Um espelho sem reflexo: A mancha roxa na crítica teatral brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102472023e0201

Palavras-chave:

A mancha roxa, Teatro Brasileiro Moderno, Crítica Teatral, Aids, Plínio Marcos

Resumo

Neste artigo discutimos as diferentes metáforas empregadas pela recepção crítica da obra A mancha roxa, de Plínio Marcos. Ao procurar seu sentido no Brasil do final do século XX, abordando as principais chaves de leitura do texto e do espetáculo na visão de alguns dos principais críticos teatrais brasileiros atuantes quando de sua encenação. Na obra, o autor retoma o tema da vida atrás das grades a partir dos conflitos de um grupo de presidiárias, optando também, dessa vez, pela abordagem da aids. Para tanto, partimos da discussão de Susan Sontag, a fim de compreender o alcance mais geral do problema levantado por sua reflexão, pela crítica da peça e do espetáculo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clóvis Domingos Santos, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutorado em Artes pela UFMG (2018). Estágio pós-doutoral na UFOP (2018-2022), com Bolsa CAPES e pesquisa sobre “Crítica e Cena Contemporânea”. Mestrado em Artes pela UFMG (2010). Graduação em Bacharelado em Artes Cênicas pela UFOP (2007).

Paulo Marcos Cardoso Maciel, Universidade Federal de Ouro Preto

Pós-doutorado como bolsista FAPERJ/UNIRIO (2009-2011); CNPQ/UNIRIO (2013). Doutorado em Artes Cênicas pela UNIRIO (2009). Mestrado em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2003 - UNIRIO). Graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999 - UFRJ). Professor Adjunto do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Referências

ABREU, Wagner Coriolano de. Quando o teatro encena a cadeia: e recepção da dramaturgia de Plínio Marcos. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2001.

CARDOSO, Luiz Carlos. Drama sufocante no Bexiga. Visão, 29 mar. 1989. Disponível em: https://www.pliniomarcos.com/criticas/mancha-roxa-luizcarlos.htm. Acesso em: 17 fev. 2021.

DE MAN, Paul. Alegorias da leitura: linguagem figurativa em Rosseau, Nietzsche, Rilke e Proust. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1996.

DEL RIOS, Jefferson. A mancha roxa, um efeito devastador. O Estado de São Paulo, 21 mar. 1989. Disponível em: https://www.pliniomarcos.com/criticas/mancha-roxa-jefferson.htm. Acesso em: 17 fev. 2021.

GARCIA, Lauro Lisboa. Plínio Marcos, atrás das grades. O Estado de São Paulo, São Paulo, 12 mar. 1989.

GUZIK, Alberto. Com o impacto de um soco: em A mancha roxa, Plínio Marcos mostra que está em plena forma e com muita emoção. Veja, 9 jul. 1989. Disponível em: https://www.pliniomarcos.com/criticas/mancha-roxa-albertoguzik.htm.

Acesso em: 17 fev. 2021.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Cultura e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MAGALDI, Sábato. Depois do espetáculo. São Paulo: Perspectiva, 2003.

MAGALDI, Sábato. Moderna dramaturgia brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998.

MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Global, 1997.

MARCOS, Plínio. A mancha roxa. In: PÉCORA, Alcir (org). Plínio Marcos: obras teatrais, v.1. Atrás desses muros. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

MARTINS, Cláudio Luis Serra. Desmanchando preconceitos: a AIDS e a estética da mancha nas peças Angels in America, O Homem e a mancha e A mancha roxa. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MOSTAÇO, Edélcio. Crônicas de um tempo mau. In: MAIA, Fred; CONTRERAS, Javier Arancibia; PINHEIRO, Vinicius. Plínio Marcos: a crônica dos que não têm voz. São Paulo: Boitempo, 2002. p. 12-13.

PARANHOS, Kátia Rodrigues. Plínio Marcos: entre o feminino e o masculino no Brasil pós-1964. Urdimento: Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 21, p. 76-84, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.5965/1414573102212013076. Acesso em: 26 jul. 2023.

PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 2009.

PRADO, Décio de Almeida. Exercício findo. São Paulo: Perspectiva, 1987.

PÉCORA, Alcir. Atrás desses muros. In: PÉCORA, Alcir (org). Plínio Marcos: obras teatrais: atrás desses muros. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2016.

SARRAZAC, Jean-Pierre. Poética do drama moderno e contemporâneo: de Ibsen a Koltès. Trad. Newton Cunha, J. Guinsburg e Sonia Azevedo. São Paulo: Perspectiva. 2017.

SARRAZAC, Jean-Pierre et al. Léxico do drama moderno e contemporâneo. Trad. André Telles. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

SERAFIM, Lucas de Souza. O cárcere feminino em cena: representações da Aids em A mancha roxa, de Plínio Marcos. Revista de Psicologia da Unesp, [s. l.], v. 8, n. 2, 2019. Disponível em: https://revpsico-unesp.org/index.php/revista/article/view/80. Acesso em: 26 jul. 2023.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora/Aids e suas metáforas. Trad. Rubens Figueiredo e Paulo Henrique Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Downloads

Publicado

2023-07-24

Como Citar

SANTOS, Clóvis Domingos; MACIEL, Paulo Marcos Cardoso. Um espelho sem reflexo: A mancha roxa na crítica teatral brasileira. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 47, p. 1–26, 2023. DOI: 10.5965/1414573102472023e0201. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/23074. Acesso em: 19 maio. 2024.