Síndrome da Hiperestesia Felina – Relato de Caso

Autores

  • Danilo Barbosa Viana Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil.
  • Adilson Paulo Marchioni Cabral Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Jaboticabal, São Paulo, Brasil.
  • Ana Paula Lourenção Albuquerque Universidade Estadual de Maringá, Umuarama, Paraná, Brasil.
  • Felipe Jacques Sanches Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, São Paulo, Brasil.
  • Marilda Onghero Taffarel Universidade Estadual de Maringá, Umuarama, Paraná, Brasil.
  • Paulo Fernandes Marcusso Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Unaí, MG, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711932020381

Palavras-chave:

Distúrbio comportamental, Neurologia, Pênfigo

Resumo

A Síndrome da Hiperestesia Felina (FHS) é uma condição clínica, caracterizada por contrações musculares involuntárias e mudanças de comportamento. É uma síndrome rara, muitas vezes de origem desconhecida, sendo que as causas mais comuns associadas são doenças relacionadas à pele, tais como dermatites bacterianas, fúngicas, alérgicas e doenças imunomediadas. Causas relacionadas ao sistema nervoso central e distúrbios comportamentais também são relatadas. Os sinais clínicos são variados, o diagnóstico muitas vezes é complexo e o tratamento varia de acordo com a causa de base.  O objetivo deste relato de caso é descrever um caso de FHS de possível origem dermatológica. Um felino, macho, de três anos, da raça Siamês, foi atendido apresentando doença do trato urinário inferior felino há nove dias. Associado, o animal possuía áreas eritematosas e de hipotricose por toda a face, principalmente ao redor dos olhos, nariz e pavilhões auriculares, juntamente com hipersensibilidade dolorosa ao toque e fasciculações cutâneas na região lombar, coccígea e membros pélvicos. Foi realizado exame histopatológico das lesões de pele, onde foi visualizada dermatite superficial perivascular crônica proliferativa. Com base nos achados de exame físico e nos exames complementares, o animal foi diagnosticado com síndrome da hiperestesia felina secundária à dermatopatia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARDÓS SL 2016. Hiperestesia felina Madrid: AEVA. Disponível em: https://aevaveterinaria.es/index.php/component/k2/25-hiperestesia-felina. Acesso em: 28 fev. 2018.

CIRIBASSI J 2009. Understanding behavior: feline hyperesyhesia síndrome. Compendium Continuing Education for Veterinarians 31: 116-132.

DEWEY CW & DA COSTA RC 2017. Neurologia canina e felina – guia prático. 1.ed. São Paulo: Editora Guará. 752p.

LANDSBERG GM et al. 2013. Behavior Problems of the Dog and Cat. 3.ed. London: Elsevier. 472p.

LITTLE SE. 2015. O Gato: Medicina Interna. 1.ed. Rio de Janeiro: Roca. 1332p.

MANDIGERS PJJ & BERGKNUT N. 2016. Feline hyperesthesie syndroom. Tijdschrift voor Diergeneeskunde 3: 2-3.

MEDLEAU L & HNILICA KA. 2003. Dermatologia de pequenos animais: atlas colorido e guia terapêutico. 1.ed. São Paulo: Roca. 353p.

MOLINER CM & STEVERS PM. 2013. Síndrome da Hiperestesia Felina. Boletim de Etologia 12: 5-6.

O'LEARY DJ. 2015. Swallowed needle in a cat treated for feline hyperaesthesia syndrome. Acupuncture in Medicine 33: 336-337.

WERNER J. 2002. Avaliação histopatológica das dermatopatias de pequenos animais diagnosticadas entre janeiro de 1998 e abril de 2001 em Curitiba – Paraná. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias). Curitiba: UFPR. 64p.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

VIANA, D. B.; CABRAL, A. P. M.; ALBUQUERQUE, A. P. L.; SANCHES, F. J.; TAFFAREL, M. O.; MARCUSSO, P. F. Síndrome da Hiperestesia Felina – Relato de Caso. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 3, p. 381 -385, 2020. DOI: 10.5965/223811711932020381. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/15086. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Nota de Pesquisa - Ciência de Animais e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)