Efeito da irrigação por aspersão no rendimento e potencial fisiológico das sementes de soja

Autores

  • Marciabela Fernandes Corrêa Universidade Federal de Pelotas, Doutora em Ciência e Tecnologia de Sementes
  • Renan Navroski Universidade Federal de Pelotas, Doutorando em Agronomia http://orcid.org/0000-0002-7854-6172
  • Luis Osmar Braga Schuch Universidade Federal de Pelotas, Professor Titular
  • Francisco de Jesus Vernetti Junior Embrapa Clima Temperado, Pesquisador
  • Tainan Lopes de Almeida Universidade Federal de Pelotas, Mestre em Ciência e Tecnologia de Sementes
  • Hélen Claudine Saliba Rodrigues Universidade Federal de Pelotas, Doutora em Ciência e Tecnologia de Sementes
  • Ariele Paula Nadal Universidade Federal de Pelotas, Graduanda em Agronomia
  • Gizele Ingrid Gadotti Universidade Federal de Pelotas, Professora

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711832019482

Palavras-chave:

Glycine max, déficit hídrico, germinação, solo de várzea.

Resumo

A irrigação por aspersão pode minimizar os efeitos negativos da deficiência hídrica e aumentar o rendimento e desempenho de sementes de soja no campo. Assim, o objetivo do trabalho foi avaliar o efeito da irrigação por aspersão no rendimento e potencial fisiológico das sementes de soja produzidas em solos de várzea. Os tratamentos foram constituídos por oito cultivares de soja e dois regimes hídricos: com e sem irrigação por aspersão. Foram utilizadas cultivares de soja BMX Força RR, BRS Tertúlia RR, CD 249 RR STS, BMX Potência RR, do grupo de maturação (GM) 6 e BRS 246 RR, BRS Charrua RR, BRS Taura RR, e CD 231 RR, do grupo de maturação (GM) 7. As variáveis analisadas foram o rendimento de sementes, germinação, primeira contagem da germinação, envelhecimento acelerado, condutividade elétrica, emergência em campo e peso de mil sementes. A irrigação por aspersão na cultura da soja em solo de várzea proporciona acréscimos no rendimento de todas as cultivares em estudo, variando os acréscimos entre 32% a 139% e proporciona acréscimo no potencial fisiológico de sementes das cultivares BMX Força RR, BRS Tertúlia RR, CD 249 RR STS, BMX Potência RR, e BRS Taura RR.

Referências

AOSA. 2002. Association of Official Seed Analysts. Seed vigor testing handbook. Lincoln: AOSA. 105p. (Contribuition, 32).

CONAB. 2012. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos: nono levantamento. Brasília: CONAB. 34p.

COSTA RCL. et al. 2008. Biochemical and physiological responsesin two Vigna unguiculata (L.) Walp. cultivars under waterstress. Journal of Agronomy 7: 98-101.

CRUSCIOL CAC et al. 2002. Produtividade e qualidade fisiológica de sementes de duas cultivares de arroz de terras altas em dois sistemas de cultivo. Revista Acta Scientiarum 24: 1569-1574.

CRUSCIOL CAC. et al. 2012. Fornecimento de água por meio de irrigação por aspersão para produção de sementes de arroz de terras altas. Bioscience Journal 28: 34-42.

DORNBOS DL et al. 1989. Drought stress effects during seed fill on soybean seed germination and vigor. Crop Science 29: 476-480.

GAZOLLA NETO A & SCHUCH LOB. 2013. Produção de semente e o avanço da soja na Metade Sul do Rio Grande do Sul. Seed News 17: 36-37.

HEATHERLY LG. 1993. Drought stress and irrigation effects on germination of harvested soybean seed. Crop Sciense 33: 777-781.

HERZOG RLS et al. 2004. Produtividade de soja em semeadura direta influenciada por profundidade do sulcador e adubo e doses de resíduos em sistema irrigado e não irrigado. Engenharia Agrícola 24: 771-780.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 2018. Produção agrícola municipal. Rio de Janeiro: IBGE. Available at: http://www.sidra.ibge.gov.br/tabela/1612. Accessed at: 09 mar. 2018.

KUSS RCR et al. 2008. Populações de plantas e estratégias de manejo de irrigação na cultura da soja. Ciência Rural 38: 1133-1137

MAEHLER AR et al. 2003. Potencial de rendimento da soja durante a ontogenia em razão da irrigação e arranjo de plantas. Pesquisa Agropecuária Brasileira 38: 225-231.

MAPA. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS. 399p.

MARCHESAN E. 2013. Desafios e perspectivas de rotação com soja em áreas de arroz. Disponível em: http://cbai2013.web2265.uni5.net/docs/cbai2013_palestra_enio_marchesan.pdf. Acesso em: 4 mai 2015.

MARCOS FILHO J. 2005. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ. 495p.

MARCOS FILHO J. 1999. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI FC et al. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.1-24.

MARCOS FILHO J. 2013. Importância do potencial fisiológico de sementes de soja. Informativo Abrates 23: 21-24.

MOTA FS et al. 1996. Análise agroclimática da necessidade de irrigação da soja no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia 4: 133-138.

SALINAS AR et al. 1996. Respuestas fisiológicas que caracterizan el comportamiento de diferentes cultivares de soja a la deficiencia hídrica en el suelo. Pesquisa Agropecuaria Brasileira 31: 331-338.

SILVA JB et al. 2007. Avaliação de genótipos de soja em semeadura de inverno, em Selvíria, MS: produção e qualidade fisiológica de sementes. Revista Brasileira de Sementes 29: 169-176.

TAVARES LC et al. 2013. Desempenho de sementes de soja sob deficiência hídrica: rendimento e qualidade fisiológica da geração F1. Ciência Rural 43: 1357-1363.

THOMAS AL & COSTA JA. 2010. Estresse hídrico em soja: impacto no potencial de rendimento de grãos. In: THOMAS AL & COSTA JA. Soja: manejo para alta produtividade de grãos. Porto Alegre: Evangraf. 248p.

TILLMANN MÂA & MENEZES NL. 2012. Análise de sementes. In: PESKE ST et al. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 3.ed. Pelotas: UFPel. p.161-272.

TUNES LM et al. 2008. Testes de vigor em sementes de aveia branca. Revista da FZVA 15: 94-106.

VERNETTI JUNIOR FJ & NUNES TL. 2010. Avaliação de cultivares da rede soja sul de pesquisa do grupo de maturidade seis tolerantes ao glifosato, na Embrapa Clima Temperado. Pelotas: Embrapa. p. 17-22. (Documentos 322).

VERNETTI JUNIOR FJ. et al. 2011. Cultivares de soja num sistema de produção com arroz, irrigados por aspersão. Resultados de pesquisa de soja na Embrapa Clima Temperado. Pelotas: Embrapa. p.61-66. (Documentos, 340).

VIEIRA RD et al. 2004. Electrical conductivity of the seed soaking solution and soybean seedling emergence. Scientia Agricola 61: 164-168.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados