Teatro em silencio: onde foi parar o Jubileu de Amores, de Gil Vicente (c.1465 - c.1536)?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200030

Palavras-chave:

Teatro, Gil Vicente, Jubileu de Amores, Censura, Inquisição

Resumo

O texto propõe uma revisitação da inquisição literária e da censura teatral no século XVI em Portugal, em uma época de fausto e cultura, promovida pelos gigantescos lucros do colonialismo, que proporcionou à corte lisboeta a presença de Gil Vicente (c.1465- c.1536): Ourives, dramaturgo, encenador e artista, ele escreveu, desde o ano de 1502 até 1536, cerca de 45 peças teatrais, algumas das quais foram silenciadas pela máquina de censura do Tribunal do Santo Ofício, instalado em 1536. O objetivo do artigo é delinear, principalmente, um momento histórico que selou o destino de uma obra vicentina: Em Bruxelas (Flandres), no dia 21 de dezembro de 1531, foi apresentado um auto de Gil Vicente, Jubileu de Amores, por ocasião das comemorações do nascimento de D. Manuel, filho do rei D. João III. Presente estava o cardeal Girolano Aleandro, diplomata enviado pelo Papa para persuadir o imperador Carlos V a intervir contra a heresia alemã, desencadeada por Martim Luther. Em carta enviada para o secretário papal, Aleandro teceu severas críticas à comédia vicentina, a qual recriminava o sistema de indulgências de Roma. A peça foi encenada na corte lusa, mas não foi incluída na Copilaçam de Todalas obras de Gil Vicente de 1562 e desapareceu sem deixar vestígios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Rocha, Universidade Federal do Ceará (UFCE)

Doutorado em Literatura e Vida social, UNESP, Assis. Bacharelado em História, Magister Artium na Ruprecht-Karls- Universität, em Heidelberg, Alemanha

Referências

ALMEIDA, Fortunato. História da Igreja em Portugal. Nova edição preparada e dirigida por Damião Peres. Porto: Livraria Civilização, 1967-71. 4 v. v. 2.

ARAÚJO, Cristiane R. de Mello. O pensamento econômico e social de Martinho Lutero. Âncora: Revista Digital em Estudos da Religião, v. 1, mai. 2006. Disponível em: http://www.revistaancora.com.br/revista_1/03.pdf. Acesso em: 7 nov. 2019.

CARDEIRA, Esperança. Jubileu. Vicente. Colecção dirigida por Osório Mateus. Lisboa: Quimera, 1993.

CENSURA EM PORTUGAL. Disponível em:< http://pt.wikipedia.org/wiki/Censura_em_Portugal. Acesso em: 7 nov. 2019.

MATEUS, Osório. Livro das obras. Colecção dirigida por Osório Mateus. Quimera: Lisboa, 1993.

NEMÉSIO, Maria Inês. Índices de livros proibidos no século XVI em Portugal: À procura da ‘Literatura’. Disponível em: <https://www.google.com.br/#q=censura+em+POrtugal+no+s%C3%A9culo+XVI>. Acesso em: 7 nov. 2019.

PEREIRA, Virgínia Soares. Algumas obras de André de Resende, vol. II (1529-1551). Ágora: Estudos Clássicos em Debate, v. 11, p. 236-241, 2009. Recensão. Disponível em: http://www2.dlc.ua.pt/classicos/12.Recensoes.pdf. Acesso em: 7 nov. 2019.

PRIVILEGIO DA RAYNHA. In: OBRAS DE GIL VICENTE. Correctas e emendadas pelo cuidado e diligencia de J. V. Barreto Feio e J. G. Monteiro. Hamburgo: Officina Typographica de Langdorf, 1834. Tomo 1. p. XXXIII e XXXIV. Disponível em: http://bdalentejo.net/BDAObra/BDADigital/Obra.aspx?id=447#. Acesso em: 7 nov. 2019.

REGO, Raul. Os índices expurgatórios e a cultura portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa e Ministério da Educação e Ciência, Ministério da Educação e das Universidades, 1982. (Biblioteca Breve; 61).

ROCHA, Denise. Diálogos de físicos: medicina tradicional e medicina erudita no teatro de Gil Vicente (c. 1465-1537?). Via Atlântica, São Paulo, nº 29, p. 285-310, jun./ 2016.

RODRIGUES, Graça A. Breve história da censura literária em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa e Ministério da Educação e Ciência, 1980. (Biblioteca Breve; 54).

SARAIVA, António José. História da Cultura em Portugal. Lisboa: Jornal do Foro, 1950- 62. 3 v. v. 3.

SARAIVA, António José. A Inquisição Portuguesa. Lisboa: Europa-América, 1956.

SARAIVA, António José ; LOPES, Oscar. História da Literatura Portuguesa. 4. ed. corrigida. Porto, Porto Editora, s/d.

TEYSSIER, Paul. Gil Vicente: Autor e obra. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa e Ministério da Educação e das Universidades, 1982. (Biblioteca Breve, Série Literatura; 67).

VASCONCELLOS, Carolina M. Notas Vicentinas: Preliminares duma edição crítica das Obras de Gil Vicente. Lisboa: Revista da Universidade de Coimbra, s.d. p. 205- 284.

VASCONCELLOS, Carolina M. Notas Vicentinas V. Lisboa: Editora da Revista Ocidente, 1949.

VICENTE, Gil. Preâmbulo a D. João III. In: MATEUS, Osório. Livro das obras. Lisboa: Quimera, 1993.

VICENTE, Luis. Prologo dirigido ao mui alto e poderoso Rei nosso Senhor D. Sebastiam o primeiro do nome. In: OBRAS DE GIL VICENTE. Correctas e emendadas pelo cuidado e diligencia de J. V. Barreto Feio e J. G. Monteiro. Hamburgo: Officina Typographica de Langdorf, 1834. Tomo 1. p. XXXIV e XXXV. Disponível em:< http://www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/01853710#page/1/mode/1up. Acesso em: 7 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

ROCHA, Denise. Teatro em silencio: onde foi parar o Jubileu de Amores, de Gil Vicente (c.1465 - c.1536)?. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–28, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200030. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/17647. Acesso em: 18 maio. 2024.