Agente da Modernização: A imprensa brasileira pelas mãos de Amilcar de Castro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612272020167

Resumo

Parte integrante da modernidade fruto da modernização, a busca por estilos de vida foi uma das marcas do processo de modernização mundializada no Brasil. A figura do artista teve importância central no movimento de estetização do cotidiano que associava as estéticas vigentes aos estilos de vida. A partir das transformações ocorridas na arte durante a mundialização no Brasil, nos anos 1950 e 1960, com as novas formulações do Concretismo e do Neoconcretismo — baseadas nas diversas fases e reinterpretações do construtivismo europeu —, veremos como a imprensa não apenas foi influenciada por essas tendências, como foi reformulada e moldada pelas mãos dos artistas. A reforma gráfica realizadas no Jornal do Brasil pelo artista plástico Amilcar de Castro, estudada aqui, é exemplo dessa atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clecius Campos Corrêa, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestre em Artes, Cultura e Linguagens pela Universidade Federal de Juiz de Fora, na linha de pesquisa Arte, Moda: Cultura e Linguagens. Possui especialização em Moda, Cultura de Moda e Arte pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2013) e graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2007).

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

CORRÊA, C. C. Agente da Modernização: A imprensa brasileira pelas mãos de Amilcar de Castro. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 167-183, 2020. DOI: 10.5965/2175234612272020167. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/15839. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta