Notas sobre a peça Acima de tudo: sociologia e filosofia como bases para a criação teatral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731033920200206

Palavras-chave:

Teatro antifascista, Teatro político, Dramaturgia, Teatro e sociologia, Teatro e filosofia

Resumo

O artigo descreve a metodologia utilizada para a criação da peça Acima de tudo – Teatro antifascista, enfatizando o modo como a dramaturgia e a encenação articularam as bases teóricas estudadas. O neofascismo foi abordado a partir de fontes filosóficas e sociológicas que permitiram estabelecer paralelos entre o período da Alemanha nazista e o Brasil atual, sendo o mais evidente a mobilização, para ideias totalitárias, do sentimento da solidão em meio à multidão. O celular foi tomado como símbolo dessa solidão massificada hiper conectada que gerou o fascismo no Brasil e empregado na encenação tanto como objeto de cena quanto como inspiração para todo o espetáculo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernesto Gomes Valença, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Professor de Pedagogia do Teatro da UFOP. Doutor em Artes pela Escola de Belas Artes da UFMG (2014), possui Mestrado pela mesma instituição (2010) e graduação em Licenciatura em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo- ECA/USP (2002). Realiza pesquisa sobre as múltiplas dimensões do jogo no teatro, com destaque para a dimensão política do uso de novas tecnologias na cena.

Referências

ADORNO, Theodor W. A teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. Margem Esquerda: ensaios marxistas, nº 07 (p. 164-189). São Paulo: Boitempo Editorial, 2006.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAUMAN, Zygmunt. 44 cartas do mundo líquido-moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

BROOK, Peter. O ponto de mudança: quarenta anos de experiências teatrais 1946-1987. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

DOMINGOS, Clóvis. É possível organizar poeticamente o pessimismo? Horizonte da Cena, Belo Horizonte, 21 de agosto de 2019. Disponível em https://www.horizontedacena.com/e-possivel%AD-organizar-poeticamente-o-pessimismo/. Acesso em: 22 ago. 2019.

FEIJÓ, Ricardo Luis Chaves. Uma interpretação do primeiro milagre econômico alemão (1933 – 1944). Revista de Economia Política, vol. 29, nº 2, pp. 245-266, abril–junho/2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rep/v29n2/05.pdf Acesso em: 06 maio 2019.

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas. São Paulo: Annablume, 2008.

FLUSSER, Vilém. Pós-História: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Annablume, 2011.

FLUSSER, Vilém. O último juízo: gerações II. São Paulo: É Realizações, 2017.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

IBGE. Pesquisa nacional por amostragem de domicílios contínua: PNAD. Indicadores mensais produzidos com informações do trimestre móvel terminado em novembro de 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 28 de dezembro de 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/25a1c966521f8822cdc441fdbc75f49c.pdf Acesso em: 06 maio 2019

IBOPE. (2013). 89% dos manifestantes não se sentem representados por partidos. Disponível em: http://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/89-dos-manifestantes-nao-se-sentem-representados-por-partidos/. Acesso em: 10 jul. 2019.

MARCUSE, Herbert. Estado e indivíduo sob o nacional-socialismo. In: Tecnologia, Guerra e Fascismo. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

REICH, Wilhelm. Psicologia de massas do fascismo. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SOUZA, Jessé. A classe média no espelho. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2018.

VALENÇA, Ernesto. Acima de tudo – teatro antifascista. Rio de Janeiro: Autografia, 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

VALENÇA, E. G. Notas sobre a peça Acima de tudo: sociologia e filosofia como bases para a criação teatral. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 39, p. 1-34, 2020. DOI: 10.5965/14145731033920200206. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/17990. Acesso em: 6 out. 2022.