Design de moda

ensino e regimes de interação

Autores

  • Luciana Chen Centro Universitário Senac - Santo Amaro, São Paulo-SP

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630512021038

Palavras-chave:

Ensino, Regimes de interação, Moda

Resumo

Esse artigo se debruça sobre os regimes de interação nas disciplinas voltadas às produções visuais, verbo-visuais e audiovisuais no curso de Design de Moda do Centro Universitário Senac – Santo Amaro. Investiga como os regimes de interação por acidente e por ajustamento podem contribuir para o ensino. Ao adentrar no campo da educação, nos conduzimos para uma orientação construtivista, que promove a aproximação de conteúdos às realidades dos estudantes e, posicionamentos críticos e de ruptura. Para tal, recorremos a conceitos tais como: presença, identidade/alteridade, existência, acaso, potencialidade. As reflexões são alicerçadas na semiótica discursiva desenvolvida por Algirdas Julien Greimas e desdobradas por Eric Landowski e Ana Claudia Mei Alves de Oliveira e, nos educadores Paulo Freire e Fayga Ostrower. A investigação aponta: os regimes de interação que se dão no ensino do recorte proposto, podem se estender a outras disciplinas e cursos; o ensino de cunho construtivista propicia o surgimento de trabalhos inovadores, enquanto o ensino autoritário favorece a cópia de trabalhos, estando atrelado à tradição; a necessidade de docentes conjugarem o inteligível e o sensível para que o ensino e o aprendizado sejam significativos.

Biografia do Autor

Luciana Chen, Centro Universitário Senac - Santo Amaro, São Paulo-SP

Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, especialista em Museologia pelo CEMMAE/USP, graduada em Licenciatura Plena em Educação Artística e em Desenho Industrial pela Fundação Armando Álvares Penteado. Professora nos cursos de graduação em Estilismo e Modelagem e coordenadora do curso de Pós-graduação em Direção de Arte Audiovisual no Centro Universitário SENAC. Pesquisa as interações entre público e objetos bidimensionais, tridimensionais e virtuais para a produção de materiais, objetos e ações.

Referências

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GREIMAS, Algirdas Julien. Da Imperfeição. Tradução: A.C. de Oliveira. São Paulo: Hackers, 2002.

LANDOWSKI, Eric. Interações arriscadas. Tradução: Luiza Helena O. da Silva. São Paulo: Estação das Letras, 2014.

______. Passions sans nom. Essais de sociossemiotique III. Paris: Presses Universitaires de France, 2004.

______. Presenças do outro. Ensaios de Sociossemiótica I. Tradução: M. Amazonas. São Paulo: Perspectiva, 2002.

MCQUEEN, Alexander. Performance - Alexander McQueen spring summer 1999. London: 1999. vídeo (2:01 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1oUFLU5gaSA. Acesso em: 20 set. 2020.

NAKAO, Jum. A Costura do Invisível – Desfile. São Paulo, 2004. 1 vídeo (5:35 min). Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/casa/article/view/3376. Acesso em: 20

set. 2020.

OLIVEIRA, Ana Claudia Mei Alves de. Estesia e experiência do sentido. In: Cadernos de Semiótica Aplicada, Araraquara, v. 8, n. 2, 2010. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/casa/article/view/3376. Acesso em: 20 set. 2020.

OSTROWER, Fayga. Acasos e criação artística. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PARRET, Herman. L’oeil qui caresse: pygmalion et l’expérience esthétique. In: VAN DAMME, Claire et al (Ed.). Touch me dont’t touch me: De Toets als Interface in de Hedendaagse Kunst. Gent: Academia Press, 2007. Disponível em: http://hermanparret.be/media/recent-articles/4_Loeil-qui-caresse-Pygmalion-etlexperience-esthetique.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

Publicado

2021-02-01