Adubação nitrogenada na produção de grãos e matéria seca de cultivares de trigo de duplo propósito

Sabrina Carvalho Ronsani, Jonatas Thiago Piva, Samuel Luiz Fioreze, Kelen Cristina Basso, Ricardo Henrique Ribeiro, Marcos Renan Besen

Resumo


O trigo de duplo propósito possui potencial para produção de forragem e grãos no mesmo cultivo. O objetivo foi avaliar a produção de forragem e de grãos das cultivares BRS Tarumã e BRS Umbu, em função de doses de nitrogênio (N). O experimento foi conduzido no ano de 2014, em delineamento experimental de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas. As parcelas foram constituídas por duas cultivares de trigo de duplo propósito (BRS Umbu e BRS Tarumã) e as subparcelas, por quatro doses de nitrogênio (0, 30, 60, e 120 kg ha-1), com quatro repetições, sendo a aplicação de forma parcelada. Não houve interação entre cultivares e doses de nitrogênio para os parâmetros avaliados. A cultivar BRS Umbu se destacou pela altura de plantas, comprimento de espiga, número de grãos por espiga e produtividade de grãos. Na produção de massa seca, as cultivares não diferiram entre si. Houve resposta linear positiva em relação à dose de N para todos os componentes de rendimento e massa seca da forragem. Conclui-se que doses até 120 kg de N ha-1 promovem o melhor rendimento em todos os parâmetros analisados, e que em relação aos componentes de rendimento, assim como a produtividade de grãos, a cultivar BRS Umbu destaca-se em relação à BRS Tarumã.

Palavras-chave


BRS Tarumã, BRS Umbu, forragem, componentes do rendimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO CM et al. 2009. Resposta à vernalização de cultivares brasileiras de trigo. Bragantia 68: 535-543.

BARTMEYER TN et al. 2011. Trigo de duplo propósito submetido ao pastejo de bovinos nos Campos Gerais do Paraná. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 1247-1253.

CARVALHO PCF et al. 2014. Definições e terminologias para Sistema Integrado de Produção Agropecuária. Revista Ciência Agronômica 45: 1040-1046.

CASTRO PRC & KLUGE RA. 1999. Ecofisiologia de cultivos anuais: trigo, milho, soja, arroz e mandioca. São Paulo: Nobel. 126p.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre. 400p.

CONAB. 2015. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Quarto levantamento 2: 1-95.

CONAB. 2016. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Sétimo levantamento 4: 1-162.

EMBRAPA. 2016. BRS Tarumã e BRS Umbu. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2016.

FOLONI JSS et al. 2014. Fontes e doses de nitrogênio na adubação de semeadura do trigo no Paraná. Londrina: Embrapa Soja. 34p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 8).

FONTANELI RS. 2007. Trigo de duplo propósito na integração lavoura – pecuária. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

HASTENPFLUG M et al. 2011. Cultivares de trigo duplo propósito submetido ao manejo nitrogenado e a regimes de corte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 63: 196-202.

HENZ EL et al. 2016. Dual purpose wheat production with different levels of nitrogen topdressing. Semina: Ciências Agrárias 37: 1091-1100.

IAPAR. 2013. Instituto Agronômico do Paraná. Informações técnicas para trigo e triticale. Safra 2013. Disponível em: Acesso em: 25 jan. 2016.

KOZELINSKI SM. 2009. Produção de trigo duplo propósito e ciclagem de nutrientes em sistema de integração lavoura pecuária. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Pato Branco: UTFPR. 90p.

MAPA. 2016. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Zoneamento Agrícola. Portaria nº 247, de 26 de dezembro de 2016. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/politica-agricola/zoneamento-agricola/portarias-segmentadas-por-uf. Acesso em: 26 jan. 2017.

MELERO MM et al. 2013. Coberturas vegetais e doses de nitrogênio em trigo sob sistema plantio direto. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 343-353.

PELOZATO PRP. 2014. Avaliação do consórcio de aveia preta e azevém submetida a níveis de nitrogênio e épocas de cortes. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC agronomia). Curitibanos: UFSC. 27p.

RAMOS M. 1981. Caracterização da curva de resposta do trigo à aplicação de nitrogênio. Pesquisa Agropecuária Brasileira 16: 611-615.

RIBEIRO TLP et al. 2009. Respostas fenológicas de cultivares brasileiras de trigo à vernalização e ao fotoperíodo.

Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 1383-1390.

RODRIGUES O et al. 1998. Efeito da deficiência hídrica na produção de trigo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 33: 839-846.

SCHEEREN PL et al. 2000. Efeito do frio no trigo. Embrapa Trigo. (Comunicado Técnico online, 57).

TEDESCO MJ et al. 1995. Análise de solo, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS. 174p.

TEIXEIRA FILHO MCM et al. 2010. Doses, fontes e épocas de aplicação do nitrogênio em trigo irrigado em plantio direto. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira 45: 797-804.

TEIXEIRA FILHO MCM et al. 2008. Desempenho agronômico de cultivares de trigo em resposta a população de plantas e adubação nitrogenada. Revista Científica 36: 97-106.

VALÉRIO IP et al. 2008. Desenvolvimento de afilhos e componentes do rendimento em genótipos de trigo sob diferentes densidades de semeadura. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 319-326.

VIANA EM & KIEHL JC. 2010. Doses de nitrogênio e potássio no crescimento do trigo. Bragantia 69: 975-982.

WENDT W et al. 2006a. Manejo na cultura do trigo com finalidade de duplo propósito – forragem e grãos. Embrapa Trigo. (Comunicado Técnico online, 141).

WENDT W et al. 2006b. Avaliação de cultivares de trigo de duplo propósito, recomendados para o cultivo no Rio Grande do Sul. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 2p. (Comunicado Técnico, 137).

ZAMBAN M et al. 2014. Avaliação de diferentes doses de nitrogênio em trigo de duplo proposito na produção de massa verde, massa seca e potencial de rebrote. Disponível em:

/trabalhos/2014025014.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171