A vida é uma ópera feita de gestos: uma leitura brechtiana de Capitu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0212

Palavras-chave:

Gesto, Performance, Mise-en-scène, Estética audiovisual, Capitu

Resumo

O artigo coteja uma análise da gestualidade brechtiana como valor estético da microssérie Capitu (2008), de Luiz Fernando Carvalho. O intuito é aproximar, com as devidas congruências, a dimensão gestual do teatro épico de Brecht à ótica audiovisual da adaptação, cujo caminho de leitura comporta a tutela de contributos teóricos provenientes da Teoria do teatro, da Narratologia cinematográfica e dos Estudos da performance, na análise de cenas que melhor se alinham à perspectiva crítico-interpretativa adotada. Parte-se do alargamento da noção de gesto brechtiano, incidindo sobre a composição cênica, a metaficcionalidade e a mise-en-scène.Assim, a estética gestual é lida como um dos múltiplos componentes do amplo quadro de signos expressivos da linguagem polivalente da microssérie, que assimila diferentes dispositivos e combinações para ampliar os horizontes de sentido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Lopes de Sousa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutorando em Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestrado em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Especialização em andamento em Literatura e Ensino (UEMA). Especialização em Estudos Linguísticos e Literários pela Universidade Estadual do <Piauí (UESPI). Aperfeiçoamento em Análise do  Discurso e Literatura na Universidade Candido Mendes (UCAM). Graduação em Letras pela UEMA. 

Antonio Marcos Vieira Sanseverino, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Pós-doutor pela Brown University, com apoio da CAPES. Doutor em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor Associado de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (Nível 2). Membro do GT - Literatura e Sociedade, da ANPOLL.

Referências

AGAMBEN, Giogio. Notas sobre o gesto. Artefilosofia, Instituto de Filosofia, Artes e Cultura, Universidade Federal de Ouro Preto, IFAC, n. 4. Ouro Preto: IFAC, 2008.

AGAMBEN, Giogio. Por uma ontologia e uma política do gesto. Tradução Vinicius Honesko. Caderno de Leituras, n. 76. São Paulo: Edições Chão da Feira, 2018. (Série intempestiva)

BARTHES, Roland. Variaociones sobre la escritura. Trad. Enrique Folch Gonzáles. Barcelona, Paidós, 2002.

BARTHES, Roland. Escritos sobre teatro. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2007. (Coleção Roland Barthes)

BENJAMIN, Walter. Que é teatro épico? Um estudo sobre Brecht. In: Obras escolhidas I – magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 78-90.

BENJAMIN, Walter. Franz Kafka: a propósito de décimo aniversário de sua morte. In: Obras escolhidas I – magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p.137-164.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Trad. Maria Luiza Jatobá. Campinas, SP: Papirus, 2008. (Coleção Campo Imagético)

BORNHEIM, Gerd Alberto. Vigência de Brecht. In: O sentido e a máscara. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Debates; 8)

BORNHEIM, Gerd Alberto. Brecht: a estética do teatro. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

BRECHT, Bertold. Estudos sobre teatro. Tradução Fiama Pais Brandão. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2005.

CARVALHO, Luiz Fernando. Capitu c’est moi? In: DINIZ, Júlio (Org.). Machado de Assis (1908-2008). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Contraponto, 2008a.

CARVALHO, Luiz Fernando. Depoimento de Luiz Fernando Carvalho. In: DINIZ, Júlio (Org.). Machado de Assis (1908-2008). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Contraponto, 2008b.

CARVALHO, Luiz Fernando. A maior função da televisão é criar cidadãos. Folha de S. Paulo (Ilustrada). Entrevista concedida a Lígia Mesquita, 31/01/2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/01/1734731-a-maior-funcao-da-televisao-e-criar-cidadaos-diz-luiz-fernando-carvalho.shtml. Acesso em: 16 jul. 2021.

