Espacialidade travesti: habitat de gênero e práticas topográficas de corpos trans nas artes da cena brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200003

Palavras-chave:

Arte e espacialidade, Estudos cênicos de gênero, Topografia corporal, Transgeneridades

Resumo

O artigo trata de interrogar os processos poético-topográficos nas artes cênicas a partir dos paradigmas espaciais instaurados pelas corporalidades transgêneras na cena brasileira recente. A reflexão põe em tensão os fenômenos de performatividade do espaço (Mostaço, 2016) e de performatividade transgênera (Leal, 2018b) buscando entender traços de habitat de gênero nas artes contemporâneas. A espacialidade travesti é então pensada a partir de configurações cênicas provocativas suscitadas por modos atitudinais de proteção e criação de gênero no ambiente. Neste sentido, a partir de incitações de processos criativos recentes, e da noção de racismo ambiental (Santos et al., 2016), analisamos as categorias da passabilidade, da reclusão e do cisplay como possíveis modos de violência ambiental às transgeneridades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dodi Tavares Borges Leal, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Professora Adjunta do Centro de Formação em Artes e do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Federal do Sul da Bahia. Doutora em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo e Licenciada em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

ASSIS, Machado de. O Alienista. São Paulo: Ática, 1998.

BOAL, Augusto. A Estética do Oprimido - reflexões errantes sobre o pensamento do ponto de vista estético e não científico. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

CACERES, Imayna. Anti*colonial fantasies. In: CACERES, Imayna. Mesquita, Sunanda. Utikal, Sophie (Orgs.). Anti*colonial fantasies: decolonial strategies. Vienna: Zaglossus, 2017.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.

EINSTEIN, Albert. A Teoria da Relatividade Especial e Geral. São Paulo: Atlas, 1991.

GADELHA, Kaciano. DeCUlonização e diásporas trans: uma entrevista com Sanni e Pêdra Costa. In: PeriódiCUS — Revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidades. vol.1, n.7. Salvador: Grupo de Pesquisa CUS, Universidade Federal da Bahia, 2017.

HAWKING, Stephen. MLODINOW, Leonard. Uma nova história do tempo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

LEAL, Dodi. LUZVESTI: iluminação cênica, corpomídia e desobediências de gênero. Salvador: Devires, 2018a.

LEAL, Dodi. Performatividade transgênera: equações poéticas de reconhecimento recíproco na recepção teatral. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2018b.

LEAL, Dodi. Teatro do Oprimido Contemporâneo: performatividade e fronteiras. In: LEAL, Dodi. Teatra da Oprimida: últimas fronteiras cênicas da pré-transição de gênero. Porto Seguro: UFSB, 2019.

LEAL, Dodi. A arte travesti é a única estética pós-apocalíptica possível? Pedagogias antiCIStêmicas da pandemia. In: Pandemia Crítica, n.094. São Paulo: n-1 edições, 2020.

LEAL, Dodi. ROSA, André. Transgeneridades em performance: desobediências de gênero e anticolonialidades das artes cênicas. In: Revista Brasileira de Estudos da Presença, v.10, n.3, pp.1-29, 2020.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2017.

LEPECKI, André. Coreo-política e coreo-polícia. In: Ilha - Revista de Antropologia. v.13, n.1-2, 2011.

MOSTAÇO, Edélcio. Espaço e performatividade. In: O Percevejo Online, v.8, n.1, p.103-111, 2016.

PRECIADO, Paul. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2017.

SANTOS, Alessandro de Oliveira dos. MASSOLA, Gustavo Martineli. SILVA, Luis Guilherme Galeão da. SVARTMANN, Bernardo. Racismo ambiental e lutas por reconhecimento dos povos de floresta da Amazônia. In: Global Journal of Community Psychology Practice, v.7, 2016.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. In: Cadernos Pagu. n.28, janeiro-junho. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu, Universidade Estadual de Campinas, 2007.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

TAVARES BORGES LEAL, Dodi. Espacialidade travesti: habitat de gênero e práticas topográficas de corpos trans nas artes da cena brasileira. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–19, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200003. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18156. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Espaços: configurações na cena brasileira e latino-americana