Determinação da fragilidade ambiental de uma bacia hidrográfica pertencente ao município de Presidente Prudente, SP

Mariane Moura Andrade, Danieli Regina Klein, Sandra Mara Krefta, André Gonçalves Vieira

Resumo


Os estudos da fragilidade dos ambientes são significativos e importantes para o planejamento ambiental e territorial, pois se trata de uma ferramenta que analisa e identifica ambientes em relação aos seus distintos níveis de vulnerabilidade. A carta de fragilidade auxilia em um diagnóstico aonde se pode fazer a correção dos problemas presentes e intervir em ações futuras. O presente trabalho foi elaborado com o objetivo de determinar a fragilidade ambiental de uma bacia hidrográfica da cidade de Presidente Prudente, SP, que não havia sido estudada anteriormente. Essa metodologia objetiva identificar áreas que apresentam maiores ou menores fragilidades, resultantes de pressões antrópicas advindas dos diferentes tipos de uso e ocupação do solo. Através deste estudo foi observado que esta bacia apresenta predomínio de fragilidade potencial média, seguida pela fragilidade potencial forte. Esse resultado indica grande predomínio de vegetação herbácea, solos rasos e áreas inadequadas para a implantação de atividades antrópicas devido à alta declividade.


Palavras-chave


planejamento territorial, vulnerabilidade ambiental, bacia do Coqueiro.

Texto completo:

PDF

Referências


BOIN MN. 2000. Chuvas e Erosões no Oeste Paulista: Uma Análise Climatológica Aplicada. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Rio Claro: UNESP. 264p.

FRANCISCO FC. 1989. Análise ambiental e consequências do desmatamento no município de Presidente Prudente no período de 1917 a 1986. Dissertação (Mestrado em Geografia). Rio Claro: UNESP. 104p.

GONÇALVES GGG et al. 2011. Determinação da fragilidade ambiental de bacias hidrográficas. Floresta 41:797-808.

IBGE. 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=354140 . Acesso em: 28 dez. 2015.

KAWAKUBO FS et al. 2005. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. In.: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Anais...... Goiânia: INPE. P. 2203-2210.

MESSIAS CG et al. 2012. Análise empírica de fragilidade ambiental utilizando técnicas de geoprocessamento: o caso da área de influência da Hidrelétrica do Funil - MG. Revista Geonorte 2: 112-125.

MONTEIRO CAF. 1973. A dinâmica climática e as chuvas do estado de São Paulo: estudo geográfico sob forma de atlas. São Paulo: USP. 130p.

ROSS JLS. 1994. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia 8: 63-74.

SPÖRL C 2001. Análise da fragilidade ambiental relevo-solo com aplicação de três modelos alternativos nas altas bacias do Rio Jaguari-Mirim, Ribeirão do Quartel e Ribeirão da Prata. Dissertação (Mestrado em Geografia Física). São Paulo: USP. 159p.

SPÖRL C & ROSS JLS 2004. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. Geousp - Espaço e Tempo. p. 39-49.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018278

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171