Investigações artísticas de si em uma poética da solidão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234613292021226

Palavras-chave:

subjetividade, criação artística, solidão, poética visual

Resumo

Este texto apresenta os pontos centrais do desenvolvimento dos trabalhos da série que compõe o projeto artístico “Re[Di]ssonâncias”. Ao discorrer sobre esta proposta, apresentamos as visões acerca da solidão registradas por alguns expoentes da filosofia e da literatura, que estão relacionadas com o escopo da produção artística em questão. Explorando as possibilidades de expressão das vivências mais subjetivas, abordamos a relação da prática artística com o anseio em externar os aspectos primordiais pertinentes ao papel da solidão na existência e os paradoxos que ela encerra.

Biografia do Autor

Guilherme Radi Dias, SEED-PR

Artista visual natural de Maringá, Paraná. Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Arquiteto e Urbanista (UEM) e Licenciado em Artes Visuais (UEM). Explora, em sua trajetória artística, principalmente a linguagem do desenho, criando imagens que conjugam as características do desenho a cores e em nanquim. Encontra em suas inserções ativas na arte uma prática existencial em que, refinando seu interesse pela criação nos temas tradicionais da arte, desenvolve, no decurso de seu aprendizado, uma diferenciação estilística em sua poética. Integrante do Grupo APIS de Artes Visuais, da UEM, em 2005, trabalhos artísticos, participou, em 2006, de exposições coletivas deste grupo no Museu Dinâmico Interdisciplinar (MUDI), no Museu de História e Arte Helenton Borba Cortes, no Teatro Calil Haddad, e de projetos de extensão na Universidade ligados à arte e à cultura. Realizou exposição individual no SESC – Maringá, em 2010, e no Museu da Bacia do Paraná, em 2012. Outras produções estiveram também no Centro de Excelência de Atendimento à Comunidade, na exposição coletiva “Porta Aberta”, organizada pelo curso de Artes Visuais da UEM, em 2011, e na exposição individual “Vestígios”, em 2013. Realizou, em 2017, a exposição “Ressonâncias”, na Galeria de Arte do Shopping Avenida Center. Dedica-se atualmente à pesquisa em arte e à docência, movimentando um processo de criação visual de caráter intimista concomitante a uma constante reelaboração de sua linguagem plástica. Suas pesquisas trazem temáticas diversas relacionadas às artes visuais e áreas diversas, como a Estética e a Análise de Discurso.

 

Referências

BACHELARD, G. A chama de uma vela. 2. ed. Tradução Glória de Carvalho Lins. Rio

de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. 112p.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São

Paulo: Martins Fontes, 1988.

BACHELARD, G. A poética do espaço. 2. ed. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São

Paulo: Martins Fontes, 2008.

BACHELARD, G. O direito de sonhar. 4. ed. Tradução José Américo Motta Pessanha

et al. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1994. 240p.

COMTE-SPONVILLE, André. O amor a solidão. Tradução Eduardo Brandão. 3. ed. São

Paulo: Martins Fontes, 2016.

LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

Downloads

Publicado

2021-01-01