O auto-teatro de Hélio Oiticica: provocações de uma arte ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200007

Palavras-chave:

Arte ambiental, Corpo, Espaço, Performance, Convívio

Resumo

Este artigo propõe um debate atual sobre espaço cênico a partir do artista brasileiro Hélio Oiticica e de suas contribuições para a ampla noção de arte ambiental em suas invenções, através da aproximação da performance, com atenção ao corpo e ao convívio. O artista subverte os limites das linguagens artísticas, a fim de experimentar os conflitos evidenciados entre arte e realidade. Ao cunhar a noção de auto-teatro, é possível concluir, junto de outros autores, que Oiticica construiu um caminho das telas aos corpos, considerando a instauração do ambiente através da dimensão arquitetural que foi acionada por seu interesse pela tridimensionalidade. Em seguida ele tratará da libertação da cor de suportes estáticos até a compreensão do espaço enquanto fenômeno social junto da abertura radical para a invenção de outros participantes em suas proposições, indo além da participação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everton Lampe de Araujo, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Arte Educador formado na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP – G).  Licenciatura em Artes cênicas e dança na Université Lille 3. Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Teatro e Doutorando em Teatro (PPGT – UDESC).

Referências

DADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade / Theodor W. Adorno; seleção de textos Jorge Mattos Brito de Almeida. Trad. por Juba Elisabeth Levy... [et a1.]. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. Buenos Aires: Ed. Adriana Hidalgo. 2007.

DOCTORS, Marcio. Espaço de Instalações Permanentes do Museu do Açude - Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Museu do Açude, 2000.

OITICICA FILHO, César; VIEIRA, Ingrid (Org.). Encontros Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial, 2010.

OITICICA, Hélio. “Uma arte sem medo” In: OITICICA FILHO, César; VIEIRA, Ingrid (Org.). Encontros Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial, 2010.

KNAB, Ken. A alegria da Revolução. Trad. Railton Sousa Guedes e Coletivo Periferia. 2003.

FREITAS, Artur. Contra-Arte: vanguardas, conceitualismo e arte de guerrilha - 1969 -1973. Tese de Doutorado. Pós- Graduação em História. Universidade Federal do Paraná. 2007.

MOSTAÇO, Edélcio. O Sol do novo mundo. Hélio Oiticica e o teatro ambiental. In: PARANHOS, K. (Org.). História, Teatro e Política. São Paulo: Ed. Boitempo, 2012.

OITICICA, Hélio. Arquivo 0194.73, 1973. Disponível em: http://54.232.114.233/extranet/enciclopedia/ho/detalhe/docs/dsp_imagem.cfm?name=Normal/0194.73%20p08%20-%20484.JPG. Acesso em: 12 jan. 2019.

OITICICIA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, Hélio. Caderno de anotações de Hélio Oiticica: arquivo 0182.61. São Paulo, Itaú Cultural, 1961.

OITICICA, Hélio. Entrevista a Jary Cardoso. "Um mito Vadio". Folhetim, 05 nov. 1978.

SCHECHNER, Richard. Environmental Theater. The Applause Acting Series. New York. 1994.

SPERLING, David. Corpo + Arte = Arquitetura: Proposições de Hélio Oiticica e Lygia Clark. In: BRAGA, Paula (org.) Fios Soltos: a arte de Hélio Oiticica. São Paulo: Perspectiva, 2008. p.117 a 135.

TAYLOR, Diana. Hacia una definición de Performance. 2001. Disponível em: http://performancelogia.blogspot.mx/2007/08/hacia-una-definicin-de-erformance.html. Aceso em: 04 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

ARAUJO, Everton Lampe de. O auto-teatro de Hélio Oiticica: provocações de uma arte ambiental. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–18, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200007. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18092. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Espaços: configurações na cena brasileira e latino-americana