Desempenho de cultivares de milho para produção de milho verde, minimilho e forragem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712142022449

Palavras-chave:

Zea mays L., Agricultura familiar, Volumoso, Região semiárida

Resumo

O milho apresenta múltiplas funções, podendo ser utilizado no consumo humano, alimentação animal ou em processos industriais. A produção de grãos tornou o Brasil uma referência mundial. Porém, apesar da relevância do milho verde, principalmente para agricultores familiares, são poucos os cultivares disponíveis. Do mesmo modo, para o minimilho, em que são utilizados milho doce ou pipoca para sua obtenção. Na região semiárida, as produções vegetal e animal são limitadas pelo déficit hídrico na época seca. Portanto, com a produção de milho verde e minimilho é possível obter renda com a comercialização das espigas e produzir volumoso com a colheita da planta inteira. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar o desempenho agronômico de cinco cultivares para produção de milho verde e minimilho e produção de forragem no Agreste Meridional, região semiárida de Pernambuco. Foram realizados dois experimentos no delineamento em blocos casualizados, com cinco tratamentos (AG 1051, Alagoano, Branquinha, São Luiz e PV2 Viçosense) e quatro blocos. No primeiro experimento avaliou-se o desempenho dos cultivares para produção de milho verde e forragem, em que os cultivares AG 1051 e Branquinha tiveram, respectivamente, maiores produtividades de espigas comerciais (21,9 e 20,3 Mg ha-1) e de forragem (10,7 e 10,9 Mg MS ha-1). No segundo experimento, avaliou-se o desempenho dos cultivares para a produção de minimilho e forragem, em que os cultivares AG 1051 e PV2 Viçosense obtiveram a maior produtividade de espiguetas comerciais (3,1 e 2,9 Mg ha-1, respetivamente); Branquinha, maior produtividade de forragem (8,9 Mg MS ha-1). Portanto, esses cultivares reúnem características desejáveis, podendo ser utilizados em sistemas intensivos ou extensivos de produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE CJB et al. 2008. Desempenho de híbridos experimentais e comerciais de milho para produção de milho verde. Revista Ciência e Agrotecnologia 32: 768-775.

ALMEIDA IPC et al. 2005. Baby corn, green ear, and grain yield of corn cultivars. Horticultura Brasileira 23: 960-964.

ARAÚJO GGL. 2015. Os impactos das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos e a produção animal em regiões semiáridas. Revista Brasileira de Geografia Física 8: 598-609.

ARCANJO JÚNIOR HG et al. 2016. Características químicas bromatológicas de plantas remanescentes a cultura do mini milho. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 17: 344-354.

CARGNELUTTI FILHO A et al. 2021. Número suficiente de repetições para análise de trilha em milho. Ciência e Natureza 43: e32.

CÂNDIDO WS et al. 2020. Selection indexes in the simultaneous increment of yield components in topcross hybrids of green maize. Pesquisa Agropecuária Brasileira 55: e01206.

CARVALHO APV et al. 2018. Potencial forrageiro de genótipos de milho com e sem espiga primária em diferentes sistemas de cultivo. Ciência Agrícola 16: 43-53.

CLIMATE-DATA. 2022. Clima: Pernambuco. Disponível em: <https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/pernambuco-211>. Acesso em: 22 Mar. 2022.

CONAB. 2022a. Companhia Nacional de Abastecimento. Produção e balanço de oferta e demanda de grãos. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/component/k2/item/download/41380_1353e587f0d8a7bf425a3a0e1e5bb959>. Acesso em: 30 mar. 2022.

CONAB. 2022b. Companhia Nacional de Abastecimento. Análise de mercado do milho - médias semanais. Disponível em:<https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista/analises-do-mercado/ histori co-de-conjunturas-de-milho/item/17854-milho-conjuntura-semanal-21-03-a-25-03-2022>. Acesso em: 30 mar. 2022.

COSTA AC et al. 2020a. Performance of maize seedlings for baby corn production. Horticultura Brasileira 38: 421-427.