CARVALHO, Luiz Fernando. Fragmentos retirados do caderno de anotações do diretor Luiz Fernando Carvalho, entre os meses de Junho e Dezembro de 2006. Taperoá – Sertão da Paraíba. Disponível em: http://quadrante.globo.com/. Acesso em: 10 jul. 2021.

CARVALHO, Luiz Fernando. A linguagem como sonho (entrevista). Revista Bravo!, 18/01/2017. Disponível em: https://medium.com/revista-bravo/a-linguagem-como-sonho-17e89674f18. Acesso em 14 jul. 2021.

CAPITU. Direção: Luiz Fernando Carvalho. Rio de Janeiro: TV Globo, Projeto Quadrante, 2008. 2 DVDs (118 min. e 112 min.), full screen; son., color. Microssérie.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FLUSSER, Vílem. Gestos. São Paulo: Annablume, 2014.

GASPAR NETO, Francisco de Assis. O gesto entre dois universos: a noção de gestus no teatro de Bertolt Brecht e no cinema dos corpos de Gilles Deleuze. Revista Científica/FAP, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 1-15, jan./jun. 2009. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/viewFile/1594/934. Acesso em: 14 jul. 2021.

GAUDREAULT, André; JOST, François. A narrativa cinematográfica. Trad. Adalberto Müller. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

GODARD, Hubert. Gesto e percepção. In: SOTER, Silvia e PEREIRA, Roberto. Lições de dança 3. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2001. p. 11-35.

GUSBERG, Jorge. A arte da performance. Trad. Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 2013. (Debates; 206)

HAMBURGER, Esther. A fábula de “Capitu”. Revista Trópico, 08/12/2008. Disponível em: http://www.revistatropico.com.br/tropico/html/textos/3042,1.shl. Acesso em: 14 jul. 2021.

KRISTEVA, Julia. História da linguagem. Trad. Maria Margarida Barahona. Lisboa: Edições 70, 1969. (Signos, 6)

KOSLOFF, Sarah. Invisible storytellers: voiceover narration in American fiction film. Berkeley: University of California Press, 1988.

KOWZAN, Tadeusz. Os signos no teatro – introdução à semiologia da arte do espetáculo. In: GUINSBURG, Jacó; COELHO NETTO, José Teixeira; CARDOSO, Reni Chaves (Orgs.). Semiologia do teatro. São Paulo: Perspectiva, 1978. p.93-123. (Coleção Debates)

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Trad. Lauro António e Maria Eduarda Colares. Lisboa: Dinalivro, 2005.

MELAMED, Michel. Mergulho na complexidade [entrevista a Márcio Maio]. Folha de Londrina, 10/12/2008. Disponível em: https://www.folhadelondrina.com.br/folha-2/celebridade---mergulho-na-complexidade-665481.html. Acesso em: 22 jul. 2021.

MELIM, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

NONATO, Lívia Martins. Teatralidade na obra audiovisual Capitu. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

OLIVEIRA JUNIO, Luiz Carlos. A mise en scène no cinema: do clássico ao cinema de fluxo. Campinas, SP: Papirus, 2013.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Tradução J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PROENÇA FILHO, Domício. Capitu-memórias póstumas e o diálogo intertextual. In: DINIZ, Júlio (Org.). Machado de Assis (1908-2008). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Contraponto, 2008.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral (1880-1980). Trad. Yan Michalski. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982. (Palco e tela)

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1994. (Debates, 193)

ROSENFELD, Anatol. Brecht e o teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2012. (Debates, 326)

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra: ensaios. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno [1880-1950]. Tradução Raquel Imanishi Rodrigues. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

TEIXEIRA, Ubiratan. Dicionário de teatro. São Luís: Editora Instituto Geia, 2005. (Tubo de E Ensaios)

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suley Fenerich. 2. ed. ver. ampl. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

SOUSA, S. L. de; SANSEVERINO, A. M. V. A vida é uma ópera feita de gestos: uma leitura brechtiana de Capitu. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1-34, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0212. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21518. Acesso em: 1 dez. 2022.