PASSIVO E RECUPERAÇÃO JUDICIAL UMA ANÁLISE DE COMPORTAMENTO EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Diego Lemos da Silva
Débora Gomes de Gomes
Anderson Betti Frare

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar o comportamento dos passivos após a adesão ao processo de recuperação judicial, no intuito de verificar se a adesão está sinalizando que as empresas atendem ao objetivo do processo, ou seja, se estão cumprindo as obrigações passivas assumidas e tendo continuidade de suas atividades com otimização da capacidade financeira, indicando ao mercado a busca pelo reestabelecimento econômico e financeiro. A pesquisa é quantitativa e para alcance do objetivo foram coletados dados dos balanços patrimoniais e demonstrações do resultado de 38 empresas da bolsa de valores brasileira no período de 2011 a 2018, sendo 19 empresas que estão em processo de recuperação judicial e 19 que não fazem parte do processo. Dessa forma, foi verificado o comportamento dos saldos de passivos das empresas ao longo do período de estudo atrelado a índices financeiros de endividamento e liquidez, no intuito de verificar se as companhias que estão em recuperação judicial tiveram redução de seus passivos com consequente otimização nos índices. Para alcance do objetivo foi estimado um modelo de regressão com dados em painel. Como resultado na pesquisa constatou-se que aproximadamente 65% das empresas que aderem ao processo de recuperação judicial possuem elevado grau de endividamento bancário na época da recuperação, tendo esse grupo como principal componente de seu passivo. Além disso, verificou-se que a adesão ao plano de recuperação sinaliza que as empresas utilizam o recurso do processo de recuperação como alternativa para evitar falência e possuem dificuldade de retomar sua capacidade financeira e econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Silva, D. L. da, Gomes, D. G. de, & Frare, A. B. (2022). PASSIVO E RECUPERAÇÃO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DE COMPORTAMENTO EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 11(20), 115-132. https://doi.org/10.5965/2316419011202022115
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Diego Lemos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Brasil.

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande (2009). Possui pós-graduação em Controladoria e Finanças pela Universidade Católica de Pelotas (2013). Possui mestrado em Contabilidade pela Universidade Federal do Rio Grande (2020).

Débora Gomes de Gomes, Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Brasil.

Pós-doutora em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos — UNISINOS (2016). Possui doutorado em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau — FURB (2012). Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos — UNISINOS (2005) e graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Católica de Pelotas — UCPEL (1994). É professora associada da Universidade Federal do Rio Grande — FURG, atuando na graduação, especialização e mestrado. Tem experiência na área de Contabilidade Gerencial, atuando principalmente nos seguintes temas: controle gerencial e educação e pesquisa em contabilidade.

Anderson Betti Frare, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

Doutorando em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com a tese já qualificada. Mestre em Contabilidade e Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professor substituto no curso de Graduação em Ciências Contábeis da FURG. Membro do Núcleo de Pesquisas em Controladoria e Sistemas de Controle Gerencial (NUPEC/UFSC), Núcleo de Pesquisa e Extensão em Contabilidade e Finanças (NUPECOF/FURG), Grupo de Estudos, Pesquisa e Ensino em Contabilidade (GEPECON/FURG) e Núcleo de Educação e Pesquisa em Contabilidade (PPGCont/Universidade de Brasília — UnB). Avaliador de periódicos e congressos de Administração e Contabilidade. Tem interesse em Modelagem Estatística e pesquisa nos seguintes temas: Contabilidade Gerencial, Sistemas de Controle Gerencial, Inovação, Startups, Sustentabilidade, Tecnologias e Ensino em Contabilidade. Também possui interesse em projetos e atividades de extensão universitária.

Referências

Al-Sartawi, A. M., & Reyad, S. (2018). Signaling theory and the determinants of online fi-nancial disclosure. Journal of Economic and Administrative Sciences, 34(3), 237-247.

Altman, E. (1968). Financial ratios, discriminant analysis and the prediction of corporate bank-ruptcy. Journal of Finance, 23, 589-609.

Altman, E. J., Baidya, T. K. N., & Dias, L. M. R. (1979). Previsão de problemas financeiros em empresas. Revista de Administração de Empresa – RAE, 19, 1, 17-28.

Alves, M. T. V. D., & Graça, M. L. (2013). Divulgação de informação sobre o risco de merca-do: um caso de empresas do PSI201. Revista Universo Contábil, 9, 3, 163-184.

Arzubiaga, U., De Massis, A., Maseda, A., & Iturralde, T. (2022). The influence of family firm image on access to financial resources in family SMEs: a signaling theory perspecti-ve. Review of Managerial Science, 1-26.

