Temperaturas e substratos na germinação e vigor de sementes de Pilosocereus catingicola subsp. salvadorensis da Caatinga Paraibana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712142022531

Palavras-chave:

facheiro, potencial fisiológico, semiárido paraibano

Resumo

A Caatinga incide na vegetação onde predomina o Semiárido brasileiro, com grande variedade de espécies nativas, e o facheiro é uma das mais importantes pela grande abundância que ele ocorre no Semiárido nordestino. É de fundamental importância o conhecimento do comportamento germinativo das espécies da Caatinga para subsidiar ações conservacionistas desse ecossistema. O objetivo deste estudo foi avaliar a resposta da temperatura e do substrato sobre a germinação e vigor de sementes de facheiro.  As sementes foram provenientes de frutos maduros coletados em três localidades do Agreste paraibano: Arara, Bananeiras e Boa Vista. Após extração das sementes, estas foram colocadas para secar sobre papel durante uma semana em ambiente de laboratório. Em seguida, deu-se início ao ensaio experimental, testando quatro temperaturas: 20, 25, 30 e 20-30 ºC. O teste de germinação foi conduzido com quatro repetições de 50 sementes distribuídas em gerbox e colocadas em câmaras BOD, utilizando como substrato o papel germitest, com fotoperíodo de 12 horas. O delineamento estatístico foi inteiramente casualizado, com arranjo fatorial 3 x 4 (3 localidades e 4 temperaturas). Houve efeito significativo para as populações e substratos. O melhor substrato para germinação foi o germitest, o substrato vermiculita apresentou boa germinação e o solo germinação baixa. No papel germitest as sementes apresentaram melhor vigor. O substrato papel germitest na temperatura de 25 ºC foi melhor para todas as localidades. O vigor das sementes nas localidades de Bananeiras e Boa Vista, nas temperaturas 25 ºC, 30 ºC e 20-30ºC no substrato papel germitest proporcionaram maior vigor. O papel germitest foi o melhor substrato para germinação da espécie, maximizando seu potencial fisiológico, podendo nos projetos de conservação da espécie acelerar a propagação sexuada.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vênia Camelo de Souza Souza, Centro de Ciências Humanas Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Bananeiras, PB, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual da Paraíba (1999), mestrado em agronomia pela Universidade federal da paraíba (2003) e doutorado em Programa de Pós-graduação em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba (2012), linha de pesquisa, Ecologia Vegetal. Atualmente é professor da Universidade Federal da Paraíba-CCHSA.

Leandro de Araújo, Centro de Ciências Humanas Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Bananeiras, PB, Brasil.

Graduando em Ciências Agrárias (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Participou como Bolsista do PROLICEM cujo título "Botânica Como Instrumento de Educação", visava compartilhar informações a respeito da Ciência Botânica e meio ambiente. Participa ativamente do Movimento de Educação do Campo e Agroecologia (MECA) e do Núcleo de Educação Pesquisa e Extensão em Agroecologia do Território da Borborema (NUEPEA). Estagiou na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA Algodão, com a cultura de Gergelim. Atualmente é bolsista PIBIC no setor de avicultura do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias (CCHSA/UFPB)

Referências

ABUD HF et al. 2010. Germinação e expressão morfológica de frutos, sementes e plântulas de Pilosocereus pachycladus Ritter. Revista Ciência Agronômica 41: 468-474.

ABUD HF et al. 2012a. Armazenamento de sementes de xique-xique. Revista Brasileira de Sementes 34: 473-479.

ABUD HF et al. 2012b. Germination and morphological characterization of the fruits, seeds, and seedlings of Pilosocereus gounellei. Brazilian Journal of Botany 35: 11-16.

ABUD HF et al. 2013. Germination and morphology of fruits, seeds and plants of Cereus jamacaru DC. Journal of Seed Science 35: 310-315.

BECKER R et al. 2021. Unveiling the germination requirements for Cereus hildmannianus (Cactaceae), a potential new crop from southern and southeastern Brazil. Acta Botanica Brasilica 34: 765-771.

