BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA ERA DIGITAL UMA PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE CONTABILIDADE DE FORTALEZA/CE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Antonio Rodrigues Albuquerque Filho
Fábio Roberto de Sá Borges
Muniz Ferreira da Silva
Danielly Lima Araújo

Resumo

O estudo teve como objetivo geral identificar os benefícios e dificuldades da era digital na percepção dos profissionais de contabilidade de Fortaleza/CE. Para tal, aplicou-se uma pesquisa quantitativa que se utilizou de dados coletados por meio de um levantamento aplicado a 124 profissionais de contabilidade. Dessa forma, na análise dos dados aplicou-se estatísticas descritivas, análise fatorial exploratória (AFE) e teste de média de Kruskal-Wallis. Os resultados sinalizaram que, dentre os benefícios proporcionados pela digitalização da área contábil, o mais destacado pelos profissionais foi a promoção de maior consistência e confiabilidade na emissão de escrituração, ao passo que a dificuldades mais apontada foi a falta de dados ou dados incompletos. Assim, destaca-se que, à medida que os profissionais de contabilidade reconhecem os avanços trazidos pela digitalização, ainda há muito o que avançar em termos de simplificação e aperfeiçoamento dos sistemas, rotinas, inclusive na sua própria capacidade técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Albuquerque Filho, A. R., Borges, F. R. de S., Silva , M. F. da, & Araújo, D. L. (2022). BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA ERA DIGITAL: UMA PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE CONTABILIDADE DE FORTALEZA/CE. Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 11(20), 030-045. https://doi.org/10.5965/2316419011202022030
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Antonio Rodrigues Albuquerque Filho, Centro Universitário Estácio do Ceará, FIC, Brasil.

Doutorando e Mestre em Administração e Controladoria (Linha: Contabilidade, Controladoria e Finanças) — PPAC — UFC. Especialista em Controladoria e Auditoria contábil (UVA — Sobral) e Graduação em Ciências Contábeis (UVA — Sobral) e em Ciências Econômicas (UFC). Atualmente, atua como docente no Centro Universitário Estácio do Ceará (FIC) nos cursos de Ciências Contábeis e Administração, sendo comtemplado como docente com bolsa produtividade. Foi pesquisador do CNPq e da CAPES. Atuou como professor no Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú — IVA e do IDJ — UVA nos cursos de Ciências Contábeis e Administração de Empresas e como professor e coordenador pedagógico da escola municipal EEF Inocência Alcântara Freire no município de Alcântaras (CE). Tem desenvolvido pesquisas nas áreas de administração e Ciências Contábeis, atuando, principalmente, nas seguintes linhas de pesquisas: Governança, Contabilidade Financeira e Societária (Ativos Intangíveis, Ativos Biológicos), Desempenho, Internacionalização, Inovação, Consciência Ecológica e Gestão pública.

Fábio Roberto de Sá Borges, Centro Universitário Estácio do Ceará, FIC, Brasil.

Titulação: Graduado em Ciências Contábeis.

Muniz Ferreira da Silva , Centro Universitário Estácio do Ceará, FIC, Brasil.

Titulação: Graduado em Ciências Contábeis.

Danielly Lima Araújo, Centro Universitário Estácio do Ceará, FIC, Brasil.

Titulação: Graduada em Ciências Contábeis.

Referências

Albuquerque Filho, A. R., & Lopes, F. J. R. (2021). Benefícios e dificuldades a partir da imple-mentação do SPED: um estudo com profissionais de contabilidade. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 11(1), 1-15.

Andrade, C. B. H., & Mehlecke, Q. T. C. (2020). As inovações tecnológicas e a contabilidade digital: um estudo de caso sobre a aceitação da contabilidade digital no processo de geração de informação contábil em um escritório contábil do Vale do Paranhana/RS. Revista Eletrônica de Ciências Contábeis, 9(1), 93-122.

Aparecido, J. P. (2021). AA implantação e os benefícios dos documentos eletrônicos Pós SPED. Revista de Estudos Interdisciplinares do Vale do Araguaia-REIVA, 4(01), 23-23.