Assaf Neto, A. (2002). Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico financeiro. (7. Ed.). São Paulo: Atlas.

Bae, S. M., Masud, M. A. K., & Kim, J. D. (2018). A cross-country investigation of corporate governance and corporate sustainability disclosure: A signaling theory perspecti-ve. Sustainability, 10(8), 1-16.

Bertão, N. (2017). Recuperação judicial no Brasil: as lições de quem sobreviveu. Revista Exame. Disponível em: https://exame.abril.com.br/recuperação-judicial-nobrasil-as-lições-de-quem-sobreviveu. Acesso em 10 de jun. 2019.

Bicalho, R. (2016). A energia do Brasil: Mas que Brasil? Blog Infopetro. Disponível em: https://infopetro.wordpress.com/2016/11/28/a-energia-do-brasil-mas-que-brasil/. Acesso em 10 de jun. 2019.

Braga, R. (1995). Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas.

Brasil. (2005). Lei n. 11.101, de 9 de fevereiro de 2005. Regula a recuperação judicial [...]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em 10 jun. 2019.

Campos, C. C. (2018). Recuperação de empresas. Revista FGV Projetos, 2.

Canning, J. B. (1929). Economics of accounting: a critical analysis of accounting theory. New York: Ronald.

Correia Júnior, J. B., & Cavalcante Filho, V. P. (2018). Recuperação judicial de cooperativas: interpretação da lei 11.101/05 conforme a Constituição Federal. Revista Direito e Desenvolvi-mento, 9, 252-265.

Dalmácio, F. Z., Lopes, A. B., Rezende, A. J., & Sarlo Neto, A. (2013). Uma análise da rela-ção entre governança corporativa e acurácia das previsões dos analistas do mercado brasileiro. Revista de Administração Mackenzie – RAM, 14(5), 104-139.

Dalmácio, F. Z., Rezende, A. J., & Santos, R. B. (2021). Mecanismos de governança corpora-tiva e recomendações dos analistas de mercado: novas evidências a partir da perspectiva da teoria da sinalização. Revista Universo Contábil, 16(3), 121-139.

Dambolena, I. G., & Khoury, S. J. (1980). Ratio stability and corporate failure. Journal of Fi-nance, 35, 1017-1026.

Durand, D. (1952). Cost of debt and equity funds for business: trends and problems of meas-urement. Conference on Research on Business Finance, New York.

Famá, R., & Grava, J. W. (2000). Liquidez e a teoria dos elementos causadores de insolvência. Caderno de Pesquisas em Administração, 1(12), 10-21.

Farias, M. R. S. (2006). Bases conceituais e normativas para reconhecimento e divulgação do passivo contingente: um estudo empírico no setor químico e petroquímico brasileiro. In: Con-gresso USP de controladoria e contabilidade, 6, São Paulo/SP.

FASB. (1985). The Financial Accounting Standards Board. Statement of Financial Accounting Concepts, 6.

Fávero, L. P. (2016). Análise de dados: modelos de regressão com Excel®, Stata® e SPSS®. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Guimarães, A. L. S., & Alves, W. O. (2019). Prevendo a insolvência de operadoras de planos de saúde. Revista Administração de Empresas, 49(4), 459-471.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Holthausen, R. W., & Leftwich, R. (1983). Economic consequences of accouting choice: im-plications of costly contracting and monitoring. Journal of Accouting and Economics, 5, 77-117.

IASB. International Accouting Standards Boards. (2011). Normas Internacionais de Relatório Financeiro, IBRACON- Instituto de Auditores Independentes do Brasil.

Janiszewski, V. J., Carracosco, L. A., Felix Junior, L. A., Lagioia, U. C. T., & Oliveira, M. F. J. (2017). Relação da Teoria da Sinalização com o desempenho das empresas a partir dos seus indicadores de performance de divulgação voluntária. Revista Contabilidade e Controladoria, 9(2), 93-108.

Jolink, A., & Niesten, E. (2021). Credibly reducing information asymmetry: Signaling on eco-nomic or environmental value by environmental alliances. Long Range Planning, 54(4), 1-15.

Joseph, J., & Gaba, V. (2020). Organizational structure, information processing, and decision-making: A retrospective and road map for research. Academy of Management Annals, 14(1), 267-302.

Kanitz, S.C. (1978). Como prever falências. São Paulo: McGraw Hill.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2010). Fundamentos de metodologia científica. (7. Ed). São Paulo: Atlas.

Lemmon, M., Ma, Y., & Tashjian, E. (2019). Survival of the fittest? Financial and economic distress and restructuring outcomes in Chapter 11. Working in Paper. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1325562, 2009. Acesso em: 11 jun. 2019.

