Espécies potenciais para recuperação de áreas degradadas a partir de levantamento florístico realizado no Planalto Catarinense

Autores

  • Daiany Augusta Paes Martins Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Júlia Maria Erdmann Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Amanda Miguel Lemos Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Felipe Fornara Walter Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Ana Carla Lanzarini Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Maria Raquel Kanieski Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.5965/2238117118e2019038

Palavras-chave:

descritores fitossociológicos, área de preservação permanente, restauração florestal

Resumo

Este estudo teve como objetivos avaliar a composição florística e a estrutura fitossociológica de uma área de preservação permanente em Floresta Ombrófila Mista Aluvial no Planalto Catarinense e indicar espécies arbóreas potenciais para a restauração de áreas em locais com características semelhantes. A área de estudo localiza-se no município de Otacílio Costa, SC, nas margens do rio Canoas. Para o levantamento florístico foram alocadas 24 parcelas de 10 m x 10 m, nas quais todos os indivíduos com CAP ≥ 5 cm foram medidos, identificados e quantificados seus descritores fitossociológicos. A diversidade foi avaliada utilizando-se o índice diversidade de Shannon-Wiener (H’) e equabilidade de Pielou (J). Foram identificados 547 indivíduos, pertencentes a 22 famílias, distribuídos em 34 gêneros. Myrtaceae e Asteraceae foram às famílias de maior riqueza. Quanto à guilda de regeneração a maioria das espécies foi classificada em pioneira (45%), secundária inicial e secundária tardia (26% cada). Em relação à síndrome de dispersão as espécies foram classificadas em zoocóricas (71%), anemocóricas (26%) e autocóricas (3%). O índice de diversidade de Shannon-Wiener foi de 2,9 e o índice de equabilidade foi de 0,78. As espécies que apresentaram os maiores valores de importância, com potencial para restauração florestal, foram Mimosa scabrella, Schinus terebinthifolius e Gymnanthes klotzschiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCON GG et al. 2011. Fragmentação da Floresta com Araucária e ecossistemas associados no Corredor Ecológico Chapecó, Santa Catarina. Biotemas 24: 25-38.

ALMEIDA DS. 2016. Recuperação ambiental da Mata Atlântica. 3.ed. Ilhéus: Editus.

ALVARES CA et al. 2014. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-718.

ANSOLIN RD et al. 2016. Heterogeneidade ambiental e variação florístico-estrutural em um fragmento de Floresta com Araucária na Coxilha Rica - SC. Ciência Florestal 26: 1201-1210.

APG. 2009. Angiosperm Phylogeny Group - III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.

ARAUJO ACB et al. 2016. Estrutura de dois componentes arbóreos de Floresta Subtropical Ripária na Campanha Gaúcha, Sant’ana do Livramento, RS. Floresta 46: 481-490.

ARAUJO MM et al. 2010. Análise de agrupamento em remanescente de Floresta Ombrófila Mista. Ciência Florestal 20: 1-18.

BRASIL. 2012. Lei nº 12.651 de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 18 set. 2017.

BUDKE JC et al. 2005. Composição florística e estratégias de dispersão de espécies lenhosas em uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Iheringia 60: 17-24.

CARVALHO PER. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica.

COLONETTI S et al. 2009. Florística e estrutura fitossociológica em Floresta Ombrófila Densa Submontana na barragem do rio São Bento, Siderópolis, Estado de Santa Catarina. Acta Scientiarum. Biological Sciences 31: 397-405.

DEMINICIS BB et al. 2009. Dispersão natural de sementes: importância, classificação e sua dinâmica nas pastagens tropicais. Archivos de Zootecnia 50: 35-58.

DURIGAN ME. 1999. Florística, dinâmica e análise protéica de uma Floresta Ombrófila Mista em São João do Triunfo - PR. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 125p.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: EMBRAPA. 353p.

EPAGRI. 2002. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Dados e Informações Biofísicas da Unidade de Planejamento Regional Planalto Sul Catarinense. Florianópolis: UPR. 76p.

FERREIRA PI et al. 2012. Florística e fitossociologia arbórea de remanescentes florestais em uma fazenda produtora de Pinus spp. Floresta 42: 783-794.

FERREIRA PI et al. 2013. Espécies Potenciais para Recuperação de Áreas de Preservação Permanente no Planalto Catarinense. Floresta e Ambiente 20: 173-182.

FERREIRA TS et al. 2015. Formas de raridade de árvores em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista no sul do Brasil. Scientia Forestalis 43: 931-941.

FIORENTIN LD et al. 2015. Análise florística e padrão espacial da regeneração natural em área de Floresta Ombrófila Mista na região de Caçador, SC. Floresta e Ambiente 22: 60-70.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA & INPE. 1998. Atlas da evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas associados do domínio da Mata Atlântica no período 1990-1995. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica. 29p.

GANDOLFI S et al. 1995. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Botânica 55: 753-767.

GASPER AL et al. 2013. Inventário florístico florestal de Santa Catarina: espécies da Floresta Ombrófila Mista. Rodriguésia 64: 201-210.

