Ação em combate: Criação colaborativa, participação e transcriação no processo criativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731033920200208

Palavras-chave:

Encenação, Escrita dramática, Criação colaborativa, Participação, Transcriação

Resumo

Este artigo discute a criação colaborativa do espetáculo Combate: corpos mortos, vivos e por vir. A montagem problematizou o machismo e o racismo, envolveu docentes, licenciandos em teatro e artistas locais de Pelotas, no extremo sul do Brasil. Apresentam-se aqui aspectos da pesquisa em artes cênicas e dos processos práticos de criação da encenação e escrita dramática na contemporaneidade, valendo-se dos referenciais de Béatrice Picon-Vallin e Antônio Araújo sobre criação colaborativa, de Óscar Cornago sobre participação, e de Haroldo de Campos sobre transcriação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Vieira Fernandes, Universidade Federal de Pelotas (UFPe)

Atriz, dramaturgista, pesquisadora e professora do Curso de Teatro-Licenciatura do Centro de Artes/UFPel. Doutora e Mestre em Letras pelo PPGLET/UFRGS, com bolsa CAPES de doutorado-sanduíche na Paris 3 – Sorbonne Nouvelle. Bacharel em Artes Cênicas com ênfase em Interpretação Teatral pelo DAD/UFRGS. Realizou Pós-doutorado no laboratório SeFeA (“Scènes francophones et écritures de l’altérité”), da Paris 3 – Sorbonne Nouvelle (2019).

Maria Amélia Gimmler Gimmler Netto, Universidade Federal de Pelotas (UFPe)| Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Artista cênica e professora do Curso de Teatro-Licenciatura do Centro de Artes/UFPel. Doutoranda em Artes Cênicas pelo PPGAC/UFBA, bolsista Capes Print/UFBA para doutorado sanduíche no Centro de Ciencias Humanas y Sociales del Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Madrid/España. Mestre em Artes Cênicas pelo PPGAC/UFRGS e licenciada em Educação Artística-Habilitação em Artes Cênicas pelo CEART/UDESC.

Referências

ARAÚJO, Antônio et al. FERNANDES, Silvia [org.]. Teatro da Vertigem. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

CAMPOS, Haroldo de. Transcriação/ org. Marcelo Tápia, Thelma Médici Nóbrega. São Paulo: Perspectiva, 2015.

CORNAGO, Óscar. Estrategias de participación y relación con el publico en las artes escénicas en España a comienzos del siglo XXI. Revista Cena, n. 20, Porto Alegre, p. 145-158, 2016.

FERNANDES, Fernanda Vieira. Combate: corpos mortos, vivos e por vir (texto dramático). Laboratório de Dramaturgismo e Direção rotativa de cenas. Universidade Federal de Pelotas. Outubro/2016.

FERNANDES, Silvia. Teatralidades contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

GUTIERREZ, Ester J. B. Negros, charqueadas e olarias: um estudo sobre o espaço pelotense. Pelotas: Ed. Universitária/UFPel, 2001.

KOLTÈS, Bernard-Marie. Combate de negro e de cães; O retorno ao deserto; Tabataba. Ed. bilíngue. Trad. Ângela Leite Lopes. São Paulo: Aliança Francesa/Instituto Totem Cultural/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

PICON-VALLIN, Béatrice. O Théâtre du Soleil: os primeiros cinquenta anos. São Paulo: Perspectiva: SESC São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

VIEIRA FERNANDES, F.; GIMMLER NETTO, M. A. G. Ação em combate: Criação colaborativa, participação e transcriação no processo criativo. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 39, p. 1-29, 2020. DOI: 10.5965/14145731033920200208. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18084. Acesso em: 6 out. 2022.