Leite, R. G., Oliveira, R. F., Cruz, C. F., & Bufoni, A. L. (2018). Recuperação Judicial de Empresas: Uma análise sobre os fatores que contribuem para o baixo índice de sucesso nos processos de recuperação judicial no Brasil. In: Congresso CASI de Administração, Sociedade e Inovação, Rio de Janeiro-RJ.

Lima, E. O. (1979). Manual de apropriação contábil. João Pessoa: A União.

Lopes, A., & Uchoa, L. (2013). Recuperação Judicial: Um guia descomplicado para empresá-rios, executivos e outros profissionais de negócios. São Paulo: Évora.

Marques, L. D. (2000). Modelos dinâmicos com dados em painel: revisão da literatura. Série Working Papers do Centro de Estudos Macroeconômicos e Previsão (CEMPRE) da Faculdade de Economia do Porto, Portugal, 100.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2018). Metodologia da Investigação Científica para Ciên-cias Sociais Aplicadas. (3. Ed.). São Paulo: Atlas.

Milgron, P., & Roberts, J. R. (1992). Economics, organization and management. New Jersey: Prentice Hall.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment. The American Economic Review, 48(3), 261-297.

Myers, S. C. (2019). Capital Structure Puzzle. 1984. NBER Working in Paper, n. w1393. Dis-ponível em: https://ssrn.com/abstract=227147. Acesso em: 10 jun. 2019.

Negash, M., & Lemma, T. T. (2020). Institutional pressures and the accounting and reporting of environmental liabilities. Business Strategy and the Environment, 29(5), 1941-1960.

Ogilvy, S. et al. (2018). Accounting for liabilities related to ecosystem degradation. Ecosystem Health and Sustainability, 4(11), 261-276.

Pereira, A. P. A., Alves, A. F., Portugal Júnior, P. S., & Silva, S. W. (2019). Impactos da Crise Econômica de 2014 na Rentabilidade e Endividamento de Empresas Brasileiras de Capital Aberto. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 10(2), 90-111.

Pimenta, E. G. Recuperação Judicial de Empresas: caracterização, avanços e limites. (2006). Disponível em: http://direitogv.fgv.br/sites/default/files/RDGV_03_p151_166.pdf. Acesso em 11 jun. 2019.

SERASA EXPERIAN. Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações. (2019). Dis-ponível em: http://serasaexperian.com.br/amplie-seus-conhecimentos/indicadoreseconomicos. Acesso em 15 jul. 2019.

Spence, M. (1973). Job market signaling. The Quarterly Journal of Economics, 83(3), 355-374.

Sprouse, R. T., & Moonitz, M. A. (1962). Tentative set of broad accounting principles for business enterprises. In: An accounting research study. New York, AICPA, 3.

Sztajn, R. (2005). Da recuperação judicial. In: Souza Junior, F. S., Pitombo, A. S. A. M. (Co-ord.). Comentários à lei de recuperação de empresas e falência: Lei 11.101/2005. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Silva, A. S., Fonseca, E. P., & Littig, R. B. (2019). Modelo Dinâmico Fleuriet: Uma Análise Das Empresas Com Pedidos De Recuperação Judicial Listadas na Bovespa. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 4, n. 5, p. 114-137.

Silva, P., Garcia, I., Lucena, W., & Paulo, E. (2016). A Teoria da Sinalização e a Recuperação Judicial. Um Estudo nas Empresas de Capital Aberto Listadas na BM&FBovespa. Revista Desenvolvimento em Questão, 16(42), 553-584.

Silva, V, A, B., Sampaio, J. O., & Gallucci Neto, H. (2018). Pedidos de Recuperação Judicial no Brasil: Uma explicação com variáveis econômicas. Revista Brasileira de Finanças, 16(3), 429-454.

Stroeher, A. M., & Freitas, H. (2008). O uso das informações contábeis na tomada de decisão em pequenas empresas. Revista RAUSP-e, 1(1).

Teixeira, T. (2014). Direito Empresarial Sistematizado: Doutrina, jurisprudência e prática. (3. Ed.). São Paulo: Saraiva.

Vasudeva, G., Nachum, L., & Say, G-D. (2018). A signaling theory of institutional activism: How Norway’s sovereign wealth fund investments affect firms’ foreign acquisi-tions. Academy of Management Journal, 61(4), 1583-1611.

Watson, A., Shrives, A. P., & Martson, C. (2002). Voluntary disclosure of accounting ratios in the UK. The British Accounting Review, 34(4), 289–313.