Notas sobre o Teatro do Oprimido nas universidades brasileiras: Possibilidades e impasses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0104

Palavras-chave:

Teatro do Oprimido, universidade, Augusto Boal, dialética, teatro político - Brasil

Resumo

O artigo apresenta reflexões sobre a relação entre o Teatro do Oprimido (TO) e as universidades brasileiras. Após um breve panorama histórico, buscou-se proceder a uma abordagem dialética com o objetivo de discutir as implicações da presença do TO no meio acadêmico brasileiro. Considerando a literatura e as vozes de diversos pesquisadores, apontou-se os impasses e as possibilidades que emergem da presença de uma prática artística militante no ambiente universitário brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hayaldo Copque, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Doutorado, Mestrado e Graduação em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor adjunto da área de Teatro na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). 

Referências

ALTIERI, Antonio Luís de Quadros. A cultura do teatro de Augusto Boal: processos socioeducativos. 2012. 314 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2012.

BADIOU, Alain. Em busca do real perdido. Tradução: Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BARAÚNA, Tânia. Considerações sobre a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire e a Metodologia do Oprimido de Augusto Boal. In: Ligiéro, Zeca; Turle, Licko; Andrade, Clara de (org.). Augusto Boal: arte, pedagogia e política. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013. p.187-206.

BARBOSA, Inês, FERREIRA, Fernando Ilídio. Teatro do Oprimido e projeto emancipatório: mutações, fragilidades e combates. Sociedade e Estado [online]. 2017, v. 32, n. 2, p.439-463. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3202008. Acesso em: 5 jan. 2022.

BOAL, Augusto. A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BOAL, Augusto. Entre o teatro e a vida. IN: CARVALHO, Sérgio de (org.). O Teatro e a Cidade: Lições de História do Teatro. São Paulo: SMC, 2004.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. São Paulo: Editora 34, 2019.

BOAL, Julian. Sob antigas formas em novos tempos: o Teatro do Oprimido entre “ensaio da revolução” e adestramento interativo das vítimas. 2017. 212 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Serviço Social, Rio de Janeiro, 2017.

BRECHT, Bertolt. Poemas 1913-1956. Seleção e tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Editora 34, 2012.

CANDA, Cilene Nascimento. Todo mundo pode fazer Teatro do Oprimido: difusão de técnicas e jogos teatrais na educação. In: CANDA, Cilene Nascimento; MENDONÇA, Célida Salume (org.). Paisagens educativas do ensino de teatro na Bahia: saberes, experiências e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2018. p.203-222.

COLETIVO Terra em Cena. Terra em Cena. Página inicial. Disponível em: http://terraemcena.blogspot.com. Acesso em: 6 jan. 2022.

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. São Paulo: Editora Hucitec; Edições Mandacaru, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da tolerância. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra, 2021.

Google Acadêmico. Disponível em: https://scholar.google.com.br/. Acesso em: 6 jan. 2022.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução: Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

LIGIÉRO, Zeca. Prefácio. In: MATTOS, Cachalote. et al. Teatro do oprimido e universidade: experimentos, ensaios e investigações. Rio de Janeiro: Metanoia, 2016. p.9-13.

LIVE Mirada: lançamento do projeto Observatório do Teatro do Oprimido. [S. l.: s. n.], 2021. 1 vídeo (55 min). Publicado pelo canal GESTO Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Up3bEhvewLo. Acesso em: 4 jan. 2022.

SANTOS, Bárbara. Teatro do Oprimido: Raízes e asas – uma teoria da práxis. Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2016.

TRINDADE, Jussara. Notas sobre a criação do GESTO. In: MATTOS, Cachalote. et al. Teatro do oprimido e universidade: experimentos, ensaios e investigações. Rio de Janeiro: Metanoia, 2016. p.327-335.

VILLAS BÔAS, Rafael. Teatro do Oprimido: da relação com a estratégia política aos riscos da mercantilização, 2015. Disponível em: http://augustoboal.com.br/2015/02/28/teatro-do-oprimido-da-relacao-com-a-estrategia-politica-aos-riscos-da-mercantilizacao/. Acesso em: 10 jan. 2022.

VILLAS BÔAS, R. L.; PINTO, V. C.; ROSA, S. M. A Escola de Teatro Político e Vídeo Popular do Distrito Federal: formação pela práxis. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 34, p. 36-47, 2019. DOI: 10.5965/1414573101342019036. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101342019036. Acesso em: 6 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

COPQUE, H. Notas sobre o Teatro do Oprimido nas universidades brasileiras: Possibilidades e impasses. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1-23, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0104. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21523. Acesso em: 9 dez. 2022.