Astuti, W. A., & Augustine, Y. (2022). The Effect of Digital Technology and Agility On Com-pany Performance with Management Accounting System as Mediation. International Journal of Research and Applied Technology (INJURATECH), 2(1), 11-29.

Baines, A., & Langfield-Smith, K. (2003). Antecedents to management accounting change: a structural equation approach. Accounting, organizations and society, 28(7-8), 675-698.

Beuren, I. M., Sousa, M. A. B. D., & Raupp, F. M. (2003). Um estudo sobre a utilização de sis-temas de custeio em empresas brasileiras. In Congresso Internacional de Custos-Cic, Punta del Este, Uruguay.

Bygren, K. (2016). The digitalization impact on accounting firms business models. School of In-dustrial Engineering and Management, Stockholm, Sweden, 2016.

Cardoso, J. L., DE SOUZA, M. A., & Almeida, L. B. (2006). Perfil do contador na atualidade: um estudo exploratório. BASE Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 3(3), 275-284.

Carvalho, AFD (2018). A Era Digital e suas contribuições para a Contabilidade: evolução históri-ca dos processos contábeis. Universidade do Estado do Amazonas. Disponível em: http://177.66.14.82/handle/riuea/1063 Acesso em: 03 de out. de 2020.

Cavalcante, C. H. L., & Schneiders, P. M. M. (2008). A contabilidade como geradora de infor-mações na gestão de micros e pequenas empresas de Iporã do Oeste/SC. Revista Brasileira de Contabilidade, (172), 62-75.

Cleto, N. (2006). Nota fiscal eletrônica (NF-e) revolução digital no meio empresarial e contá-bil. Revista do CRCPR, Curitiba, ano, 31, 4-6.

da Silva Filho, G. M., LEITE FILHO, P. A. M., & PEREIRA, T. R. L. (2015). Sistema público de escrituração digital: benefícios e dificuldades na visão dos operadores de contabilidade do município de João Pessoa. Revista Mineira de Contabilidade, 16(3), 50-60.

de Oliveira, D. B., & Malinowski, C. E. (2016). A importância da tecnologia da informação na contabilidade gerencial. Revista de administração, 14(25), 3-22.

Demirkan, H., Earley, S., & Harmon, R. R. (2016). Cognitive computing. IT professional, 19(4), 16-20.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS-5. Penso Editora.

Frey, C. B., & Osborne, M. A. (2017). The future of employment: How susceptible are jobs to computerisation?. Technological forecasting and social change, 114, 254-280.

Geron, C. M. S., Finatelli, J. R., de Faria, A. C., & do Carmo Romeiro, M. (2011). SPED–Sistema Público de Escrituração Digital: percepção dos contribuintes em relação os impactos de sua adoção. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 5(2), 44-67.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Vol. 4, p. 175). São Paulo: Atlas.

Guthrie, J., & Parker, L. D. (2016). Whither the accounting profession, accountants and account-ing researchers? Commentary and projections. Accounting, Auditing & Accountability Journal.

Hair Jr. J. F.; Black; W. C.; Bardin, B. J.; & Anderson, R. E. (2010). Multivariate data analysis. 7 ed. New Jersey: Prentice Hall.

Hinings, B., Gegenhuber, T., & Greenwood, R. (2018). Digital innovation and transformation: An institutional perspective. Information and Organization, 28(1), 52-61.

Hodge, F. D., Kennedy, J. J., & Maines, L. A. (2004). Does search‐facilitating technology im-prove the transparency of financial reporting?. The Accounting Review, 79(3), 687-703.

Hutcheson, G. D., & Sofroniou, N. (1999). The multivariate social scientist: Introductory statistics using generalized linear models. Sage.

Iudícibus, S. D. (2010). Teoria da Contabilidade. 10ª edição. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, Sérgio et al. (2022). Influência da teoria da contabilidade no objetivo do relatório fi-nanceiro de finalidade geral. Revista Contemporânea de Contabilidade, 19(50).

De Iudícibus, S., Niyama, J. K., da Silva, J. P., & Beuren, I. M. (2022). Influência da teoria da contabilidade no objetivo do relatório financeiro de finalidade geral. Revista Contemporânea de Contabilidade, 19(50), 8.

Lee, N., & Hooley, G. (2005). The evolution of “classical mythology” within marketing measure development. European Journal of Marketing.

Lizote, S. A., & Mariot, D. M. (2012). A estrutura do Sistema Público de Estruturação Digital (SPED): um estudo das novas obrigações. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 2(2), 17-25.

Mahle, M. M., & Santana, A. F. B. (2009). Sistema público de escrituração digital-SPED: um estudo nos escritórios de contabilidade no município de Pinhalzinho/SC. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 8(23), 73-92.

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas, 143-164.

Nambisan, S. (2013). Information technology and product/service innovation: A brief assessment and some suggestions for future research. Journal of the association for information sys-tems, 14(4), 1.

Nylén, D., & Holmström, J. (2015). Digital innovation strategy: A framework for diagnosing and improving digital product and service innovation. Business Horizons, 58(1), 57-67.

Nossa, V. (2022). Impacto e tendência da Pós-graduação em Contabilidade no Brasil: de onde viemos e para onde vamos?. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 21, 1-6.

Oliveira, E.(2003) Contabilidade Informatizada: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Padoveze, C. L. (2010). Contabilidade gerencial. IESDE BRASIL SA.

Pan, G., & Seow, P. S. (2016). Preparing accounting graduates for digital revolution: A critical review of information technology competencies and skills development. Journal of Education for business, 91(3), 166-175.

Pasa, E. C. (2001). O uso de documentos eletrônicos na contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 12(25), 72-83.

Pestana, M., & Gageiro, J. (2005). Análise dos dados para Ciências Sociais: A complementarida-de do SPSS Lisboa. Portugal: Ediçoes Sılabo.

Pires, C. B., Ott, E., & Damacena, C. (2009). " Guarda-Livros" ou" Parceiros de Negócios"?. Uma Análise do Perfil Profissional Requerido pelo Mercado de Trabalho para Contadores na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA). Contabilidade Vista & Revista, 20(3), 157-187.

Primak, F. V. (2009). Infortabilidade-a contabilidade na era da informática. Fabio Vinicius Pri-mak.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2003). Modelos de gestão flexíveis a partir de mudanças na cul-tura organizacional alicerçada no empreendedorismo. Revista de ciências da administração, 5(10), 1-18.

Ribeiro, O. M. (2009). Contabilidade geral fácil. Saraiva Educação SA.

Ruschel, M. E., Frezza, R., & Utzig, M. J. S. (2011). O impacto do SPED na contabilidade desa-fios e perspectivas do profissional contábil. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 10(29), 09-26.

Santos, F. C. A Contabilidade na era Digital. (2014). Anuário de Produções Acadêmico-Científicas dos Discentes da Faculdade Araguaia, 3(1), p. 21-35.

Sarıgül, S. S., & Oralhan, B. (2022). Digital Accounting and Gender Discrimination. In Handbook of Research on Digital Violence and Discrimination Studies (pp. 185-205). IGI Global.

Schiavi, G. S., Momo, F. D. S., Maçada, A. C. G., & Behr, A. (2020). No caminho da inovação: análise das capacidades de inovação de empresas contábeis diante das tecnologias digi-tais. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 22, 381-405.

Stainer, A. (1997). Productivity and strategic management accounting. International Journal of Technology Management, 13(1), 57-67.

Thomaz, M., Gomes, S., & Tessmann, V. (2011). Tecnologia para dispositivos móveis. Pelotas: Instituto Federal Sul-Rio-Grandense.

Wernke, R., & Bornia, A. C. (2001). Considerações sobre o uso de sistemas informatizados na contabilidade. Revista da FAE, 4(2).