A história e a narração – Perspectivas de formação no Teatro de Formas Animadas Contemporâneo

Autores

  • Hadas Ophrat School for the Art of Puppetry – Holon (Israel)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034702142015124

Resumo

Um projeto de qualidade e uma atuação virtuosa nem sempre produzem um
bom espetáculo. Eles não são suficientes. Também não basta a soma total dos elementos da cena. A encenação é um ofício focado principalmente na construção de novas relações complexas entre os vários elementos: entre a história e a interpretação, os bonecos e os performers, os personagens e sua função e entre a história e a narração. Este artigo analisa as práticas de ensino estabelecidas por Ophrat através de quatro exercícios que tratam, respectivamente, de: (a) a função do corpo na forma como ele reflete na
relação entre o performer e os bonecos, (b) a utilização separada de som e ação, sendo originados a partir de diferentes fontes, (c) a ideia da dualidade do boneco como um papel dramático e (d) a compreensão de que tudo em teatro de formas animadas pode ser manipulado, inclusive o espaço.


Palavras-chave: Teatro visual. Narração de histórias. Sujeito-objeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hadas Ophrat, School for the Art of Puppetry – Holon (Israel)

Figura de liderança de arte interdisciplinar em Israel,
cofundador da The Train Theatre and The School of Visual Theatre em Jerusalém. Ensina performance–arte, arte urbana, e teatro de bonecos contemporâneo. Dirigiu mais de 30 trabalhos teatrais. Desde meados dos anos 90, trabalha com novas tecnologias em Teatro e Performance.
Publicou diversos livros e catálogos, incluindo: conversations with a Puppet – on a contemporary puppetry (2008) e recebeu o prêmio por excelência em Artes concedido pelo Ministério da Cultura, de Israel.

Downloads

Publicado

2018-03-09

Como Citar

OPHRAT, H. A história e a narração – Perspectivas de formação no Teatro de Formas Animadas Contemporâneo. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 2, n. 14, p. 124-134, 2018. DOI: 10.5965/2595034702142015124. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/moin/article/view/1059652595034702142015124. Acesso em: 26 jun. 2022.