Schirley P. França e a artesania do cuidar: memórias de uma mãe bonequeira de muitos filhos e bonecos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034702232020146

Palavras-chave:

entrevista, Schirley P. França, Companhia Carroça de Mamulengos, História Oral, mulheres bonequeiras

Resumo

O texto é a transcrição de uma entrevista editada com Schirley P. França, atriz, brincante, bonequeira e matriarca de uma família artista que há 40 anos iniciou sua trajetória mambembe percorrendo os rincões de um Brasil de Brasis: a Companhia Carroça de Mamulengos. O contexto da entrevista se insere em uma pesquisa de doutoramento realizada sobre essa família de artistas a partir de situações de convivência com e entre os sujeitos de pesquisa e através da História Oral, tal como entendida por José Sebe Meihy. Uma entrevista realizada em plena pandemia de COVID-19 por vídeo-conferência, revelando a Arte e os desafios da trajetória de uma mulher artista que, como tantas, vai encontrando as formas de tecer seus saberes e fazeres nos cotidianos recheados de obrigações domésticas, maternas e conjugais da vida.

Biografia do Autor

Daniela Rosante Gomes, Universidade Federal do Tocantins/professora efetiva do Curso Licenciatura em TeatroUniversidade Estadual de Santa Catarina/ doutoranda Programa de Pós-Graduação em Teatro

Artista e Arteira de várias Artes, escreve, encena, escuta e conta histórias, brinca, improvisa, ama e cria em diferentes linguagens. Educadora sonhadora e realizadora de muitos sonhos e despertares. Mamãe de três e aprendiz de Vida Viva. Professora do Curso de Licenciatura em Teatro da UFT. Bacharel em Imagem e Som (UFSCar). Mestra em Teatro pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da UFU. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Teatro da UDESC. 

Schirley P. França, Universidade Federal Fluminense

Atua no campo das Artes Cênicas, Educação, Literatura e Cultura Popular como atriz, educadora, bonequeira, contadora de histórias e brincante. Matriarca da trupe familiar Companhia Carroça de Mamulengos percorre o Brasil há 43 anos promovendo Arte e Cultura. Em 2020 graduou-se em Pedagogia na Universidade Federal Fluminense escrevendo a monografia Uma Flor no Mundo: Experiência educativa de uma brincante na Carroça de Mamulengos.

Referências

FRANÇA, Schirley. Entrevista do ACERVO DE VOZES (Pesquisa Companhia Carroça de Mamulengos). Realizada em Taguatinga-DF em janeiro de 2020.

FREIRE, Paulo. NOGUEIRA, Adriano. Teoria e Prática em Educação Popular. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

GOMIDE, Maria. Folder produzido para divulgação da temporada de comemoração dos 40 anos da Companhia Carroça de Mamulengos no Teatro Caixa Cultural em Brasília-DF, em janeiro de 2017.

MEIHY, José Carlos Sebe. Manual de História Oral. 5ª ed. São Paulo: Loyola, 2005.

MEIHY, José Carlos Sebe. HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto,

NUNES, Odília. Depoimento do ACERVO DE VOZES (Pesquisa Companhia Carroça de Mamulengos). Recebida via WhatsApp em Florianópolis-SC em 21 de janeiro de 2020.

PIMENTEL, Altimar de Alencar. O mundo mágico de João Redondo. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura/Fundação Nacional de Artes Cênicas, 1998.

SANTOS, Fernando Augusto Gonçalves. Mamulengo: um povo em forma de bonecos. Rio de Janeiro: Edição FUNARTE, 1979.

SEIXAS, Cristiana. Depoimento do ACERVO DE VOZES (Pesquisa Companhia Carroça de Mamulengos). Recebida via WhatsApp em João Pessoa-PB em 07 de junho de 2020.

VILAR, Anna Rosa Azra. Depoimento do ACERVO DE VOZES (Pesquisa Companhia Carroça de Mamulengos). Recebida via WhatsApp em Uberlândia-MG em 20 de julho de 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

GOMES, D. R.; FRANÇA, S. P. Schirley P. França e a artesania do cuidar: memórias de uma mãe bonequeira de muitos filhos e bonecos. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 2, n. 23, p. 146-178, 2020. DOI: 10.5965/2595034702232020146. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/moin/article/view/18503. Acesso em: 19 set. 2021.