualidade de frutos de acessos de Physalis spp. Revista Agrarian 13: 1-8.

SANTOS HG et al. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5.ed. Brasília: Embrapa.

SANTOS MS et al. 2020. Silício na caracterização dos frutos e na incidência de insetos-praga em physalis. Research, Society and Development 9: 1-20.

SOARES MA et al. 2014. Lesiones de Tetranychus ludeni (Acari: Tetranychidae) en el cultivo de Physalis peruviana (Solanaceae) en Diamantina, Brasil. Revista Colombiana de Entomología 40: 187-189.

SOUZA FMD. 2015. Efeitos do regime hídrico e da adubação foliar com silício em plantas de fisális (Physalis peruviana). Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal), Vitória: UFES. 71p.

SOUSA RRP et al. 2020. Parâmetros fitotécnicos e entomofauna associada ao rabanete submetido à aplicação de terra diatomácea. Scientia Rural 1: 1-13.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

MELO, E. S.; ASSIS, F. A. de .; CARVALHO, F. J.; ASSIS, G. A. de; RODRIGUES, F. A. Terra diatomácea melhora as características agronômicas e induz resistência a artrópodes-praga em physalis?. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 4, p. 504 - 515, 2022. DOI: 10.5965/223811712142022504. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22437. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência do Solo e do Ambiente

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)