PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PROPOSTA PARA UMA EMPRESA DE FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PREPARADAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cleber Broietti
Erica Dias Valério
Josiane Mitiko Nishi
Jean Marcelo Arruda Soato

Resumo

Uma maneira de reduzir os dispêndios tributários de uma empresa através das disposições legais é por meio do planejamento tributário. O presente estudo teve como objetivo realizar planejamento tributário e assim identificar o regime mais adequado para uma empresa de pequeno porte localizada em uma cidade no norte do Paraná, cuja atividade é de fornecimento de refeições preparadas. A pesquisa classifica-se quanto aos objetivos como exploratória, quanto à abordagem como qualitativa e utiliza o estudo de caso nos procedimentos metodológicos. Por conseguinte, dispondo das informações dos demonstrativos contábeis fornecidas pela empresa, foi executada uma simulação com os três regimes tributários, simples nacional, lucro presumido e lucro real com a finalidade de verificar qual seria o regime menos oneroso. A análise dos tributos obedeceu a legislação vigente dos regimes conforme o ramo de atividade da empresa. A opção pelo simples nacional resultou na menor tributação acarretando a potencialização do resultado da empresa, gerando maior lucro. Contudo, pode-se observar uma diferença exorbitante nos dispêndios tributários entre os diferentes tipos de tributação, produzindo percentuais de lucratividade distintos. A pesquisa contribuiu de maneira teórica para a área de Contabilidade Tributária, pois utilizou como amostra, um ramo de atividade ainda pouco explorado em outros estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Broietti, C., Valério, E. D., Nishi, J. M., & Soato, J. M. A. (2022). PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: PROPOSTA PARA UMA EMPRESA DE FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PREPARADAS. Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 11(20), 133-146. https://doi.org/10.5965/2316419011202022133
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Cleber Broietti, Universidade Estadual do Paraná - Campus Apucarana, UNESPAR, Brasil.

Professor do colegiado de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR - Campus Apucarana) e chefe de divisão de extensão dessa universidade. Possui graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (2003). Curso de Especialização em Controladoria pela Universidade Estadual de Londrina (2005), mestrado em Administração (PPGA-UEL) pela Universidade Estadual de Londrina (2015). Doutor em Contabilidade (PPGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (2020) e doutorado sanduíche na Universidade de Aveiro (UA) Portugal. Recebeu prêmio de melhor trabalho na área de Mercado Financeiro, de Crédito e de Capitais do 4º Congresso de Contabilidade da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Tem interesse nas seguintes áreas: Contabilidade Financeira, Educação e Ensino em Contabilidade, Contabilidade Ambiental e Políticas Públicas. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis.

Erica Dias Valério, Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil.

Mestranda em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Maringá — PCO/UEM, na área de concentração de Controladoria, na linha de pesquisa de Contabilidade Gerencial (2021). Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Paraná — UNESPAR (2020).

Josiane Mitiko Nishi, Universidade Estadual do Paraná - Campus Apucarana, UNESPAR, Brasil.

Cursando primeiro ano em graduação em Ciências Contábeis na Universidade Estadual do Paraná - Campus Apucarana, UNESPAR, Brasil.

Jean Marcelo Arruda Soato, Universidade Estadual do Paraná - Campus Apucarana, UNESPAR, Brasil.

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (2001), especialização em Auditoria (2003) e mestrado em Desenvolvimento Econômico pela UFPR (2009). Atualmente, é professor assistente da Universidade Estadual do Paraná - Campus de Apucarana, atuando principalmente nos seguintes temas: auditoria e gestão estratégica de custos.

Referências

Alves, D. C., Melo, R. C., & Castro, W. A. (2020). Planejamento tributário: um estudo de caso de uma empresa do ramo calçadista para identificar o regime tributário mais vantajoso. Research, Society and Development, 9(1), 1-24.

Bisolo, T., & Baggio, D. K. (2012). Planejamento Tributário: estudo do regime tributário menos oneroso para a indústria. Revista de Administração IMED, 2(3), 195-206.

Brandão, M. (2020). Brasil perde R$ 417 bi por ano com sonegação de impostos. Agência Brasil, Brasília, 2020. Recuperado em: 31 mar. 2022 de <https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-12/brasil-perde-r-417-bi-por-ano-com-sonegacao-de-impostos-diz-estudo>.

Brasil. (2018). Decreto no 9.580, de 22 de novembro de 2018. Regulamenta a tributação, a fiscali-zação, a arrecadação e a administração do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natu-reza. Brasília. Recuperado em: 20 mar. 2022. de http://www.planalto.gov.br.

Brasil. (2006). Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacio-nal da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera dispositivos das Leis no 8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho de 1991, da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, da Lei no 10.189, de 14 de fevereiro de 2001, da Lei Complementar no 63, de 11 de janeiro de 1990; e revoga as Leis no 9.317, de 5 de dezem-bro de 1996, e 9.841, de 5 de outubro de 1999. Brasília. Recuperado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp123.htm.

Brasil. (1995). Lei no 9.249, de 26 de dezembro de 1995. Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras provi-dências. Brasília. Recuperado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br.

Brasil. (1998). Lei no 9.718, de 27 de novembro de 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Brasília. Recuperado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br.

Brasil. (2002). Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília. Recupe-rado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm.

Brasil. (2002). Lei no 10.637, de 30 de dezembro de 2002. Dispõe sobre a não-cumulatividade na cobrança da contribuição para os Programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patri-mônio do Servidor Público (Pasep), nos casos que especifica; sobre o pagamento e o parcelamen-to de débitos tributários federais, a compensação de créditos fiscais, a declaração de inaptidão de inscrição de pessoas jurídicas, a legislação aduaneira, e dá outras providências. Brasília. Recupe-rado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br.

Brasil. (2003). Lei no 10.833, de 29 de dezembro de 2003. Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 20 mar. 2022, de http://www.planalto.gov.br.

Brasil. (2017). Pleno do Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário no 574.706/PR. Rela-tora Ministra Cármen Lúcia, 15 mar. 2017. Recuperado em 20 mar. 2022, de https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1262003614/embdecl-no-recurso-extraordinario-re-574706-pr-0054358-6420161000000/inteiro-teor-1262003623.

Cimoli, M., Dosi, G., Nelson, R. R. & Stigltz, J. (2007). Instituições e políticas moldando o de-senvolvimento industrial: uma nota introdutória. Revista Brasileira de Inovação, 6(1), 55-85.

Eckert, A., Motta, J. L., Mecca, M. S., Biasio, R., & Almeida, S. G. (2015). A reestruturação societária como estratégia de planejamento tributário em uma empresa de concreto e brita. Revista UNEMAT de Contabilidade, 4(8), 1-27.

Fabretti, L. C. (2017). Contabilidade Tributária. 16. ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

INSS- Instituto Brasileiro De Planejamento E Tributação. (2022). Carga tributária potencial bra-sileira, Curitiba, 2022. Recuperado em 30 mar. 2022, de <https://ibpt.com.br/carga-tributaria-potencial-brasileira/>.

Marcello, I. E., Souza, D. B., & Pietraszek, N. (2013). Planejamento Tributário: um estudo de caso de uma empresa do ramo de autopeças. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, 3(2), 252-268.

Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A. & Iudícibus, S. (2013). Manual de Contabilidade Societá-ria: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais de do CPC. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Mazzucato, M. (2014). O estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguin.

Oliveira, G. P. (2009). Contabilidade Tributária. 3. ed. São Paulo: Saraiva.

Oliveira, L. M., Chieregato, R., Perez Jr., J. H., & Gomes, M. B. (2015). Manual de Contabilida-de Tributária: textos e testes com as respostas. 14. ed. São Paulo: Atlas.

Paraná. (2015). Decreto no 442, de 11 de fevereiro de 2015. Novas Regras para Recolhimentos de ICMS em Operações Interestaduais Curitiba, 2015. Recuperado em 20 mar. 2022, de http://boletim.fazenda.pr.gov.br/boletins/item/2015/3

Paraná. (1996). Lei no 11.580, de 14 de novembro de 1996. Dispõe sobre o ICMS com base no art. 155, inc. II, §§ 2º e 3º, da Constituição Federal e na Lei Complementar nº 87, de 13 de se-tembro de 1996 e adota outras providências. Curitiba. Recuperado em 20 mar. 2022, de https://www.sefanet.pr.gov.br/SEFADocumento/Arquivos/11199611580.pdf

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2012). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, I. M. (org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas, 77-97.

Sampaio, L. E. T. & Marques, H. R. (2015). A Importância do Planejamento Tributário nas Mi-cro e Pequenas Empresas. Revista Controle, 13(1), 199-217.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2020). Como saber qual o enquadramento tributário para minha empresa. Recuperado em 20 mar. 2022, de https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sp/sebraeaz/pequenos-negocios-em-numeros,12e8794363447510VgnVCM1000004c00210aRCRD.

Sontag, A. G., Hofer, E., & Bulhões, R. (2015). Planejamento Tributário: um estudo aplicado a uma empresa paranaense. Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC, 3(2), 211-225.

Vey, I. H., & Bornia, A. C. (2010). Reorganização Societária como forma de Planejamento Tribu-tário: um estudo de caso. Race, Unoesc, 9(1-2), 23-344.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.