COSTA KDS et al. 2020b. Avaliação de genótipos de milho para produção de minimilho em Piranhas - Alagoas. Brazilian Journal of Development 6: 38301-38312.

CRUZ JC et al. 2011. Milho: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 333p.

FAVARATO LF et al. 2016. Crescimento e produtividade do milho-verde sobre diferentes coberturas de solo no sistema plantio direto orgânico. Bragantia 75: 497-506.

FERREIRA EB et al. 2014. ExpDes: An R package for ANOVA and experimental designs. Applied Mathematics 5: 2952-2958.

GUDIM AS et al. 2019. Produtividade do milho verde irrigado por gotejamento na Amazônia Ocidental. Enciclopédia Biosfera 16: 1268-1279.

INMET. 2022. Instituto Nacional de Meteorologia. Dados históricos anuais. Disponível em: <https://portal.inmet.gov.br/dadoshistoricos>. Acesso em: 04 mar. 2022.

IBGE. 2020a. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agro: atualizado em 06/08/2020. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6958>. Acesso em: 30 mar. 2022.

IBGE. 2020b. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agro: atualizado em 06/08/2020. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6954>. Acesso em: 30 mar. 2022.

IBGE. 2020c. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agro: atualizado em 06/08/2020. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6753>. Acesso em: 31 mar. 2022.

LIZARAZO RP & THOMÁS JÚNIOR A. 2016. Juventude rural e mobilidade territorial do trabalho no século XXI. Revista Pegada Eletrônica 17: 251-268.

MORAES ARA et al. 2010. Desempenho de oito cultivares de milho verde na safrinha, no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 9: 79-91.

NASCIMENTO FN et al. 2017. Desempenho da produtividade de espigas de milho verde sob diferentes regimes hídricos. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 16: 94-108.

OLIVEIRA EJ et al. 2020. Morphophysiology and yield of green corn cultivated under different water depths and nitrogen doses in the cerrado conditions of Goiás, Brazil. Research, Society and Development 9: e6179108857.

OTA EC et al. 2011. Desempenho de cultivares de milho em relação à lagarta-do-cartucho. Bragantia 70: 850-859.

PEREIRA JÚNIOR EB et al. 2012. Produção e qualidade de milho-verde com diferentes fontes e doses de adubos orgânicos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 7: 277-282.

PINTO AA et al. 2017. Produção de espigas verdes por diferentes cultivares comerciais de milho em função da adubação NPK de semeadura. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 16: 414-425.

PRESTES ID et al. 2019. Principais fungos e micotoxinas em grãos de milho e suas consequências. Scientia Agropecuaria 10: 559-570.

R CORE TEAM. 2022. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: <https://www.R-project.org/>. Acesso em: 15 jan. 2022.

RAM S et al. 2021. Economic analysis of baby corn (Zea mays) cultivation in Haryana. Indian Journal of Agricultural Sciences 91: 150-153.

RAUPP DS et al. 2008. Minimilho em conserva: avaliação de híbridos. Acta Amazônica 38: 509-516.

SANTOS RF et al. 2014. Produtividade do minimilho em função das adubações nitrogenada e potássica. Revista Ceres 61: 121-129.

SANTOS SLL et al. 2018. Milho (Zea mays) para forragem: métodos de manejo de plantas daninhas e níveis de adubação. Acta Iguazu 7: 32-50.

SILVA PSL et al. 2003. Efeitos da aplicação de doses de nitrogênio e densidades de plantio sobre os rendimentos de espigas verdes e de grãos de milho. Horticultura Brasileira 21: 452-455.

TARGANSKI H & TSUTSUMI CY. 2017. Efeito de cultivar e do despendoamento na produção de minimilho. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 7: 50-60.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

CAVALCANTE FILHO, H. de A. .; HELCIAS, R. P. .; PEREIRA, R. G.; CAVALCANTE, M.; MEDEIROS, P. V. Q. de; ANDRADE, A. R. S. Desempenho de cultivares de milho para produção de milho verde, minimilho e forragem. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 4, p. 449 - 455, 2022. DOI: 10.5965/223811712142022449. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21943. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)