O Riso e o Grotesco na adaptação da Comédia Lisístrata, de Aristófanes, para o teatro de formas animadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701262022070

Palavras-chave:

Lisístrata, máscara, boneco, riso, grotesco

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar e analisar uma adaptação da peça Lisístrata, de Aristófanes (411 a.C.), para o Teatro de Formas Animadas, feita pelo Grupo Paideia. A adaptação do texto teve o intuito de tornar a obra acessível a outro público, não somente ao erudito. Objetivou, também, relacionar os elementos máscaras e bonecos no contexto da encenação, levando em consideração o risível e o grotesco em ambos os elementos.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Motta Araújo, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Letras - Português e Espanhol pela UFC (2003). É especialista em Estudos Clássicos pela UFC (2005) e Mestra em Letras, Literatura Comparada, pela UFC (2017). Doutoranda em Letras, Literatura Comparada, UFC (Ingresso em 2020.1). Atualmente é professora da Prefeitura Municipal de Fortaleza.

Glaudiney Moreira Mendonça Junior, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Ciências da Computação pela Universidade Estadual do Ceará (2002) e mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Ceará (2005). Atualmente é professor da Universidade Federal do Ceará, lotado no Instituto UFC Virtual ministrando aulas no curso de Bacharelado em Sistemas e Mídias Digitais.

Paulo Roberto Barbosa Souza, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação e licenciatura em História pela Universidade Estadual do Ceará (2017), mestrando em Letras, com ênfase em Literatura Clássica pela Universidade Federal do Ceará (2021). Membro do Grupo Paideia (desde 2007). Atualmente é professor de História e Mitologia.

Referências

AMARAL, Ana Maria. Teatro de Formas Animadas: Máscaras, bonecos, objetos. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

ARAUJO, Danielle Motta. Lisístrata: Estudo e Adaptatradução para o Teatro de Bonecos. Dissertação (Mestrado em Literatura Comparada). Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Ceará, 2017. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/27560. Acesso em: 6 mar. 2023.

ARISTÓFANES. Lisístrata. Tradução de Ana Maria César Pompeu. Introdução de Isabella Tardin Cardoso. São Paulo: Hedra, 2010.

BURKERT, Walter. Religião Grega na Época Clássica e Arcaica. Tradução de M. J. Simões Loureiro. Lisboa: Fundação Calouste Gulbkian, 1993.

MINOIS. Georges. História do Riso e do Escárnio. Tradução de Maria Helena O. Ortriz Assumpção. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PLATÃO. A República. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: ed.ufba, 2016.

VERNANT, Jean-Pierre; FRONTISI-DUCROUX, Françoise. Figuras da Máscara na Grécia Antiga. In: VERNANT, Jean-Pierre e VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2011.

Downloads

Publicado

2022-09-03

Como Citar

ARAÚJO, Danielle Motta; MENDONÇA JUNIOR, Glaudiney Moreira; SOUZA, Paulo Roberto Barbosa. O Riso e o Grotesco na adaptação da Comédia Lisístrata, de Aristófanes, para o teatro de formas animadas. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 1, n. 26, p. 070–084, 2022. DOI: 10.5965/2595034701262022070. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/moin/article/view/22419. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: O Riso e o grotesco no teatro de animação