Dança e educação infantil: proposta metodológica para uma educação decolonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/235809252712023e4445

Palavras-chave:

dança, educação infantil, educação decolonial, metodologia, Projeto Canguru

Resumo

A Educação Infantil vem passando por transformações em seu entendimento e implementação nas últimas décadas. Abandonou-se a concepção assistencialista e mesmo a ideia de ser uma etapa anterior à escolarização para assumir-se como a primeira etapa da Educação Básica, integrando o currículo básico formal. Todavia, faz-se necessário discutir os documentos oficiais produzidos e seus referenciais teórico, majoritariamente europeus, assim como discutir possibilidade de implementações dele numa perspectiva decolonial. Assim sendo, este artigo pretende analisar a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no que se refere à Educação Infantil e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (RCNEI), assim como o currículo proposto para a mesma faixa etária na Europa, mais especificamente na Itália. Em seguida discutiremos uma proposta de implementação da BNCC numa perspectiva decolonial. Apesar de não estar previsto o ensino de Arte para essa etapa estimula-se que o conhecimento seja conduzido metodologicamente por meios artísticos. Assim sendo traremos a experiência do “Projeto Canguru – dançando na escola” como uma possibilidade de diálogo entre os objetivos previstos na BNCC e a sua implementação em outra base epistemológica. Um aprendizado que parta de pesquisas pessoais e corporais, com criação de resoluções autorais e, ao mesmo tempo, em interação com os demais e com o ambiente quebrando a lógica atual do processo ensino-aprendizagem instituído.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Ribeiro, Universidade Federal da Paraíba

Possui Licenciatura em Dança pela Faculdade Angel Vianna (2004), especia- lização em Estudos Contemporâneos em Dança pela Universidade Federal da Bahia (2005) e mestrado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009). Atualmente é professora do departamento de Artes Cênicas do CCTA na Universidade Federal da Paraíba – UFPB (Brasil) e encontra-se afastada para cursar o doutoramento em Educação Artística pela Universidade de Lisboa (Portugal). Coordena o “Projeto Canguru – dança para bebês” extensão universitária da UFPB, desde 2014.

Referências

ALANEN, L. Gender and Generation – feminism and the child question. In: Childhood matters – social theory, practice and politics. Avebury: European Center of Viena, 1994, pp. 27-42.

ALMEIDA, T. Currículos e agenciamentos do devir: trânsitos ao redor de Deleuze na delimitação da infância a partir de Emílio de Rousseau. Fractal Revista de sicologia, 30, 3, p. 302-309, 2018

AMORIM, K. S. Linguagem, comunicação e significação em bebês. Tese (Livre docência) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras – USP, 2013.

BAKHTIN, M. A estética da criação verbal. São Paulo: Martins Pontes, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DOEDERLEIN, J. O livro dos ressignificados. São Paulo: Paralela, 2017.

DOWBOR, F. Quem educa marca o corpo do outro. São Paulo: Cortez, 2008.

FINCO; BARBOSA; FARIA (orgs). Campos de experiência da escola da infância – contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. ampinas: Edição Leitura Crítica, 2015.

GONSALVES, E. Educação e a Curva Pedagógica. Campinas, SP: Alínea, 2014.

GREINER, C. O corpo – pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Anablume, 2005.

JAMES, A.; PROUT, A. Constructing and reconstructing childhood: contemporary issues in the sociological study of childhood. London and New York: oultledgeFalmer, 1997.

MARQUES, I; BRAZIL, F. Arte em questões. São Paulo: Cortez, 2014.

MATURANA, H.; Varela, F. A Árvore do Conhecimento – as bases biológicas do entendimento humano. Campinas: Workshopsy, 1995.

NOGUEIRA, R. Denegrindo a filosofia: o pensamento como coreografia de conceitos afroperspectivista. Rio de Janeiro: Griot revista de filosofia, 2012.

PIAGET, J. A Linguagem e o Pensamento da Criança. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PROUT, A. Reconsiderando a nova Sociologia da Infância. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, p.729-750, São Paulo, set./dez. 2010.

QVORTRUP, J. et all. (orgs.). Childhood matters – social theory, practice and politics. Avebury: European Center of Viena, 1994.

RAMOSE, M. A importância vital do “nós”. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, v. 352, ano 10, p. 3-9, 2010.

TEBET, G. Isto não é uma criança! – teorias e métodos para o estudo de bebês nas distintas abordagens da Sociologia da Infância de língua inglesa. Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos. Tese (Doutorado em Educação). São Carlos, 2013.

VYGOTSKY, L. Pensamento e Linguagem. Lisboa: Relógio D´água, 2008.

WALLON, H. As origens do caráter da criança. São Paulo: Nova Alexandria, 1995.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

RIBEIRO, Juliana. Dança e educação infantil: proposta metodológica para uma educação decolonial. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 2, 2023. DOI: 10.5965/235809252712023e4445. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/24445. Acesso em: 21 abr. 2024.