Manuais didáticos em questão: propostas de ensino da História da América (1971 e 2011)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313322021e0205

Resumo

Analisa diferentes propostas para o ensino/aprendizagem de conteúdos de História da América presentes em dois manuais didáticos: o Cadernos MEC: História da América (1971) e História Geral e do Brasil (2011). A análise orienta-se pelo método regressivo (BLOCH, 2001), em busca de permanências e descontinuidades nas disciplinas escolares, de modo geral, e no Ensino de História, em particular. Além do intervalo de quarenta anos entre as publicações, os manuais se distanciam quanto aos aspectos pedagógicos e historiográficos: o Cadernos MEC: História da América varia entre indícios do ideário escolanovista e de uma perspectiva tradicional, com atividades pautadas no método mnemônico; a obra didática de Vicentino e Dorigo (2011) compõe-se de atividades que favorecem a autonomia intelectual dos estudantes, o que indica uma adequação do conteúdo pedagógico a princípios neoliberais, ao privilegiar o protagonismo de cada estudante em seu processo de aprendizagem. Quanto à concepção de História, o manual de 1971 apresenta algumas feições positivistas, com centralidade em datas e fatos de personagens de uma história predominantemente política. Na seção assessoria pedagógica da obra de 2011 há referências com possíveis interpretações derrotistas da América Espanhola, com foco na exploração e violência dos “vencedores sobre os vencidos”, contudo, os exercícios se alinham aos pressupostos da Nova História, o que permite a elaboração do conhecimento histórico pelos estudantes, por meio da análise interna e externa de fontes iconográficas, da interpretação de textos historiográficos e da multiplicidade de abordagens e de fontes históricas. Compreender quais sujeitos têm lugar nas expectativas curriculares é escolha crucial para a composição da tapeçaria a ser tecida pelo historiador (GINZBURG, 2007), mas também ajuda a pensar o papel dos manuais didáticos, como produtos que são, carregados de intenções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miriã Lúcia Luiz, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Pedagogia (2004) e História (2009), mestrado (2010) e doutorado (2015) em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. É membro do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (NUCAPHE). É professora Adjunto-A do Quadro Permanente da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua nas áreas de História da Educação, Ensino de História e Formação e prática de professores.

Rosianny Campos Berto, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGE/Ufes); pesquisadora do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (NUCAPHE).

Referências

ABUD, Kátia. Currículos de história e políticas públicas: os programas de história do Brasil na escola secundária. In: BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2008. p. 28-41.

BEZERRA, Holien Gonçalves. Conceitos básicos: ensino de história: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 37-48.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. O percurso acidentado do ensino de história da América. In: IOKOI, Zilda Márcia Gricoli; BITTENCOURT, Circe Maria. Educação na América Latina. Rio de Janeiro: Expressão E Cultura; São Paulo: EDUSP, 1996. p. 203-218.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história da América: reflexões sobre problemas de identidades. Revista Eletrônica da ANPHLAC, São Paulo, n. 4, p. 5-15, 2005. Disponível em: https://revista.anphlac.org.br/anphlac/article/view/1358. Acesso em: 7 maio 2020.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Produção didática de história: trajetórias de pesquisas. Revista de História, São Paulo, n. 164, p. 487-516, jan./jun. 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19206/. Acesso em: 21 abr. 2020.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 3 abr. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei 7180/2014. Câmara dos deputados. Altera o art. 3º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, 2014. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=606722>. Acesso em: 7 abr. 2020.

BURKE, Peter. A escola dos Annales (1929-1989): a resolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1997.

CARVALHO, Carlos Delgado; RIEMER, Ana Maria Delgado de Carvalho. História da América: cadernos MEC. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura/Fundação Nacional de Material Escolar - Fename, 1971.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A caixa de utensílios e o tratado: modelos pedagógicos, manuais de Pedagogia e práticas de leitura de professores. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4., 2006, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: Sociedade Brasileira de História da Educação, 2006. 1 CD-ROM.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. 10. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Livro didático como assistência ao estudante. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p. 119-130, jan./abr. 2009. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3682/3598. Acesso em: 3 mar. 2020.

ESPÍRITO SANTO. Secretaria da Educação. Ensino médio: área de Ciências Humanas. Secretaria da Educação. Vitória: SEDU, 2009. Disponível em: https://sedu.es.gov.br/Media/sedu/pdf%20e%20Arquivos/Curr%C3%ADculo/SEDU_Curriculo_Basico_Escola_Estadual_(FINAL).pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

FERNANDES, Luiz Estevam; MORAIS, Marcus Vinícius de. História da América: renovação da história da América. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 143-162.

FILGUEIRAS, Juliana Miranda. A produção de materiais didáticos pelo MEC: da campanha nacional de material de ensino à fundação nacional de material escolar. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 33, n. 65, p. 313-335, 2013a. Disponível em: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7531. Acesso em: 3 mar. 2019.

FILGUEIRAS, Juliana Miranda. Os cadernos MEC de história e matemática: dispositivos pedagógicos e constituição da cultura escolar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 7., 2013, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá: Sociedade Brasileira de História da Educação, 2013b. 1 CD-ROM.

FONSECA, Thaís Nívea de Lima. História & ensino de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática do ensino de história: experiências, reflexões e aprendizados. Campinas: Papirus, 2003.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HUPP, Wallace Manoel. Leitura de imagens em livros didáticos de história: análise de propostas da produção do saber histórico escolar. Curitiba: Appris, 2014.

IBARRA, David. O neoliberalismo na América Latina. Rev. Econ. Polit., São Paulo, v. 31, n. 2, p. 238-248, jun. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572011000200004. Acesso em: 3 mar. 2019.

KARNAL, Leandro. As Veias Fechadas da América Latina. [S.l.: s.n.], 2001. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/194094303/KARNAL-Leandro-Veias-Fechadas-Da-America-Latina. Acesso em: 19 mar. 2020.

LAVILLE, Christian. A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 38, p. 125-138, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881999000200006. Acesso em: 3 mar. 2019.

LUIZ, Miriã Lucia. Dentro e fora da ordem: diretrizes curriculares para o ensino de História no Espírito Santo em tempos autoritários (1964-1985). 2015. 205 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: https://educacao.ufes.br/pt-br/pos-graduacao/PPGE/detalhes-da-tese?id=8736. Acesso em: 2 mar. 2019.

MARINHO, Analice Alves. Por uma “América mais americana”: as representações da América espanhola em manuais didáticos para a formação de professores argentinos (1910-1913). Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 375-396, jul./dez. 2013. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/4857/3628. Acesso em: 2 mar. 2019.

MARTINS, Maria do Carmo. Currículo, cultura e ideologia na ditadura militar brasileira: demarcação do espaço de atuação do professor. In: CERRI, Luis Fernando (org.). O ensino de história e a ditadura militar. 2. ed. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2007. p. 29-46.

MIMESSE, Eliane. A prática pedagógica dos professores de história no uso dos livros didáticos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 35, p. 96-107, set. 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639616. Acesso em: 2 marc. 2019.

MIRANDA, Sonia Regina; LUCA, Tania Regina de. O livro didático de história hoje: um panorama a partir do PNLD. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 123-144, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882004000200006. Acesso em: 2 mar. 2019.

MORENO, Jean Carlos. História na base nacional comum curricular. Déjà vu e novos dilemas no século XXI. História & Ensino, Londrina, v. 22, n. 1, p. 7-27, jan./jun. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/26158. Acesso em: abr. 2019.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 12, n. 3 (30), p. 179-197, set./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38817. Acesso em: 7 marc. 2019.

MUNAKATA, Kazumi. Dois manuais de história para professores: histórias de sua produção. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 513-529, set./dez. 2004. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27955. Acesso em: 2 abr. 2020.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. Memórias, subjetivação e educação no tempo presente: como as representações de violência sexual são abordadas nos livros didáticos de História? Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 28, p. 466-502, set./dez. 2019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180311282019466. Acesso em: 2 mar. 2020.

REIS, Thiago. História da América na BNCC. Associação Nacional de História: Seção Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://anpuh.org.br/index.php/bncc-historia/item/3129-historia-da-america-e-a-bncc. Acesso em: 19 mar. 2020.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. História do ensino de história no Brasil: uma proposta de periodização. Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 16, n. 37, p. 73-91, maio/ago., 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/24245. Acesso em: 19 mar. 2019.

SILVA, Vitória Rodrigues e. O ensino de história da América no Brasil. Diálogos, Maringá: DHI/PPH/UEM, v. 8, n. 2, p. 83-104, 2004. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Dialogos/article/view/38105. Acesso em: 19 mar. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (UFES). Projeto pedagógico do curso de história. Vitória: Colegiado de História, 2018.

URBAN, Ana Claudia; SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. A construção do código disciplinar da história da América no Brasil, no período da ditadura militar: os “cadernos MEC”. Revista de História da UEG, Anápolis, v. 3, n. 1, p. 1-14, jan./jun. 2014. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/2130. Acesso em: 19 mar. 2020.

VALE, Nayara Galeno do. Delgado de Carvalho e o ensino de história: livros didáticos em tempos de reformas educacionais (1931-1946). 2011. 200 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://minerva.ufrj.br/F/IRR5R823QHIQTM3NBVPQEFLAPRQAGTLPIMSFX7P3C5ADBPVF8X-40896?func=find-b&find_code=WRD&request=Nayara+Galeno+do+Vale&local_base=UFR01. Acesso em: 19 mar. 2020.

VICENTINO, Claudio; DORIGO, Gianpaolo. História geral e do Brasil. São Paulo: Editora Scipione, 2011. v. 2.

WEISS, Arthur Bernardes. História do Brasil: caderno 3. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura: Departamento Nacional de Educação: Campanha Nacional de Material de Ensino, 1963.

Downloads

Publicado

2021-04-15

Como Citar

LUIZ, Miriã Lúcia; BERTO, Rosianny Campos. Manuais didáticos em questão: propostas de ensino da História da América (1971 e 2011). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 32, p. e0205, 2021. DOI: 10.5965/2175180313322021e0205. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313322021e0205. Acesso em: 24 maio. 2024.