Figuras retórico-musicais no Te Deum de Luís Álvares Pinto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530405032020124

Resumo

A retórica tem seu nascimento e desenvolvimento na Grécia e posteriormente em Roma, alcançando toda a Europa no final da Antiguidade e se estendendo ao medievo, contribuindo para o enriquecimento de várias esferas do conhecimento humano, bem como da música. O contato entre as duas artes se dá, a partir do século XVI por meio dos tratados que vão desde compositores alemães, franceses, italianos, até os portugueses, chegando então, aos músicos brasileiros estudantes na metrópole, o conhecimento consciente da utilização de elementos e técnicas que estabelecem, entre outras possibilidades, uma maior aderência junto à plateia.

Situado neste quadro está Luís Álvares Pinto, compositor e professor brasileiro que, por meio de seu contato com os estudos humanísticos, trouxe à sua obra Te deum Laudamus possíveis figuras de elocução que caracterizam a aplicabilidade da retórica em sua música.

Biografia do Autor

Denise Lima Santiago Figueiredo, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo – (UFES). Mestra em Letras - Linguagens e Representações - (UESC). Pesquisadora do Núcleo de Estudos Literários e Musicológicos da UFES (NELM). 

Mónica Vermes, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Bacharel em Música (Composição e Regência) pelo IA-Unesp (1988), Mestre em Artes (Música) pela mesma universidade (1996) e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (2003). Realizou um estágio de pós-doutorado no Departamento de Música da ECA/USP (2004-2005) e um segundo estágio no Instituto de Artes - Unesp (2012-2015). Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal do Espírito Santo, onde leciona as disciplinas de história da música na graduação e atua nos programas de pós-graduação em Letras (PPGL) e em Comunicação e Territorialidades (PÓSCOM). Musicóloga, dedica-se principalmente aos seguintes temas: música brasileira dos séculos XIX e XX, romantismo musical, circuitos musicais no Rio de Janeiro da Belle Époque, crítica musical, cenário musical de Vitória - ES nos séculos XX e XXI. É líder do Grupo de Pesquisa NELM - Núcleo de Estudos Literários e Musicológicos. Pesquisadora do NOMOS - Núcleo de Musicologia Social (IA - Unesp), Pesquisadora do Labelle - Laboratório de Estudos de Literatura e Cultura da Belle Époque (Uerj), Pesquisadora do Grupo de Estudos de Gênero, Corpo e Música (UFRGS), Pesquisadora do Grupo de Pesquisa História e Música (História - Unesp). Membro da Diretoria da IASPM-AL (Associação Internacional para Estudo da Música Popular - América Latina) - 2016-2018. Bolsista do Programa de Apoio à Pesquisa da Biblioteca Nacional (2016-2017). Membro do Comitê Acadêmico da Music Criticism Network. (Fonte: Currículo Lattes)

Leni Ribeiro Leite, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Leni Ribeiro Leite é graduada em Letras (Português-Latim) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999), Mestre em Letras Clássicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003) e Doutora em Letras Clássicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008). Fez Pós-Doutoramento no ano acadêmico 2013-2014 na University of Kentucky, junto ao Institutum Studiis Latinis Provehendis. É professora de Língua e Literatura Latina na Universidade Federal do Espírito Santo, credenciada como permanente no Programa de Pós-Graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação em História da mesma instituição. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa (PQ-2) pelo CNPq. Atua principalmente na área de Estudos Clássicos, nos seguintes temas: lírica latina, Marcial, epigrama, Estácio, recepção do clássico, representação e ensino de latim

Referências

ABM. Academia Brasileira de Música. Luís Álvares Pinto. Disponível em: http://www.abmusica.org.br/academico.php?n=luiz-alvares-pinto&id=58. Acesso em: 08 de outubro de 2018.

ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. 2. Ed. Lisboa: Casa da Moeda, 2005.

BARTEL, Dietrich. Musica Poetica: musical-rhetorical figures in Germany Barroque music. Lincoln: University of Nebraska Press, 1997.

BARTHES, Roland. A retórica antiga. In: COHEN, Jean et al. Pesquisas de retórica. Tradução Leda Pinto Mafra Iruzun. Petrópolis: Vozes, 1975, p. 147-232.

BURMEISTER, Joachim. Musica poetica. Rostok: S.Myliander, 1606. In: BARTEL, Dietrich. Musica Poetica: musical-rhetorical figures in Germany Barroque music. Lincoln: University of Nebraska Press, 1997.

BOÉCIO. De Instituione Musica, livro 1. Tradução de Carolina Parizzi Castanheira. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

CASTAGNA, Paulo. Apostila do curso de História da Música Brasileira. São Paulo: UNESP, 2003.

CANO, Rubén Lopez. Música y retórica: encuentro y desencuentros de la música y el lenguaje. Revista Eufonia. Didáctica de la música 43, p. 87-99, 2008.

