Gesto decolonial como pedagogia: práticas teatrais no Brasil e no Peru

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103362019096

Palavras-chave:

Pedagogia, Decolonial, Resistência, Teatro de grupo, Teatro latino-americano

Resumo

Este artigo procura circunscrever a pedagogia a partir da noção de “gesto decolonial”. Para tanto, toma-se a prática artístico-pedagógica do Yuyachkani (Peru) e do Ói Nóis Aqui Traveiz (Brasil) como forma de resistência e elemento por intermédio do qual rompe-se a colonialidade dos saberes e das relações de poder. A partir dos conceitos de diferença colonial, colonialidade e pensamento liminar delineados por Walter Mignolo, demonstra-se como esse gesto de resistência à colonialidade participa na constituição de sujeitos e subjetividades autônomas. Problematiza-se o trabalho desses grupos latino-americanos caracterizando suas práticas como gestos e pedagogias do teatro decoloniais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto Icle, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Graduado em teatro, mestre e doutor em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É professor permanente no Programa de Pós-graduação em Educação da UFRGS e do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade de Brasília (UNB). É editor-chefe da Revista Brasileira de Estudos da Presença.

Marta Haas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Graduada em filosofia, mestra e doutoranda em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É integrante do grupo de teatro Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.

Referências

ALENCAR, Sandra. Atuadores da Paixão. Porto Alegre: Fumproarte, 1997.

BISIAUX, Lîlâ. Déplacement Épistémico-Esthétique du Théâtre Décolonial. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 8, n. 4, p. 644-664, dez. 2018. Dis- ponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2237-266078793. Acessado em: 07 ago. 2019.

BJERREGAARD, Lena. Memorias del Guayabo: documentos de teatro n° 5. Lima: Gru- po Cultural Yuyachkani, 1999.

BRITTO, Beatriz. Uma tribo nômade: a ação do Ói Nóis Aqui Traveiz como espaço de resistência. Porto Alegre: Ói Nóis na Memória, 2008.

CORREA, Ana. Grupo Cultural Yuyachkani. In: OLIVOS, Fernando; SALAZAR, Ximena (org). Artivismo: cambio social y activismo cultural. Lima: Universidad Peruana Caye- tano Heredia, 2014, p. 54-62.

DUENHA, Milene Lopes; NUNES, Sandra Meyer. Presença que não se Faz Só: po- tências de afeto no ato de com-por entre corpos. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 99-122, Apr. 2017. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1590/2237-266063628. Acessado em: 07 Aug. 2019.

ESCOBAR, Laura. Ana Correa: El arte es un camino de sanación para una sociedad. TVRobles, mar. 2015. Disponível em: https://tvrobles.lamula.pe/2015/03/27/ana-

-correa-el-arte-es-un-camino-de-sanacion-para-una-sociedad/tvrobles/ Acesso em: 21 fev. 2017.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ICLE, Gilberto. Estudos da Presença: prolegômenos para a pesquisa das Práticas per- formativas. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 1, p. 9-27, 2011. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/2237-266023682 Acesso em: 20 jan. 2019.

MENCARELLI, Fernando Antonio. Práticas corporais e alteridade na cultura de grupo: Yuyachkani e Workcenter. Dez. 2013. Disponível em: http://pt.slideshare.net/fernan- domencarelli/prticas-corporais Acesso em: 22 jul. 2016.

MIGNOLO, Walter. Decolonialidade como o caminho para a cooperação. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 431, nov. 2013. Disponível em: http://www.ihuonli- ne.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5253&secao=431

Acesso em 22 jul. 2016.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais, projetos globais: colonialidade, saberes subalter-

nos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. Looking for the Meaning of “Decolonial Gesture”. E-misférica, vol. 11, n.1, 2014. Disponível em: http://hemisphericinstitute.org/hemi/en/emisferica-

-111-decolonial-gesture/mignolo Acesso em: 22 jul. 2016.

NUNES, Juarez; BAUMGARTEL, Stephan. A Construção de Presença e a Cena Teatral Multimidiática: a hegemonia de uma presença imanente. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 5, n. 3, p. 640-661, Dec. 2015. Disponível em: http://dx. doi.org/10.1590/2237-266047774. Acessado em: 07 Aug. 2019.

RICHARD, Nelly. En torno a los estudios culturales: localidades, trayectorias y dispu- tas. Santiago de Chile: Editorial ARCIS, 2010.

SCHECHNER, Richard. Ritual (do Introduction to Performance Studies). In: LIGIÉRO, Zeca. Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012, p. 49-90.

SILVA, Wellington Amâncio da. Hans Ulrich Gumbrecht Leitor de Martin Heidegger: concepção de produção de presença. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 7, n. 3, p. 505-522, dez. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2237-

Acessado em: 07 ago. 2019.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Améri- cas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

WALSH, Catherine. Notas pedagógicas desde las grietas decoloniales. E-misférica, vol. 11, n.1, 2014. Disponível em: http://hemisphericinstitute.org/hemi/es/e-misferi- ca-111-gesto-decolonial/walsh. Acesso em: 22 jul. 2016.

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

ICLE, G.; HAAS, M. Gesto decolonial como pedagogia: práticas teatrais no Brasil e no Peru. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 36, p. 096-115, 2019. DOI: 10.5965/1414573103362019096. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/14772. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Pedagogia do Teatro: vozes da América Latina