BEVILAQUA MR et al. 2015. Genetic and chemical diversity in seeds of cactus mandacaru (Cereus sp.) from two edaphoclimatic regions contrasting. Anais da Academia Brasileira de Ciências 87: 765-776.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análises de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV. 399p.

BRITO CAVALCANTI N & MILANEZ DE RESENDE G. 2007. Efeito de diferentes substratos no desenvolvimento de mandacaru (Cereus jamacaru P. DC.), facheiro (Pilosocereus pachycladus RITTER), xiquexique (Pilosocereus gounellei (A. WEBWR EX K. SCHUM.) BLY. EX ROWL.) e coroa-de-frade (Melocactus bahiensis BRITTON & ROSE). Revista Caatinga 20: 28-35.

CARVALHO T et al. 2021. Cereus jamacaru DC. and Pilosocereus pachycladus F. Ritter (Cactaceae) in the Northeast region of Brazil: future perspectives and distribution. Revista Brasileira de Geografia Física 14: 126-134.

GUEDES RS et al. 2009. Germinação de sementes de Cereus jamacaru DC. em diferentes substratos e temperaturas. Acta Scientiarum. Biological Sciences 31: 159-164.

LABOURIAU LG & VALADARES MEB. 1976. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait.) Ait.f. Anais da Academia Brasileira de Ciências 48: 263-284.

LONE AB et al. 2014. Temperatura na germinação de sementes de genótipos de pitaya. Semina: Ciências Agrárias 35: 2251-2258.

LONE AB et al. 2010.Temperatura e substrato para germinação de sementes de flor-de-maio (Schlumbergera truncata (Haw.) Moran). Revista Ceres 57: 367-371.

MAGUIRE JD. 1962. Speedofgermination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2: 176-177.

MARTINELLI G & MORAES MA. 2013. Livro vermelho da flora do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 1100p.

MEDEIROS RLS et al. 2015. Germinação e Vigor de Sementes de Pilosocereus catingicola (Gürke) Byles & Rowley subsp. salvadorensis (Werderm.) Zappi (Cactaceae) da Caatinga Paraibana. Gaia Scientia 9: 61-66.

MEIADO MV et al. 2010. Seed germination responses of Cereus jamacaru DC. ssp. jamacaru (Cactaceae) to environmental factors. Plant Species Biology 25: 120-128.

MEIADO MV et al. 2016. Effects of light and temperature on seed germination of cacti of Brazilian ecosystems. Plant Species Biology 31: 87-97.

MENEZES MO et al. 2016. Pleistocene radiation of coastal species of Pilosocereus (Cactaceae) in eastern Brazil. Journal of Arid Environments 135: 22-32.

MORESCO VP et al. 2021. Physiological potential of Dyckia spp. bromeliad seeds under different temperatures. Semina: Ciências Agrárias 42: 2639-2650.

RAMÍREZ-RODRÍGUEZ Y et al. 2020. Engineering biomimetic calcium phosphate nanoparticles: a green synthesis of slow-release multinutrient (NPK) nanofertilizers. ACS Applied Bio Materials 3: 1344-1353.

ROJAS-ARÉCHIGA ME & VÁSQUEZ-YANES C. 2000. Cactus seed germination: a review. Journal of Arid Environments 44: 85-104.

SILVA JHCS & AZERÊDO GA. 2022. Germinação de sementes de cactáceas sob estresse salino. Revista Caatinga 35: 79-86.

SILVA VP. 2011. Análise da pluviometria e dias chuvosos na região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 15: 131-138.

ZAPPI D et al. 2011. Plano de ação nacional para a conservação das cactáceas. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Brasília: ICMBIO. 112p.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

MEDEIROS, R. L. S. de .; SOUZA, V. C. de S.; ARAÚJO, L. de .; BARBOSA NETO, M. A.; AZERÊDO , G. A. de .; BARBOSA, A. da S. Temperaturas e substratos na germinação e vigor de sementes de Pilosocereus catingicola subsp. salvadorensis da Caatinga Paraibana. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 4, p. 531-541, 2022. DOI: 10.5965/223811712142022531. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21993. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas