Nitrogênio em cobertura e estresse salino na qualidade fisiológica de sementes de meio-irmãos de milho, no Tocantins

Edmar Vinicius de Carvalho, Flávio Sérgio Afférri, Eliane Aparecida Rotili, Ana Luísa Lopes Ernesto Reis, Greice da Silva Ribeiro, Karen Cristina Leite Silva, Joênes Mucci Peluzio

Resumo


Na cultura do milho, o genótipo e a adubação afetam a produção de sementes de qualidade, e o uso de testes de vigor em condições de estresse permite identificar genótipos superiores. Objetivou-se, neste trabalho, verificar o efeito da adubação nitrogenada em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de 12 meio-irmãos de milho, com ou sem estresse salino. Essas sementes foram colhidas de plantas submetidas a duas doses de N em cobertura (0; 150 kg ha-1), na safra 2012/2013, de Gurupi, TO. Em laboratório, foram conduzidos dois experimentos: sem e com estresse salino (KCl - 16,73 g L-1). O delineamento utilizado foi inteiramente ao acaso, com esquema fatorial (12x2x2) e quatro repetições. Os seguintes testes foram realizados: germinação, comprimento e massa seca de plântulas. Os efeitos significativos do N em cobertura foram observados em maior grau quando em condição de germinação com estresse salino. Nessa condição, quando as sementes foram obtidas sem uso de N em cobertura, o meio-irmão L8 apresentou médias superiores de comprimento total (15,3 cm), radicular (9,54 cm) e da parte aérea (5,75 cm), e de massa seca radicular (26 mg plântula-1) e da parte aérea (28 mg plântula-1). O meio-irmão L9 apresentou influência significativa (positiva) do N nos atributos avaliados, quando a germinação foi realizada com estresse salino. A concentração de 16,73 g L-1 de KCl promoveu reduções significativas na germinação e vigor das sementes, porém, permitiu a visualização do efeito da adubação de N em cobertura. Em condições sem uso do N em cobertura e estresse salino na germinação, destacaram-se os meio-irmãos P6 e L8.

Palavras-chave


Cerrado, estresse mineral, germinação, vigor, Zea mays L.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU VM et al. 2014. Physiological performance and expression of isozymes in maize seeds subjected to water stress. Journal of Seed Science 36: 40-47.

ALLARD RW & BRADSHAW AD. 1964. Implications of genotype-environmental interactions in applied plant breeding. Crop Science 4: 503-508.

ÁVILA MR et al. 2007. Teste de comprimento de plântulas sob estresse hídrico na avaliação do potencial fisiológico das sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes 29: 117-124.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: MAPA/ACS. 399p.

CAÑAS RA et al. 2011. An integrated statistical analysis of the genetic variability of nitrogen metabolism in the ear of three maize inbred lines (Zea mays L.). Journal of Experimental Botany 62: 2309-2318.

CARVALHO HWL et al. 2000. Avaliação de progênies de meios-irmãos da população de milho CMS-453 no Nordeste brasileiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira 35: 1577-1584.

CARVALHO HWL & SOUZA EM. 2007. Ciclos de seleção de progênies de meios-irmãos do milho BR 5011 Sertanejo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 803-809.

CHIMONYO VGP et al. 2014. Genotype x environment interactions and yield stability of stress-tolerant open-pollinated maize varieties in the Eastern Cape province, South Africa. South African Journal of Plant and Soil 31: 61-68.

COLOMBO GA et al. 2014. Potencial genético de famílias de meios-irmãos de milho pipoca para as condições de cerrado do sul do Tocantins. Comunicata Scientiae 5: 259-266.

CONUS LA et al. 2009. Germinação de sementes e vigor de plântulas de milho submetidas ao estresse salino induzido por diferentes sais. Revista Brasileira de Sementes 31: 67-74.

DIAS MCLL & BARROS ASR. 1995. Avaliação da qualidade de sementes de milho. Londrina: IAPAR. 43p. (IAPAR. Circular, 88).

DUETE RRC et al. 2008. Manejo da adubação nitrogenada e utilização do nitrogênio (15N) pelo milho em Latossolo Vermelho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 161-171.

FERREIRA ACB et al. 2001. Características agronômicas e nutricionais do milho adubado com nitrogênio, molibdênio e zinco. Scientia Agricola 58: 131-138.

GONDIM TCO et al. 2006. Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho-crioulo sob estresse causado por baixo nível de nitrogênio. Revista Ceres 53: 413-417.

GRZYBOWSKI CRS et al. 2015. Testes de estresse na avaliação do vigor de sementes de milho. Revista Ciência Agronômica 46: 590-596.

MARSCHNER H. 1995. Mineral nutrition of higher plant. 2.ed. New York: Academic Press. 889p.

MOTERLE LM et al. 2006. Germinação de sementes e crescimento de plântulas de cultivares de milho-pipoca submetidas ao estresse hídrico e salino. Revista Brasileira de Sementes 28: 169-176.

NAKAGAWA J. 1999. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOSKI FC et al. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p. 1-24.

NERLING D et al. 2013. Genetic diversity for physiological quality of seeds from corn (Zea mays L.) intervarietal crossbreeds. Journal of Seed Science 35: 449-456.

NERLING D et al. 2014. Qualidade física e fisiológica de sementes de milho durante o beneficiamento. Revista de Ciências Agroveterinárias 13: 238-246.

OLIVEIRA GE et al. 2013. Physiological quality and amylase enzyme expression in maize seeds. Ciência e Agrotecnologia 37: 40-48.

PEREIRA LM et al. 2015. Seed quality, chlorophyll content index and leaf nitrogen levels in maize inoculated with Azospirillum brasilense. Revista Ciência Agronômica 46: 630-637.

RIBEIRO AC et al. 1999. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5ª aproximação. Viçosa: Comissão de Fertilidade do solo do Estado de Minas Gerais. 359p.

ROTILI EA et al. 2015. Características pré e pós maturação fisiológica na divergência genética em milho sob diferentes níveis de nitrogênio. Enciclopédia Biosfera 11: 2940-2949.

SBRUSSI CAG & ZUCARELI C. 2015. Germinação sob altas temperaturas para avaliação do potencial fisiológico de sementes de milho. Ciência Rural 45: 1736-1741.

TAIZ L & ZEIGER E. 2009. Fisiologia vegetal. 4.ed. Porto Alegre: Artmed. 820p.

TIMÓTEO TS & MARCOS FILHO J. 2013. Seed performance of different corn genotypes during storage. Journal of Seed Science 35: 207-215.

TONEL FR et al. 2013. Salicylic acid: physiological and biochemical changes in seeds and maize seedlings subjected to salt stress. Journal of Seed Science 35: 457-465.

ZUCARELI C et al. 2012. Doses e épocas de aplicação de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de milho doce. Revista Brasileira de Sementes 34: 480-487.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171