Desempenho agronômico e supressão de plantas daninhas no sorgo em semeadura adensada

Autores

  • Guilherme Braga Pereira Braz Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.
  • Fellipe Goulart Machado Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.
  • Eduardo Lima do Carmo Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.
  • Antonio Germano Carpim Rocha Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.
  • Gustavo André Simon Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.
  • Camila Jorge Bernabé Ferreira Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711812019170

Palavras-chave:

comunidade infestante, métodos alternativos de manejo, Sorghum bicolor

Resumo

A semeadura do sorgo adensado pode influenciar no manejo cultural de plantas daninhas e desempenho produtivo da cultura. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do adensamento na semeadura do sorgo sobre o desenvolvimento agronômico da cultura e supressão de plantas daninhas. O experimento foi conduzido a campo no delineamento blocos casualizados. Os tratamentos foram dispostos em arranjo fatorial 2x2x2, adotando oito repetições. O primeiro fator consistiu em dois espaçamentos entre linhas, 0,50 e 0,25 m; o segundo fator foi composto por duas populações, 180.000 e 270.000 plantas ha-1; por fim, o terceiro fator correspondeu à convivência ou não com a comunidade infestante. Para o sorgo, foi avaliada a altura de plantas, comprimento e massa de panícula, massa de mil grãos e produtividade. Para as plantas daninhas, avaliou-se densidade e massa seca. O espaçamento entre linhas e a população de plantas influenciou os componentes de rendimento do sorgo, sem, contudo, apresentar efeito sobre a produtividade. A interferência das plantas daninhas durante todo o ciclo de desenvolvimento do sorgo promoveu redução na produtividade. O adensamento de plantas no cultivo do sorgo proporcionou redução da densidade de infestação e massa seca de plantas daninhas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Jorge Bernabé Ferreira, Universidade de Rio Verde, Rio Verde, GO, Brasil.

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ALBUQUERQUE CJB et al. 2010. Reduced spacing for Sorghum bicolor in the irrigated and rainfed systems. Pesquisa Aplicada & Agrotecnologia 3: 7-16.

ALBUQUERQUE CJB et al. 2011. Espaçamento e densidade de semeadura para cultivares de sorgo granífero no semiárido. Bragantia 70: 278-285.

CABRAL PHR et al. 2013. Interferência de plantas daninhas na cultura do sorgo cultivado em safrinha. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 308-314.

CARVALHO FP et al. 2011. Alocação de matéria seca e capacidade competitiva de cultivares de milho com plantas daninhas. Planta Daninha 29: 373-382.

CONAB. 2018. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira: grãos 2017/2018. Disponível em: http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/18_02_08_17_09_36_fevereiro_2018.pdf. Acesso

em: 16 fev. 2018.

CRUSCIOL CAC et al. 2011. Nutrição e produtividade de híbridos de sorgo granífero de ciclos contrastantes consorciados com capim‑marandu. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 1234-1240.

DOW AGROSCIENCES. 2016. Catálogo de híbridos de sorgo 2016. Disponível em: http://msdssearch.dow.com/PublishedLiteratureDAS/dh_0965/0901b803809652fb.pdf?filepath=br/pdfs/noreg/013-051 77.pdf&fromPage=GetDoc/. Acesso em: 12 fev. 2018.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: EMBRAPA Solos. 353p.

FERREIRA DF 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

KAPPES C et al. 2011. Desempenho de híbridos de milho em diferentes arranjos espaciais de plantas. Bragantia 70: 334-343.

MAGALHÃES PC et al. 2014. Exigências edafoclimáticas e fisiologia da produção. In: BORÉM A (Ed.). Sorgo: do plantio à colheita. Viçosa: UFV. p.58-88.

MAPA. 2018. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários/Agrofit. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/servicos-e-sistemas/sistemas/agrofitl>. Acesso em: 17 out. 2018.

MEROTTO JR. A et al. 2002. Interferência das plantas daninhas sobre o desenvolvimento inicial de plantas de soja e arroz através da qualidade da luz. Planta Daninha 20: 9-16.

MEROTTO JR. A et al. 2001. Variação da competição interespecífica em milho em função do controle de plantas daninhas em faixas. Planta Daninha 19: 287-294.

OLSEN JM et al. 2012. How important are crop spatial pattern and density for weed suppression by spring wheat? Weed Science 60: 501-509.

PEERZADA AM et al. 2016. Weed management in sorghum [Sorghum bicolor (L.) Moench] using crop competition: a review. Crop Protection 95: 74-80.

RIZZARDI MA et al. 2004. Manejo e controle de plantas daninhas em milho e sorgo. In: VARGAS L. (Ed.). Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. p.571-594.

RODRIGUES ACP et al. 2010. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do sorgo. Planta Daninha 28: 23-31.

SILVA AA et al. 2007. Biologia de plantas daninhas. In: SILVA AA & SILVA FJ (Eds). Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: UFV. p.17-62.

SILVA AG et al. 2015. Desempenho agronômico e econômico de híbridos de sorgo granífero na safrinha em Montividiu-GO. Revista de Agricultura 90: 17-30.

TOLK JA et al. 2013. Yield component analysis of grain sorghum grown under water stress. Field Crops Research 145: 44-51.

VASCONCELOS MCC et al. 2012. Interferência de plantas daninhas sobre plantas cultivadas. Agropecuária Científica do Semiárido 8: 1-6.

Downloads

Publicado

2019-06-19

Como Citar

BRAZ, G. B. P.; MACHADO, F. G.; CARMO, E. L. do; ROCHA, A. G. C.; SIMON, G. A.; FERREIRA, C. J. B. Desempenho agronômico e supressão de plantas daninhas no sorgo em semeadura adensada. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 2, p. 170-177, 2019. DOI: 10.5965/223811711812019170. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/13536. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)