GONÇALVES JLM et al. 2003. Recuperação de solos degradados. In: KAGEYAMA PY et al. (Orgs.). Restauração ecológica de ecossistemas naturais. Botucatu: FEPAF. p.51-76.

GRESSLER E et al. 2006. Polinização e dispersão de sementes em Myrtaceae do Brasil. Revista Brasileira de Botânica 29: 509-530.

GUERRA MP et. al. 2002. Exploração, manejo e conservação da araucária (Araucaria angustifolia). In: SIMÕES LL. LINO CF. (Ed.). Sustentável Mata Atlântica: a exploração de seus recursos florestais. São Paulo: SENAC. p.85-102.

HIGUCHI P et al. 2012a. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal 22: 79-90.

HIGUCHI P et al. 2012b. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany 35: 145-157.

IBGE. 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2.ed. Rio de Janeiro: Fundação Instituto. 275p.

HOLDRIDGE LR et al. 1971. Forest environment in tropical life zones: a pilot study. Pergamon Press. 747p.

KAGEYAMA P & GANDARA FB. 2000. Revegetação de áreas ciliares. In: RODRIGUES RR & LEITÃO-FILHO HF (Eds.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP. p.235-247.

KANIESKI MR et al. 2010. Quantificação da diversidade em Floresta Ombrófila Mista por meio de diferentes índices alfa. Scientia Forestalis 38: 567-577.

KLEIN RM. 1966. Árvores nativas indicadas para o reflorestamento no Sul do Brasil. Selowia 18: 29-29.

LENZI M & ORTH AF. 2004. Fenologia reprodutiva, morfologia e biologia floral de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaceae), em restinga da Ilha de Santa Catarina, Brasil. Biotemas 17: 67-89.

LINGNER DV et al. 2015. Floresta Ombrófila Densa de Santa Catarina - Brasil: agrupamento e ordenação baseados em amostragem sistemática. Ciência Florestal 25: 933-946.

LFB – LISTA DE ESPÉCIES DA FLORA DO BRASIL. 2016. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 12 set. 2016.

LOURENÇO ARL & BARBOSA MRV. 2012. Myrtaceae em restingas no limite norte de distribuição de Mata Atlântica, Brasil. Rodriguésia 63: 373-393.

MARTINS FR. 1993. Estrutura de uma floresta mesófila. 2.ed. Campinas: UNICAMP. 246p.

MARQUESINI NR. 1995. Plantas usadas como medicinais pelos índios do Paraná e Santa Catarina, Sul do Brasil: guarani, kaingang, xokleng, ava-guarani, kraô e cayuá. Dissertação (Mestrado em Botânica). Curitiba: UFPR. 361p.

MENDES AR. 2015. Floresta ciliar do rio pelotas ao longo de um gradiente altitudinal: fitossociologia e variáveis edáficas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Lages: UDESC. 113p.

NEGRINI M et al. 2012. Dispersão, distribuição espacial e estratificação vertical da comunidade arbórea em um fragmento florestal no Planalto Catarinense. Revista Árvore 36: 919-929.

NERI AV et al. 2011. Espécies de Cerrado com potencial para recuperação de áreas degradadas por mineração de ouro, Paracatu-MG. Revista Árvore 35: 907-918.

RECH CCC et al. 2015. Avaliação da restauração florestal de uma APP degradada em Santa Catarina. Floresta e Ambiente 22: 194-203.

RODE R et al. 2011. Grupos florísticos e espécies discriminantes em povoamento de Araucaria angustifolia e uma Floresta Ombrófila Mista. Revista Árvore 35: 319-327.

SILVA AC et al. 2012. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal 22: 193-206.

SILVA AC et al. 2013. Caracterização fitossociológica e fitogeográfica de um trecho de floresta ciliar em Alfredo Wagner, SC, como subsídio para restauração ecológica. Ciência Florestal 23: 579-593.

SILVA JMC et al. 2005. Destino das áreas de endemismo da Amazônia. Megadiversidade 1: 124-131.

SOBRAL M et al. 2009. Myrtaceae. In: STHEMAN J et al. Plantas da Floresta Atlântica. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 516p.

TEIXEIRA M et al. 2014. Estrutura da comunidade arbórea de um fragmento de Mata Ciliar do rio Taquari, Colinas, Rio Grande do Sul. Revista Jovens Pesquisadores 4: 19-31.

TRES DR & REIS A. 2007. La nucleación como propuesta para la restauración de la conectividad del paisaje. In: II Seminário Internacional de Restauración Ecológica. Santa Clara: Grupo Cubano de Restauración Ecológica. p.32-42.

VAN DER PIJL L. 1982. Principles of dispersal in higher plants. 3.ed. Berlin: Springer Verlag. 162p.

Downloads

Publicado

2020-07-28

Como Citar

MARTINS, D. A. P.; ERDMANN, J. M.; LEMOS, A. M.; WALTER, F. F.; LANZARINI, A. C.; KANIESKI, M. R. Espécies potenciais para recuperação de áreas degradadas a partir de levantamento florístico realizado no Planalto Catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 5, p. 38 - 46, 2020. DOI: 10.5965/2238117118e2019038. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/10809. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

XII Simpósio Florestal Catarinense

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)