Um currículo para o cultivo do músico popular profissional:

uma análise da proposta da Bituca – Universidade de Música Popular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530409012024e0202

Palavras-chave:

música popular, currículo, lógicas recontextualizadoras

Resumo

O texto analisa as lógicas de criação curricular para a formação do músico popular profissional, destacando a proposta da Bituca – Universidade de Música Popular. Esta instituição se apresenta como uma alternativa aos currículos tradicionais, que são estruturados com base na música erudita ocidental, especialmente no Ensino Superior. Foram utilizadas como fontes: documentos produzidos pela escola, entrevistas semiestruturadas com coordenadores e mestres da instituição, além das respostas dos egressos da Bituca a um questionário on-line. As ferramentas teóricas da Teoria dos Códigos de Legitimação permitiram desvelar os princípios organizacionais do currículo e compreender as críticas direcionadas aos cursos superiores de música. Os resultados indicam que a lógica de construção curricular da Bituca visa estruturar um processo de formação do músico popular por meio da imersão prática. Esse processo promove a interação com mestres renomados em plena atividade profissional e utiliza um repertório intencionalmente selecionado, focando na música popular brasileira, especialmente a mineira. Assim, a seleção de conhecimentos é flexível, adaptando-se às demandas da prática musical e dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Vinícius Medeiros Pereira, UFJF

Professor associado da Universidade Federal de Juiz de Fora, onde dirige o Centro Cultural Pró-Música. Atua como professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação - UFJF, e do Programa de Pós-Graduação em Música da UnB. Lidera o Grupo de Estudos e Pesquisas Observatório das Práticas Musicais, e é membro associado do LCT Centre for Knowledge-Building, coordenando o grupo LCT Brazil. Seus interesses de pesquisa estão no campo da Educação musical, principalmente nos seguintes temas: currículo, sociologia da educação musical, ensino superior em música e educação musical escolar.

Amanda Martins Barbosa, Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora

Amanda Martins Barbosa é mestre em música pela Universidade de Brasília (UnB). É musicista que atua nos campos erudito e popular, tendo sido aluna da primeira turma da Bituca – Universidade de Música Popular.

Referências

ALVES, Cléber. Entrevista concedida. 2022.

ARROYO, M. Música popular em um Conservatório de Música. Revista da ABEM. Londrina, V.9, n. 06, p. 69-67, 2001. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/441 Acesso em 13/03/2023.

BABAYA. Entrevista concedida. 2022.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classes, códigos e controle. Vozes: Petrópolis, 1990.

BERTOLA, P. Entrevista concedida. 2022.

BOGDAN, R; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOURDIEU, P. Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Organização de Renato Ortiz. São Paulo: Ática, 1983.

BITUCA – Universidade de Música Popular, s.d. A escola. Disponível em: https://bituca.org.br/o-que-e/ Acesso em 21/052020.

BITUCA. Projeto para lei de incentivo. Barbacena: Bituca, s.d. (material não publicado).

BITUCA. Edital Turma 2009. Barbacena: Bituca, 2008.

BITUCA. Relatório Bituca de Casa. Barbacena: Bituca, 2021.

BRASIL. Resolução no 2, de 8 de março de 2004. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Música e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces0204musica.pdf Acesso em: 20/09/2023.

CARDOSO, Renato de Carvalho. O conhecimento musical na perspectiva da complexidade: possibilidades para a educação musical. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2020.

CURSOS. Bituca. [S.I.; s.d.] Disponível em: https://bituca.org.br/formacoes-e-cursos/ Acesso em 15/12/2022.

EVAN, J. R.; MATHUR, A. The value of online surveys. Internet Research, v. 15, n. 2, p. 195–219, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1108/10662240510590360 Acesso em 09/10/2020.

FARIAS, A. N.; IMPOLCETTO, F. M.; BENITES, L. C. A análise de dados qualitativos em um estudo sobre educação física escolar: o processo de codificação e categorização. Revista Pensar a Prática, v. 23, 2020. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fef/article/view/57323 Acesso em 13/03/2023.

FIGUEIREDO, N. M. A. Método e metodologia na pesquisa científica. 2ª ed. São Caetano do Sul, São Paulo, Yendis Editora, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GIROUX, H. Ensino superior, para quê? Educar, Curitiba, n. 37, p. 25-38, maio-ago. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/mv5qmFPfYjnhTLpCHhbTSfc/ Acesso em 29/09/2023.

GREEN, L. How popular musicians learn? A way ahead for Music Education. London: Ashgate, 2001.

GREEN, L. Ensino da música popular em si, para si mesma e para “outra” música: uma pesquisa atual em sala de aula. Revista da ABEM. Londrina, V.20, n. 28, 61-80, 2012. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/104#:~:text=Isso%20se%20aplica%20n%C3%A3o%20apenas,informal%20em%20sala%20de%20aula. Acesso em 13/03/2023.

MATON, K. Making semantic waves: a key to cumulative knowledge-building. Linguistics and Education, v. 24, n. 1, p. 8-22, 2013. Disponível em: https://legitimationcodetheory.com/wp-content/uploads/2018/06/2013Semantic-wave-packet.pdf Acesso em 21/11/2021.

MATON, K. Knowledge and Knowers: towards a realist sociology of education. Londres: Routledge, 2014.

MATON, K. Para pensar como Bourdieu: completando a “Revolução Mental” com a Teoria dos Códigos de Legitimação. InterMeio: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 25, n. 49, p. 15 – 36, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/intm/article/view/8948/6029 Acesso em 13/03/2023.

MATON, K.; CHEN, R. T. H. Specialization codes: Knowledge, knowers and student success. In: MARIN, J. R.; MATON, K.; DORAN, Y. J. Accessing academic discourse: Systemic Functional Linguistics and Legitimation Code Theory. Londres e Nova York: Routledge, 2020, p. 35 – 58.

MENEZES, Anco Marcos Silva de; PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. Oswaldo Amorim: gestos didáticos fundadores e específicos no ensino de baixo elétrico. Revista da ABEM, Londrina, v. 25, n. 39, p. 81 – 101, jul./dez. 2017. Disponível em: em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/717 Acesso em 01/01/2023.

MOREIRA, F. Entrevista concedida. 2022.

PEREIRA, M. V. M. Ensino Superior e as Licenciaturas em Música: um retrato do habitus conservatorial nos documentos curriculares. Campo Grande: Editora UFMS, 2013.

PEREIRA, M. V. M. “Mão na Roda”: uma roda de choro didática. Opus, v. 25, n. 2, p. 93 – 131, maio/ago. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20504/opus2019b2505 Acesso em 01 de janeiro de 2023.

PEREIRA, M. V. M. Ensino superior em Música, colonialidade e currículos. Revista Brasileira de Educação, v. 25, p. 1 – 24, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/5xrpGmgvKpQ8tfrMgb4cLyt/ Acesso em: 13 de março de 2023.

QUEIROZ, L. R. S. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. Revista da ABEM, Londrina, v. 25, n. 39, p. 132 – 159, 2017. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/726 Acesso em 13/03/2023.

QUEIROZ, L. R. S. Até quando Brasil? Perspectivas decoloniais para (re)pensar o ensino superior em música. PROA: Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 10, p. 153 – 199, 2020. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17611 Acesso em 13/03/2023.

RICHARDSON, S. Teaching jazz: a study of beliefs and pedagogy using Legitimation Code Theory. Tese (Doutorado em Sociologia e Política Social) – Faculdade de Artes e Ciências Sociais, Universidade de Sydney, Sydney, 2019. Disponível em: https://ses.library.usyd.edu.au/handle/2123/22066 Acesso em 4/04/2022.

RODRIGUES, M. Entrevista concedida. 2022.

ROSA, J. G. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução de Ernani F. da Fonseca Rosa. 3 ed. Porto Alegre: Penso, 2017.

SANDRONI, C. Uma roda de choro concentrada: reflexões sobre o ensino de músicas populares nas escolas. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, IX, 2000.

SILVA, M. F. G. da; NETO, S. de S.; BENITES, L. C. A capoeira como escola de ofício. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 4, p. 871 – 882, out./dez. 2009. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/3081 Acesso em 01/01/2023.

SILVA, S. Entrevista concedida. 2022.

SILVA, W. M. Escola de música alternativa: sua dinâmica e seus alunos. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 3, p. 51-64, 1996. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaABEM/index.php/revistaabem/article/view/491 Acesso em 13/03/2023.

STÉVANCE, S.; LACASSE, S. Research-Creation in Music and the Artes – Towards a Collaborative Interdiscipline. New York: Routledge, 2018.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

XAVIER, E. Entrevista concedida. 2022.

Downloads

Publicado

2024-06-27

Como Citar

MEDEIROS PEREIRA, Marcus Vinícius; MARTINS BARBOSA, Amanda. Um currículo para o cultivo do músico popular profissional: : uma análise da proposta da Bituca – Universidade de Música Popular. Orfeu, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. e0202, 2024. DOI: 10.5965/2525530409012024e0202. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/25022. Acesso em: 15 jul. 2024.