O processo de criação de Fando e Lis, de Fernando Arrabal: uma memória cartográfica

Autores

  • António Branco Centro de Investigação em Artes e Comunicação, Universidade do Algarve (Portugal)

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103362019357

Palavras-chave:

Fernando Arrabal, Fando e Lis, Memória cartográfica, Investigação cênica

Resumo

O presente artigo pretende responder à questão de saber como podem os artistas exercendo funções em contexto académico dar conta do trabalho de investigação artística realizado nesse contexto, para além da apresentação pública dos resultados obtidos na forma de criação artística. Para o fazer, adota uma perspetiva específica do conceito de “investigação artística” e o método da cartografia em situação de investigação-ação aplicado às Artes Cénicas, propondo uma descrição autorreflexiva, elaborada a partir de notas de direção artística e encenação, do processo de criação de Fando e Lis, de Fernando Arrabal, levado à cena por um grupo de pesquisa teatral de âmbito académico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

António Branco, Centro de Investigação em Artes e Comunicação, Universidade do Algarve (Portugal)

Ator, encenador, professor e investigador no Departamento de Artes e Humanidades da Universidade do Algarve (Faro, Portugal). Doutoramento em Literatura, agregação em Artes. Foi reitor da universidade (2013-2017).

Referências

ARANZUEQUE-ARRIETA, Frédéric. Arrabal. La perversion et le sacré. Paris: L’Harmat-

tan, 2010.

ARRABAL, Fernando. Fando e Lis. Tradução não publicada de Norberto Barroca, 1969.

ARRABAL, Fernando. Fando y Lis. Guernica. La bicicleta del condenado. Introdução, notas e refundição dos textos de Francisco Torres Monreal. Madrid: Alianza Editorial,

BARBA, Eugenio. Brûler sa maison. Origines d’un metteur en scène. Tradução de Elia-

ne Deschamps-Pria. Montpellier: L’Entretemps, 2011.

BERENGUER, Angel. L’Exil et la cérémonie. Le premier théâtre d’ Arrabal. Paris: Union Générale d’Editions, 1977.

BIGGS, Michael e KARLSSON, Henrik (Eds.). The Routledge Companion to Research in the Arts. London/N.Y.: Routledge, 2012.

BORGDOFF, Henk (2012). The Production of Knowledge in artistic Research. In: BIG- GS, Michael e KARLSSON, Henrik (Eds.). The Routledge Companion to Research in the Arts (44-63). London/N.Y.: Routledge, 2012.

BORGDOFF, Henk The Debate on Research in the Arts. Bergen: Kunsthøgskolen i Ber- gen, 2006.

BRANCO, António (2015). Visita guiada ao ofício do ator: um método. Coimbra/Faro: Grácio Editor/Centro de Investigação em Artes e Comunicação, 2015.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo: ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues e Ana de Freitas. Lisboa: Livros do Brasil, 1983.

CHEVALIER, Jean e GHEERBRANT, Alain (Dir) (1993). Cercle. Dictionnaire des symbo- les. Paris: Robert Laffont/Jupiter, 1993, p. 191-195.

ESSLIN, Martin. The Theatre of the Absurd. Garden City, NY: Doubleday, 1961.

FADDA, Sebastiana e CINTRA, Rui. Manuela de Freitas: uma actriz que é “tudo ou nada”. In Sinais de Cena, Lisboa, n.º 2, p. 41-53, 2004.

FÉRAL, Josette. Rencontres avec Ariane Mnouchkine: dresser un monument à l’éphémère. Montreal: Les éditions XYZ, 1995.

GILLE, Bernard. Arrabal. Paris: Seghers, 1970.

HEREDERO, Carlos et al. (dir.). Diccionario del cine iberoamericano: España, Portugal y América. 10 vols. Madrid: Sociedad General de Autores y Editores, 2011.

MERLIN, Bella. The Complete Stanislavski Toolkit. Londres: Nick Hern Books, 2007.

SOUSA, Otávio e FERRACINI, Renato. Por uma Investigação em Artes Cênicas: um caminho cartográfico possível. Urdimento, Florianópolis, v. 1, n. 34, p. 378-395, 2019.

TORRES MONREAL, Francisco. Beckett/Arrabal: En attendant Godot / Fando y Lis. In: CANTALAPIEDRA, Fernando e TORRES MONREAL, Francisco (Coord.). El teatro de vanguardia de Fernando Arrabal. Kassel: Edition Reichenberger, 1997, p. 25-50.

TORRES MONREAL, Francisco. Introducción. In: ARRABAL, Fernando. Fando y Lis. Guernica. La bicicleta del condenado. Introdução, notas e refundição dos textos de

Francisco Torres Monreal. Madrid: Alianza Editorial, 1986, p. 7-29.

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

BRANCO, A. O processo de criação de Fando e Lis, de Fernando Arrabal: uma memória cartográfica. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 36, p. 357-375, 2019. DOI: 10.5965/1414573103362019357. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/15443. Acesso em: 28 set. 2022.