Somos todas iguais ou somos todas diferentes?

Práticas cênicas estimulando o debate sobre a diferença no ambiente escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0001

Palavras-chave:

Teatro na educação, Crianças com deficiência - Educação - Arte, Ambiente escolar, Preconceitos

Resumo

A sociedade contemporânea tem muitos padrões a serem seguidos: estéticos, formas de pensar e formas de agir. Pessoas que fogem de tais padrões, muitas vezes são vistas como desencaixadas (BERSELLI; ISAACSSON, 2018) e o ambiente escolar é um dos lugares que mais reforça padrões: estudantes enfileiradas, aprendendo os mesmos conteúdos, buscando as mesmas notas e não podendo dialogar. Práticas cênicas que vão contra o discurso dominante (FORTIN, 2011), são vistas aqui como possíveis potencializadoras de debates acerca das diferenças, promovendo uma revisão de entendimentos acerca da deficiência e eficiência ao colocarem a pessoa como centro das pesquisas a partir de experiências práticas. Com tamanha potencialidade, elas podem estar no ambiente escolar a partir dos anos iniciais, proporcionando práticas e experiências que evidenciem as singularidades de cada pessoa e o respeito por cada corpo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavia Grützmacher dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Graduanda do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Santa Maria. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Teatro Flexível: práticas cênicas e acessibilidade (CNPq/UFSM). Bolsista PROLICEN/UFSM. Vice coordenadora do Diretório Acadêmico Luis Otávio Burnier (DALOB/UFSM). Artista da cena. 

Marcia Berselli, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Maria. Líder do Grupo de Pesquisa Teatro Flexível: práticas cênicas e acessibilidade (CNPq/UFSM) e do Laboratório de Criação (LACRI/CNPq). Coordenadora do Programa de Extensão Práticas Cênicas, Escola e Acessibilidade. Doutora em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Artista da cena.

Referências

BERSELLI, M. Práticas e técnicas corporais promovendo a presença de artistas com deficiência na cena contemporânea. Revista GEARTE, Porto Alegre, RS, v. 4, n. 1, p. 54-66, jan./abr. 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/gearte/article/view/71266. Acesso em: 29 set. 2019.

BERSELLI, M.; ISAACSSON, M. A presença de pessoas com deficiência na cena contemporânea desestabilizando construções sociais a respeito do corpo. Repertório, Salvador, BA, ano 21, n. 30, p. 365-387, 2018. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revteatro/article/view/25319. Acesso em: 24 set. 2019.

FERREIRA, F. R. A produção de sentidos sobre a imagem do corpo. Interface: comunicação, saúde, educação, Botucatu, SP, v. 12, n. 26, p. 471-83, jul./set. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-32832008000300002 &lng =en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 23 dez. 2019.

FORTIN, S. Nem do Lado Direito, nem do Avesso: o artista e suas modalidades de experiências de si e do mundo. In: WOSNIAK, C.; MARINHO, N. (org.). O Avesso do Avesso do Corpo: Educação somática como práxis. Joinville: Nova Letra, 2011, p. 25-42.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

MACHADO, M. M. Cacos de infância: teatro da solidão compartilhada. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2004.

SKLIAR, C. A invenção e a exclusão da alteridade "deficiente" a partir dos significados da normalidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, RS, v. 24, n. 2, p. 15-32, jul./dez. 1999. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/55373. Acesso em: 10 set. 2019.

Publicado

2021-02-27

Como Citar

Grützmacher dos Santos, F., & Berselli, M. (2021). Somos todas iguais ou somos todas diferentes? : Práticas cênicas estimulando o debate sobre a diferença no ambiente escolar. DAPesquisa, 16, 01-11. https://doi.org/10.5965/18083129152021e0001