As narrativas como caminhos metodológicos: o que dizem dos professores de artes visuais os objetos que habitam suas casas?

Autores

  • Henrique Lima Assis

DOI:

https://doi.org/10.5965/10.5965/235809252612022e2310

Palavras-chave:

Memória, Narrativa, Casas como museus

Resumo

De maneira abreviada, esse artigo apresenta a investiga- ção que desenvolvi intitulada Casas como museus: narrativas afetivas de professores de Artes Visuais. Mais especificamente, apresenta os tópicos relacionados aos aspectos metodológicos desse processo, os quais eu pude dialogar, por duas vezes, com os estudantes do Mestrado Profissional em Artes/ProfArtes do Instituto Federal de Goiás/I FG, colaborando, assim, com seus processos formativos. Nesses encontros, os tópicos dialogados abrangeram desde a feitura da tese até os efeitos da pandemia causada pela Convid-19 e da homologação da Base Nacional Comum Curricular/BNCC em nossos cotidianos profissionais e pessoais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Lima Assis

Professor das disciplinas Arte e Educação I e II, do curso de Pedagogia, da Universidade Federal de Jataí/UFJ. Foi professor de artes visuais no Centro de Estudo e Pesquisa Ciranda da Arte, da Secretaria de Educação do Estado de Goiás/Seduc e Apoio Técnico-Professor na Gerência de Formação dos Profissionais da Educação, Secretaria Municipal de Educação de Goiânia. É Pós-Doutor em Arte e Cultura Visuais/UFG.

Referências

ASSIS, Henrique Lima. Como uma pessoa se torna professor de artes visuais? Experiências pessoais com orientações curricula- res. In: Ensino/aprendizagem nos processos educacionais em Artes: caminhos possíveis na contemporaneidade. Rosangela Marques de Britto, Marisa de Oliveira Mokarzel, Ana Del Tabor Vasconcelos Magalhães, Rita de Cássia Cabral Rodrigues de França, Nélia Lúcia Fonseca (organizadoras) – Curitiba: CRV, 2021

ASSIS, Henrique Lima. Quais experiências transformam uma pessoa em um professor de Artes Visuais? Revista Digital do LAV – Santa Maria – vol. 9, n. 1, p. 39 - 62. – jan./abr. 2016.

ASSIS, Henrique Lima et al. Percurso histórico da Licenciatura em Artes Visuais na Universidade Federal de Goiás. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Artes Visuais) – Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2003, p. 01-65.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARBOSA, Ana Mae. Prefácio. In: MANSON, Rachel. Por uma arte- -educação multicultural. Tradução de Rosana Horio Monteiro. Revisão de Ivone M. Richter. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001. p. 07-10.

BARTHES, Roland. Análise estrutural da narrativa. Rio de Janeiro: Vozes, 1973.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. Tradução de José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 2011.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. As flores de abril: movimen- tos sociais e a educação ambiental. Campinas/SP: Autores Associados, 2005.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2017.

CAMARGO, Isaac Antonio. Vertentes para o ensino em arte visual: em busca de caminhos possíveis. Londrina: Editora da UEL, 1997.

CORAZZA, Sandra Mara. Labirintos da pesquisa, diante dos ferrolhos. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos inves- tigativos – novos olhares na pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 105-131.

GUERRA, Jacinto. Em Jataí, JK assume o compromisso de Brasília, patrimônio da humanidade. In: Nós – Fora do Eixo. Disponível em: http://www.nosrevista.com.br/2010/05/17/em-jatai-jk-as- sume-o-compromisso-debrasilia-patrimonio-da-humanidade/. Acesso em: 28 dez. 2015.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualita- tiva com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 90-113.

LARROSA, Jorge Bondía. La experiencia de la lectura: estudios sobre literatura y formación. Barcelona: Laertes, 1996.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. A monadologia. Tradução de Marilena de Souza Chaui Berlinck. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os pensadores, v. 19).

MICHELAT, Guy. Sobre a utilização da entrevista não-diretiva em Sociologia. In: THIOLLENT, Michel (Org.). Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis, 1980. p. 191-212.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A perspectiva dos estudos culturais. Tomaz Tadeu da Silva (Org.). Stuart Hall, Kathryn Woodward. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SOUZA, Elizeu Clementino de (Org.). Autobiografias, histó- ria de vida e formação: pesquisa e ensino. Salvador/Bahia: EDUNEB - EDIPUCRS, 2006.

SOUZA, Elizeu Clementino de. Histórias de vida, escritas de si e abordagem experiencial. In: Histórias de Vida e formação de professores. Elizeu Clementino de Souza e Ana Chrystina Venâncio Mignot (Orgs.). Rio de Janeiro: FAPERJ, 2008.

Downloads

Publicado

2023-04-05

Como Citar

LIMA ASSIS, Henrique. As narrativas como caminhos metodológicos: o que dizem dos professores de artes visuais os objetos que habitam suas casas? . Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 168, 2023. DOI: 10.5965/10.5965/235809252612022e2310. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/23190. Acesso em: 27 fev. 2024.