Resposta do girassol a doses de nitrogênio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712142022516

Palavras-chave:

Helianthus annuus L., eficiência no uso de nitrogênio, região semiárida

Resumo

O girassol é uma espécie oleaginosa, rústica, cultivada em diferentes agroecossistemas. As respostas dos cultivares às adubações nitrogenadas variam de acordo com o cultivar e o ambiente. Portanto, esta pesquisa objetivou avaliar a resposta de caracteres biométricos do girassol cv. Embrapa 122-V2000 sob doses de N. O experimento foi conduzido no delineamento em blocos casualizados com cinco tratamentos (0, 40, 80, 120 e 160 kg N ha-1) e quatro blocos. Todos os caracteres foram influenciados (p<0,05) pelas doses de N, ajustando-se ao modelo quadrático. Os valores máximos de altura da planta (1,68 m), diâmetro do colmo (22,71 mm), área foliar (423,41 cm2), diâmetro do capítulo (15,22 cm), produtividade de biomassa seca (6.075,13 kg MS ha-1) e de grãos (2.982,89 kg ha-1), eficiência do uso do N da biomassa (80,3 kg kg-1) e dos grãos (43,27 kg kg-1) próximo aos 90 kg N ha-1, sendo esta dose recomendada para as condições edafoclimáticas da região Agreste Meridional de Pernambuco, Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Petrônio Lemos, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Garanhuns, PE, Brasil.

Eng. Agrônomo

Referências

AKPOJOTOR E et al. 2019. Appropriate nitrogen and phosphorus fertilizer regime for sunflower (Helianthus Annuus L.) in the humid tropics. Helia 42: 111-125.

ALVES LS et al. 2017. Different nitrogen and boron levels influence the grain production and oil content of a sunflower cultivar. Acta Scientiarum. Agronomy 39: 59-66.

ANDRADE ARS et al. 2020. Modelagem da distribuição de frequência da precipitação para o Agreste Meridional do Estado de Pernambuco. Research, Society and Development 9: e4839119899.

AMORIM EO et al. 2008. Correlações e análise de trilha em girassol. Bragantia 67: 307-316.

CARVALHO HWL et al. 2012. Adaptabilidade e estabilidade de cultivares de girassol no Nordeste Brasileiro. Revista Científica Rural 14: 408-417.

CARVALHO HWL et al. 2020. Yield and photosynthetic attributes of sunflower cultivars grown under supplemental irrigation in the semiarid region of the Brazilian Northeast. Pesquisa Agropecuária Brasileira 55: e01715.

CLIMATE-DATA. 2022. Clima: Pernambuco. Available at: <https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/pernambuco-211>. Accessed on: 24 May. 2022.

CONAB. 2022. Tabela de dados - Produção e balanço de oferta e demanda de grãos (abril/2022). Available at: https://www.conab.gov.br/component/k2/item/download/41684_5d815afac2734e1a46eedcb0c15f6a27. Accessed on: 24 May. 2022.

CORREIA IMS et al. 2014. Avaliação das potencialidades e características físico-químicas do óleo de girassol (Helianthus annuus L.) e coco (Cocos nucifera L.) produzidos no Nordeste brasileiro. Scientia Plena 10: 1-7.

CORREIA RC et al. 2011. A região semiárida brasileira. In: VOLTOLINI TV (Ed.). Petrolina: Embrapa Semiárido. p.21-48.

DUDHE MY et al. 2020. Genetic variability, diversity and identification of trait-specific accessions from the conserved sunflower germplasm for exploitation in the breeding programme. Agricultural Research 9: 9-22.

FERNANDES ARM et al. 2009. Composição química e perfil de ácidos graxos da carne de bovinos de diferentes condições sexuais recebendo silagem de milho e concentrado ou cana-de-açúcar e concentrado contendo grãos de girassol. Revista Brasileira de Zootecnia 38: 705-712.

FERREIRA EB et al. 2014. ExpDes: An R package for ANOVA and experimental designs. Applied Mathematics 5: 2952-2958.

FERREIRA PV. 2018. Estatística Experimental Aplicada às Ciências Agrárias. Viçosa: Editora UFV. 588p.

GJORGJIEVA B et al. 2015. Correlation and path analysis in sunflower (Helianthus annuus L.). Helia 38: 201-210.

GLOBALFERT. 2021. Outlook GlobalFert. Available at: <https://globalfert.com.br/OGFposEvento/arquivo/Outlook-GlobalFert-2021.pdf>. Accessed on: 24 May. 2022.

GUL V & KARA K. 2015. Effects of different nitrogen doses on yield and quality traits of common sunflower (Helianthus annuus L.). Turkish Journal of Field Crops 20: 159-165.