COELHO, Maria Cecília de Miranda Nogueira. Retórica, filosofia e lógica: verdade como construção discursiva em Górgias. In: ASSUNÇÃO, Teodoro Rennó; FLORES JÚNIOR, Olimar; MARTINHO, Marcos (org). Ensaios de Retórica Antiga. Belo Horizonte: Tessitura, 2010. p. 27-55.

CROWL, Harry. A música no Brasil Colonial anterior à chegada da Corte de D. João VI. Ministério das Relações Exteriores: Revista Textos do Brasil, edição 12, 2012, p. 22-31.

GOLOMB, Uri. Keys to the performance of Baroque Music. Goldberg Early Music Magazine, v. 51, 2008. Disponível em: http://www.bach-cantatas.com /Articles/Rhetorical-Performance-Golomb.pdf. Acesso em 02 de dezembro de 2018.

: https://imslp.org/wiki/Te_Deum_(Pinto%2C_Lu%C3%ADs_%C3%81lvares)

GUTJAHR, Simone; HOLLER, Marcos. Um Te Deum em Desterro no Século XIX. Revista Música Hodie, Goiânia, v.13, n.2, 2013, p. 67-77.

HABINEK, Thomas. Ancient rhetoric and oratory. Malden: Blackwell, 2005.

HANSEN, João Adolfo. Instituição retórica, técnica retórica, discurso. Revista Matraga, Rio de Janeiro, v. 20, n.33, jul/dez, 2013, p. 11-46.

KIRCHER, Athanasius. Musurgia Universalis sive ars magna consoni et dissoni. Rome, 1650. In: BARTEL, Dietrich. Musica Poetica: musical-rhetorical figures in Germany Barroque music. Lincoln: University of Nebraska Press, 1997.

LUCAS, Mônica. Retórica e estética na música no século XVIII. Revista ArtCultura, Uberlândia, v.9, n.14, p. 223-234, jan-jun, 2007.

MANNIS, Guilherme Daniel B. Introdução a História do baixo contínuo. Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC. 2005. Disponível em: http://hugoribeiro.com.br/biblioteca-digital/Mannis-Introducao_Historia_Continuo.pdf. Acesso em 27 de novembro de 2018

MAZZA, José. Dicionário Biográfico de músicos portugueses. Lisboa: Editorial Império, 1944/45. Disponível em: http://purl.pt/773/. Acesso em 12 de novembro de 2018.

MERSIOVSKY, Gertrud. Organo pleno e retórica musical nos prelúdios e fugas de Johann Sebastian Bach. Rio de Janeiro: Dois passos, 2005.

PLATÃO. A República. Trad. Carlos Alberto Nunes. 3ª.ed. Belém: Edufpa, 2017.

PAIXÃO, Ana Margarida Madeira Minhós. Retórica e técnicas de escrita literária e musical em Portugal entre os séculos XVII-XIX. Tese de Doutorado em Literatura comparada. Programa em Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008.

PINTO, Luís Álvares. Diccionário Pueril para o uso dos meninos, ou dos que principião o ABC, e a soletrar dicções, 1784 apud RÖHL, Alexandre Cerqueira de Oliveira. O Solfejo Heptacórdico de Luís Álvares Pinto e a Teoria Musical Luso-Brasileira do século XVIII. Tese de doutorado. UNESP, 2016.

QUINTILIANO, Marcos Fábio. Instituição oratória. Tradução e notas: Bruno Fregni Bassetto. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2015.

RÖHL, Alexandre Cerqueira de Oliveira. O Solfejo Heptacórdico de Luís Álvares Pinto e a Teoria Musical Luso-Brasileira do século XVIII. Tese de doutorado. UNESP, 2016.

SALTARELLI, Thiago. Imitação, emulação, modelos e glosas: o paradigma da mímesis na literatura dos séculos XVI, XVII e XVIII. Aletria: Revista de Estudos de literatura, UFMG, v.19, n. especial, jul-dez., 2009. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/1517/1613. Acesso em 10 de janeiro de 2019.

TEIXEIRA, William; FERRAZ, Silvio. Dispositio: uma leitura retórica da forma musical contemporânea”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. IX, n. 16, jan-abr., 2015, pp. 116-133. Disponível em: http://revistaviso.com.br/pdf/Viso_16_WilliamTeixeira_SilvioFerraz.pdf. Acesso em 08 de janeiro de 2019.

VERSOLATO, Júlio; KERR, Dorotea Machado. A teoria e a análise musical sob o influxo da retórica no período Barroco. Revista Per Musi, Belo Horizonte: UFMG, n.17, 2008, p. 64-68.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Como Citar

Santiago Figueiredo, D. L., Vermes, M., & Leite, L. R. (2020). Figuras retórico-musicais no Te Deum de Luís Álvares Pinto. Orfeu, 5(3). https://doi.org/10.5965/2525530405032020124