História e ficção: fronteiras e ensino de história

Autores

  • Maria Antonieta Campos Tourinho Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

História, ficção, ensino de História, narrativa, tempo

Resumo

Nesse artigo, a autora busca discutir as fronteiras existentes entre história e ficção e suas ressonâncias no ensino de História da Educação Básica. A partir de teorizações de historiadores como White, Schama, Burke e Gay, reflete sobre visões mais radicais e mais moderadas em relação à flexibilidade destas fronteiras. Amplia esta discussão em cima de temas que considera fundamentais para a sua compreensão como: o estilo; o olho contemporâneo e a recriação da história; a poesia e o ensino de História; a narrativa, o tempo e a ficção. Conclui considerando que, embora sejam tênues, sutis, delineadas e/ou demarcadas, as fronteiras entre história e ficção existem. Concorda com Burke quando este autor afirma que, para visitar estas fronteiras com mais segurança os historiadores precisam desenvolver suas próprias técnicas ficcionais. Visitas que podem significar, também para o professor de História, uma motivação para discutir com seus alunos questões historiográficas contemporâneas e do próprio conteúdo trabalhado no processo ensino e aprendizagem da Educação Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Antonieta Campos Tourinho, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professora da Universidade Federal da Bahia.

Referências

ALONSO, Marin. Las Musas. Disponível: http://www.google.com.br Acesso: 5 jun. 2003.

ASSIS, Machado de. O cônego ou metafísica do estilo. In: Várias histórias. São Paulo: Globo, 1997. p. 177-185.

BRAUDEL, Fernand. Reflexões sobre a História. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BURKE, Peter. Abertura: A nova história, seu passado e seu futuro. In BURKE, Peter (org.). A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992a, p. 8-62.

BURKE, Peter. A história dos acontecimentos e o renascimento da narrativa in BURKE, Peter. A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992b, p. 327-348.

BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civ. Brasileira, 2000.

CARVALHO Bernardo. Simon Schama.Folha de S. Paulo. São Paulo, Caderno Mais, 1997.

CARVALHO Bernardo. Para White, história recalcou a poesia. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Mais, 11 de set de 1997.

CARVALHO, Maria Inez da Silva de Souza Uma viagem pelos espaços educacionais do município de Santo Antonio de Jesus: possibilidades, atualizações, singularidades, transítuações. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Faced. UFBA, Salvador.

COUTO, José Geraldo. A Invenção da História: O historiador inglês Peter Burke dá em São Paulo um curso sobre a crise “pós-moderna” da consciência histórica. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Mais, 11 set. 1994.

COUTO, José Geraldo; CARVALHO Bernardo. Era uma vez a história: por que escritores e historiadores embaralham cada vez mais fato e ficção. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Mais, 11 set. 1994.

COUTO, José Geraldo. “Ônibus 174" vai além da tragédia social. Folha de S. Paulo, São Paulo, Ilustrada. Disponível: http://www.uol.com.br Acesso:6 dez. 2002.

GADAMER, Hans-Georg. O problema da consciência histórica. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

GAY, Peter. O estilo na história. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

LOPES, Moacir C. O lirismo do cosmos. Jornal do Brasil.Rio de Janeiro: Caderno Idéias,20 jul. 2002.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. In: Trabalhos da Memória, Projeto História: Revista do Programa de estudos pós-graduados em história e do departamento de história. PUC, São Paulo: Educ, 1998. p. 63 - 201.

LUCINI, Marizete. Tempo, Narrativa e Ensino de História. Porto Alegre: Mediação, 1999.

MACHADO, Ronaldo Silva. História e Poesia na Poética de Aristóteles. Mneme revista de humanidades. v. 2, n. 3, fev./mar. 2001. Disponível: http://www.google.com.br. Acesso: 5 jul. 2003.

MURARO, Valmir Francisco. Sobre Hermenêutica, História e Narrativa. In: Fronteiras: Revista catarinense de História / Universidade Federal de Santa Catarina, n. 7. Florianópolis: Imprensa Universitária, 1999. p. 89-110.

NUNES, Benedito. Narrativa histórica e narrativa ficcional. In: RIEDEL, Dirce Côrtes (org.). Narrativa, Ficção e História. Rio de Janeiro: Imago, 1988, p. 9-35.

PESSANHA, José Américo M. História e ficção: o sonho e a vigília. In: RIEDEL, Dirce Côrtes (org.). Narrativa, Ficção e História. Rio de Janeiro: Imago, 1988, p. 283-301.

PESSOA, Fernando. Passagem das horas. Obra Poética. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar Editora, 1972. p. 345.

RIEDEL, Dirce Côrtes (org.). Narrativa, Ficção e História. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

SANT’ANNA, Catarina. A força do imaginário: Jean-Jacques Wunnenberg. A Tarde. Caderno Cultural, 14 set. 2002. p. 2-3.

SÁ, Maria Roseli Gomes Brito. Hermenêutica e Antropologia no Horizonte da Pesquisa Contemporânea. 2000. (Trabalho apresentado à disciplina Hermenêutica da Antropologia Contemporânea) – FFCH-UFBA, Salvador.

TOURINHO, Maria Antonieta de Campos. O ensino de história: inventos e contratempos. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – FACED. UFBA, Salvador.

TOURINHO, Maria Antonieta de Campos; SÁ, Maria Roseli Gomes Brito de. A Compreensão e a Epistemologia do Educar. Ágere. Revista de Educação e Cultura. Linha de Pesquisa Filosofia, Linguagem e Práxis Pedagógica. Programa de Pós-Graduação em Educação, UFBA. v. 6, n. 6. Salvador: Quarteto, 2002. p. 15 – 44.

WHITE, Hayden. Meta-História: A Imaginação Histórica do Século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo: 1995.

Downloads

Publicado

2010-06-10

Como Citar

TOURINHO, Maria Antonieta Campos. História e ficção: fronteiras e ensino de história. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 176–199, 2010. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/1913. Acesso em: 24 fev. 2024.