HAWORTH M et al. 2016. Impaired stomatal control is associated with reduced photosynthetic physiology in crop species grown at elevated [CO2]. Frontiers in Plant Science 7: 1568.

HENRYSON K et al. 2020. Soil N2O emissions, N leaching and marine eutrophication in life cycle assessment - A comparison of modelling approaches. Science of The Total Environment 725: e138332.

INMET. 2022. Instituto Nacional de Meteorologia. Dados históricos anuais. Available at: <https://portal.inmet.gov.br/dadoshistoricos>. Accessed on: 24 May. 2022.

IQBAL M et al. 2013. Genetic divergence and path coefficient analysis for yield related attributes in sunflower (Helianthus annuus L.) under less water conditions at productive phase. Plant Knowledge Journal 2: 20-23.

JIAN S et al. 2018. NRT1.1-Related NH4+ toxicity is associated with a disturbed balance between NH4+ uptake and assimilation. Plant Physiology 178: 1473-1488.

KHANZADA A et al. 2016. Evaluating right timing and splitting nitrogen application rates for enhanced growth and yield of sunflower. European Academic Research 4: 5986-6007.

KONG L et al. 2017. Excessive nitrogen application dampens antioxidant capacity and grain filling in wheat as revealed by metabolic and physiological analyses. Scientific Reports 7: 1-14.

LAWLOR DW. 2002. Carbon and nitrogen assimilation in relation to yield: mechanisms are the key to understanding production systems. Journal of Experimental Botany 53: 773-787.

MAHMUD K et al. 2021. Nitrogen losses and potential mitigation strategies for a sustainable agroecosystem. Sustainability 13: 1-23.

MALDANER IC et al. 2009. Modelos de determinação não-destrutiva da área foliar em girassol. Ciência Rural 39: 1356-1361.

MOLL RH et al. 1982. Analysis and interpretation of factors which contribute to efficiency of nitrogen utilization. Agronomy Journal 74: 562-564.

ÖZER H et al. 2004. Response of irrigated sunflower (Helianthus annuus L.) hybrids to nitrogen fertilization: growth, yield and yield components. Plant, Soil and Environment 50: 205-211.

QUAGGIO JÁ & UNGARO MRG. 1997. Girassol. In: VAN RAIJ B et al. (Ed.). Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Campinas: IAC. 198p. (Boletim Técnico 100).

R CORE TEAM. 2022. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Available at: <https://www.R-project.org/>. Accessed on: 15 Jan. 2022.

SANTOS JB et al. 2016. Irrigation with saline water and nitrogen in production components and yield of sunflower. Revista Caatinga 29: 935-944.

SANTOS JF et al. 2013. Produção de girassol submetido à adubação organomineral. Agropecuária Científica no Semiárido 9: 38-44.

SANTOS SC et al. 2021. Produção de óleo de girassol. In: SILVA IC et al. (Ed.). Tecnologias aplicadas em análise de sementes e tópicos sobre a cultura do girassol. Ponta Grossa: Editora Atenas. p.41-49.

SILVA EE et al. 2016. Manejo da adubação nitrogenada na cultura do girassol para avaliação dos parâmetros crescimento e produção. Revista Educação, Tecnologia e Cultura 14: 1-21.

SILVA SMS et al. 2019. Comportamento de cultivares de girassol em condições de sequeiro no estado de Pernambuco. Pesquisa Agropecuária Pernambucana 24: e1941242019.

SOARES LE et al. 2016. Crescimento e produtividade do girassol sob doses de nitrogênio e fósforo. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 6: 19-25.

TOMICH TR et al. 2004. Características químicas e digestibilidade in vitro de silagens de girassol. Revista Brasileira de Zootecnia 33: 1672-1682.

VALERIANO TTB et al. 2020. Doses de nitrogênio para a cultura do girassol irrigado. Revista Inova Ciência & Tecnologia 6: 5-11.

VIANA EPT et al. 2018. Ontogênese e produção de girassol submetido a diferentes regimes de irrigação e adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada 12: 2305-2314.

WENNECK GS et al. 2019. Nutrientes e biomassa no ciclo vegetativo do girassol em função do nitrogênio em cobertura. Energia na Agricultura 34: 573-582.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

LEMOS, P.; PEREIRA, R. G. .; CAVALCANTE, M.; ANDRADE, A. R. S. de .; MEDEIROS, P. V. Q. de . Resposta do girassol a doses de nitrogênio. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 4, p. 516 - 523, 2022. DOI: 10.5965/223811712142022516. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21825. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência do Solo e do Ambiente

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)