Estudo da salinidade em águas de irrigação utilizadas na lavoura arrozeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712112022027

Palavras-chave:

Arroz irrigado, Dano foliar, Condutividade elétrica, estuário

Resumo

No estado de Santa Catarina predomina na sua totalidade o cultivo de arroz irrigado e a água utilizada para a irrigação destas lavouras em sua maioria são retiradas diretamente de cursos de água. A região da Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba tem sua economia baseada no cultivo do arroz irrigado, cujas plantas são sensíveis à salinidade. O presente trabalho objetivou determinar a flutuação de salinidade na água do Rio Mampituba (Sul do Brasil) utilizada para irrigação na lavoura arrozeira durante as quatro estações do ano. Para a determinação da salinidade foram realizadas coletas de água em seis locais no percurso do rio, desde sua nascente até a foz. Em cada local foram coletadas três subamostras de água com intervalo médio de 15 dias iniciado em maio de 2016 e finalizado em abril de 2017 e analisada a condutividade elétrica (CE). A caracterização do dano por salinidade em plântulas de arroz foi realizada nas cultivares IRGA 417 e EPAGRI 106. As plântulas foram transplantadas para solo inundado com diferentes concentrações salinas no estádio S2. A CE ao longo do período avaliado variou de 224 a 20.120 µS cm−1 e foi maior nos pontos mais próximos ao mar. Os maiores valores de salinidade foram observados entre os meses de novembro de 2016 e janeiro de 2017. Foi possível observar relação inversa entre a precipitação e a salinidade. A salinidade causa danos as plantas de arroz sendo os principais danos observados em plântulas. Estes danos foram clorose da ponta do limbo foliar, enrolamento foliar e necrose de folhas velhas. É importante que os orizicultores saibam como é a flutuação da cunha salina dentro do estuário, além de quais níveis incidem em cada local e em cada época do ano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTHOFF DA. 2002. Salinidade no Rio Araranguá versus arroz irrigado: problemas e alternativas. Revista Tecnologia e Ambiente 8: 83-92.

CARMONA FC et al. 2011. Salinidade da água e do solo e seus efeitos sobre o arroz irrigado no Rio Grande do Sul. Cachoeirinha: IRGA. 54p. (Boletim Técnico n°10).

COUCEIRO MAA et al. 2021. Modeling an arrested salt-wedge estuary subjected to variable river flow. Regional Studies In Marine Science 43: 1-12.

COUNCE P et al. 2000. A uniform, objective, and adaptative system for expressing rice development. Crop Science 40: 436-443.

D'AQUINO C de A et al. 2011. Caracterização oceanográfica e do transporte de sedimentos em suspensão no estuário do rio Mampituba, SC. Revista Brasileira de Geofísica 29: 217-230.

DENARDIN LG de O et al. 2018. Salt-affected soils of the coastal plains in Rio Grande do Sul, Brazil. Geoderma Regional 14: e00186.

GIEHL AL et al. 2021. Boletim Agropecuário n°96. Florianópolis: Epagri. 49p. (Documento n° 339).

KHARE T et al. 2015. Na+ and Cl− ions show additive effects under NaCl stress on induction of oxidative stress and the responsive antioxidative defense in rice. Protoplasma 252: 1149-1165.

KRISHNAMURTHY SL et al. 2016. Effect of salinity and use of stress indices of morphological and physiological traits at the seedling stage in rice. Indian Journal of Experimental Biology 54: 843-850.

MUKHOPADHYAY R et al. 2021. Soil salinity under climate change: challenges for sustainable agriculture and food security. Journal of Environmental Management 280: 111736.

PARAIZO EA et al. 2021. Tiamina como atenuador do estresse salino em sementes de arroz. Agronomic Crop Journal 30:123-135.

PARIHAR P et al. 2015. Effect of salinity stress on plants and its tolerance strategies: a review. Environmental Science and Pollution Research 22: 4056-4075.

SCHMIDT F & VIEIRA FILHO LO. 2017. Tolerância de cultivares de arroz da Epagri à salinidade da água de irrigação na fase vegetativa. Revista Agropecuária Catarinense 30: 89-95.

SILVA FAZ & AZEVEDO CAV. 2016. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research 11: 3733-3740.

SOSBAI. 2018. SOCIEDADE SUL- BRASILEIRA DE ARROZ IRRIGADO. Arroz Irrigado: Recomendações Técnicas da Pesquisa para o Sul do Brasil. 32.ed. Farroupilha: Pallotti.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análises de solo, plantas e outros materiais. 1.ed. Porto Alegre: UFRGS.

Downloads

Publicado

2022-03-04

Como Citar

MARTINS JÚNIOR, M. C.; POLETTO, N. Estudo da salinidade em águas de irrigação utilizadas na lavoura arrozeira. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 1, p. 27-34, 2022. DOI: 10.5965/223811712112022027. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21062. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados