Capoeira e cenografia: diálogos possíveis pelo espaço

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200005

Palavras-chave:

Cenografia, Configuração espacial, Capoeira, Performance, Design

Resumo

A partir de questões suscitadas pela análise de uma manifestação cultural tipicamente brasileira, a capoeira, alguns operadores conceituais são elencados no intuito de compreender como o espaço cênico caracteriza-se atualmente. Tomou-se como hipótese que o design do espaço da performance contemporânea busca investigar diversos modos que definem as relações entre ação e recepção, os quais influem diretamente na criação da espacialidade cênica. Essa mudança de paradigma, que é evidenciada com o auxílio da análise da capoeira, afeta a própria ideia de cenografia: esta se torna uma prática espacial que é praticada, atualmente, de modo a catalisar fluxos e codificar os corpos e os movimentos daqueles que se envolvem no evento cênico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Cezarino Rodrigues, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Cenógrafo e arquiteto. Professor adjunto na Escola de Arquitetura da UFMG. Doutor e mestre pelo Programa de Pós Graduação da Escola de Arquitetura. Líder do grupo de pesquisa CNPQ Barracão - Núcleo de Pesquisa e Experimentação em Cenografia e outras práticas espaciais cênico-performáticas. Coordenador do projeto de Extensão Barracão UFMG. Membro do Scenography Working Group da International Federation of Theatre Resarch (IFTR). 

Referências

ABIB, Pedro Rodolfo Jungers. Capoeira angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda. 2004. 173 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais Aplicadas à Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

ARONSON, Arnold. Looking into the Abyss: Essays on Scenography. 5th Ed. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2011.

BISHOP, Claire (Ed.). Participation. London: MIT Press, 2006.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DA MATA, João. A liberdade do corpo: soma, capoeira angola e anarquismo. São Paulo: Imaginário, 2001.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FALCÃO, José Luiz Cirqueira. O jogo da capoeira em jogo e a construção da práxis capoeirana. 2004. 409 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

LUCE, Patrícia Campos. Eu sou angoleiro: a aprendizagem da/na capoeira angola e suas relações com o lazer. 2010. 120 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Lazer) – Escola de Educação Física, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Tradução de Jacob Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 1999.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. The Emancipated Spectator. London: Verso, 2009.

RODRIGUES, Cristiano Cezarino. Cenografia: um outro modo de experimentar e praticar. 2013. 268 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. 237 p.

SIMÕES, Rosa. Da inversão à reversão do olhar: ritual e performance na capoeira angola. 2006. 203 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002.

WISNIK, José Miguel. Veneno remédio: o futebol e o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. 446 p.

ZONZON, Christine Nicole. A roda de capoeira angola: os sentidos em jogo. 2007. 138 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

RODRIGUES, Cristiano Cezarino. Capoeira e cenografia: diálogos possíveis pelo espaço. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–26, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200005. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/17905. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Espaços: configurações na cena brasileira e latino-americana