Soluções nutritivas na produção de mudas de morangueiro e a sua influência no desempenho agronômico

Autores

  • Andressa Vighi Schiavon Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS.
  • Eloi Evandro Delazeri Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS.
  • Tais Barbosa Becker Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS.
  • Paulo Mello-Farias Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS.
  • Luís Eduardo Correa Antunes Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712022021159

Palavras-chave:

cultivo sem solo, fenologia, Fragaria x ananassa, mudas de torrão

Resumo

Objetivou-se avaliar o desempenho agronômico de cultivares de morangueiro, a partir de mudas ‘plug plant’ produzidas com diferentes soluções nutritivas, em sistema de cultivo sem solo. Os experimentos foram realizados em casa de vegetação com a utilização de mudas das cultivares Aromas e Camarosa, as quais foram produzidas com quatro soluções nutritivas. Foram avaliados dois ciclos de cultivo. O primeiro, de abril de 2017 à março de 2018, foram avaliados o desempenho agronômico de duas cultivares (Camarosa e Aromas) e quatro soluções nutritivas (SN1, SN2, SN3 e SN4), em esquema fatorial 2 x 4. No segundo ciclo, de abril a dezembro de 2018, foram avaliadas duas cultivares (Camarosa e Aromas) e duas soluções nutritivas (SN3 e SN4), em esquema fatorial 2 x 2. Em ambos os ciclos, avaliaram-se variáveis fenológicas, produtivas e matéria seca de folhas, coroas e estolões. A utilização das diferentes soluções nutritivas na fase de produção dos propágulos não influenciou a maioria das variáveis analisadas, uma vez que o ciclo do morangueiro é longo e o efeito das mesmas acaba se diluindo no decorrer do mesmo. No entanto, o efeito do fator cultivar foi significativo, sendo que, no geral, ‘Camarosa’ foi mais precoce que ‘Aromas’ em relação às variáveis fenológicas referentes à floração, frutificação e estolonamento. As cultivares apresentaram produção de frutas similares entre si nos dois ciclos de cultivo. ‘Camarosa’ apresenta maior produção de matéria seca de folhas e estolões em comparação com a cultivar Aromas.

Referências

ANTUNES LEC et al. 2015. Morangos do jeito que o consumidor gosta. Campo & Negócios - Anuário Hortifruti 1: 64-72.

BECKER TB. 2017. Produção de mudas de morangueiro fora do solo sob diferentes concentrações de nitrogênio nas matrizes e datas de plantio das mudas na Região Sul do RS. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Pelotas: UFPEL. 107p.

BRADFORD E et al. 2010. Interactions of temperature and photoperiod determine expression of repeat flowering in strawberry. Journal of the American Society for Horticultural Science 135: 102-107.

COCCO C et al. 2011. Crown size and transplant type on the strawberry yield. Scientia Agricola 68: 489-493.

COCCO C. 2014. Produção e qualidade de mudas e frutas de morangueiro no Brasil e na Itália. Tese (Doutorado em Agronomia). Pelotas: UFPEL. 124p.

DAL PICIO M et al. 2013. Fruit yield of strawberry sto¬ck plants after runner tip production by different cultivars. Horticultura Brasileira 31: 375-379.

DIEL MI et al. 2017. Phyllochron and phenology of strawberry cultivars from different origins cultivated in organic substracts. Scientia Horticulturae 220: 226-232.

DIEL MI et al. 2018. Cultivation of strawberry in substrate: Productivity and fruit quality are affected by the cultivar origin and substrates. Ciência e Agrotecnologia 42: 229-239.

FAGHERAZZI AF et al. 2017. Strawberry production progress in Brazil. Acta Horticulturae 1156: 937-940.

FAO. 2020. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Crops. Agricultural Production/strawberry. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#home. Acesso em: 10 out. 2020.

FURLANI PR & FERNANDEZ JÚNIOR F. 2004. Cultivo hidropônico de morango em ambiente protegido. In: II Simpósio Nacional do Morango & Encontro de Pequenas Frutas e Frutas Nativas do Mercosul. Anais... Pelotas: Embrapa Clima Temperado. p.102-115.

GIMÉNEZ G et al. 2008. Cultivo sem solo no morangueiro. Ciência Rural 38: 273-279.

GONÇALVES MA. 2015. Produção de mudas de morangueiro e comportamento a campo. Tese (Doutorado em Agronomia). Pelotas: UFPEL. 153p.

GONÇALVES MA & ANTUNES LEC. 2016. Mudas Sadias: o início do sucesso no cultivo de morango. Campo & Negócios - Hortifruti 128: 48-51.

HEIDE OM et al. 2013. Physiology and genetics of flowering in cultivated and wild strawberries - a review. The Journal of Horticultural Science and Biotechnology 88: 1-18.

JANISCH DI et al. 2008. Produção de frutos do morangueiro em diferentes épocas de plantio em Santa Maria, RS. Horticultura Brasileira 26: 975-1978.

MARTÍNEZ-FERRI E et al. 2016. Water relations, growth and physiological response of seven strawberry cultivars (Fragaria × ananassa Duch.) to different water availability. Agricultural Water Management 164: 73-82.

OLIVEIRA ACB & ANTUNES LEC. 2016. Melhoramento genético e principais cultivares. In: ANTUNES LEC et al. Morangueiro. Brasília: Embrapa. p.134-147.

PEIL RMN et al. 2018. Cultivo do morangueiro em substrato: aspectos técnicos e ambientais de sistemas abertos e fechados. In: XIII Encontro e V Simpósio Latino-Americano de Hidroponia. Anais ... Florianópolis: Tribo da Ilha. p.24-50.

SERÇE S & HANCOCK JF. 2005. The temperature and photoperiod regulation of flowering and runnering in the strawberries, Fragaria chiloensis, F. virginiana, and F. x ananassa. Scientia Horticulturae 103: 167-177.

SONNEVELD C & STRAVER N. 1994. Nutrient solutions for vegetables and flowers grown in water or substrates. The Netherlands: Proefstation voor Tuinbouw onder Glas Te Naaldwijk. 45p.

STRASSBURGER AS et al. 2010. Crescimento e produtividade de cultivares de morangueiro de “dia neutro” em diferentes densidades de plantio em sistema de cultivo orgânico. Bragantia 69: 623-630.

TAZZO IF et al. 2015. Exigência térmica de duas seleções e quatro cultivares de morangueiro cultivado no planalto catarinense. Revista Brasileira de Fruticultura 37: 550-558.

VERDIAL MF et al. 2007. Vernalização em cinco cultivares de morangueiro. Ciência Rural 37: 976-981.

VIGNOLO GK. 2015. Produção e qualidade de morangos durante dois ciclos consecutivos em função da data de poda, tipo de filme do túnel baixo e cor do mulching plástico. Tese (Doutorado em Agronomia). Pelotas: UFPEL. 124p.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa