Figurações nômades em manipulações digitais: experimentações de um Estágio de Docência em Artes Visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267822022069

Palavras-chave:

Processos de Subjetivação, Rostidade, Selfie

Resumo

Preocupadas com a formação da subjetividade, este artigo procura refletir sobre as práticas nômades nas experimentações feitas em um Estágio de Docência na disciplina de Arte Digital do curso de Artes Visuais da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A partir de uma selfie, as estudantes foram instigadas a manipular as fotografias em softwares de edição (como o Photoshop) inspiradas pelos processos artísticos da drag. Essa proposta parte de uma abordagem rizomática com o currículo, permitindo que ele seja atravessado por questões agenciadas pelo seu fora. Assim, trazemos para esta discussão os conceitos de figurações nômades, uma espécie de mapa político que nos permite entender os processos de subjetivação contemporâneos, e de rostidade, uma máquina de controle que, pela formação de um rosto, insere-nos em territórios fechados de experiência. A manipulação de imagens digitais, para além dos processos coercitivos de controle dos corpos, é usada em nossa proposta como uma prática de si com capacidade de agenciar movimentações nômades para a formação de uma subjetividade mais libertária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Barrionuevo, Universidade Estadual de Maringá

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Educação e graduado em Artes Visuais, ambos pela Universidade Estadual de Maringá.

Eliane Rose Maio, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá.

Roberta Parpinelli Stubs, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista. Professora do curso de Artes Visuais da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? In AGAMBEN, Giorgio: O que é o contemporâneo? e outros ensaios. 6ª. ed. Trad. Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó/SC: Argos, 2009. p. 8-51

BARRIONUEVO, Gustavo. STUBS, Roberta. A ficção como potência para subjetividades pós-identitárias: pensando uma figuração drag. Revista de Educação e Complexidade. Cianorte/PR, n.5, p. 73-91, dez, 2017. Disponível em: http://www.crc.uem.br/departamento-de-pedagogia-dpd/koan-revista-de-educacao-e-complexidade/edicao-n-5-dez-2017. Acesso: 10 jun. 2022.

BRAGA, Paula. Arte Contemporânea: modos de usar. São Paulo: Elefante, 2021.

BRAIDOTTI, Rosi. Diferença, Diversidade e Subjetividade Nômade. Revista Labrys, Estudos Feministas, n. 1-2, Brasília: Montreal: Paris - Julho/Dezembro de 2002, p. 1-16.

CASTELEIRA, Rodrigo Pedro. (Des)pregamentos e Táticas nos Cotidianos Narrados por Travestis: Desalojamentos nos espaços prisionais como modos de (r)existências. 111 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2018.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 1. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 3. São Paulo: Editora 34, 2012.

GALLO, Silvio. Deleuze & Educação. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

GUATTARI, Felix. ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis/RJ: Vozes, 1996.

IRWIN, Rita. A/r/tografia. In: DIAS, Belidson. IRWIN, Rita L. (Orgs.). Pesquisa Educacional Baseada em Arte: A/r/tografia. Santa Maria/RS: Ed. da UFSM, 2013, p. 21-26.

KIRST, Patrícia Beatriz Argôllo Gomes. FONSECA, Tânia Mara Galli. A imagem digital como dispositivo de apropriação dos modos de subjetivação contemporâneos. Psicologia em Estudo. Maringá. v.15, n.2, 2010. p. 401-408. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-73722010000200019. Acesso em: 29 de set. 2020.

MAIO, Eliane Rose. O começo dessa história: discussões iniciais sobre gênero. In: RIBEIRO, Marcos (Org.). A conversa sobre gênero na escola: aspectos conceituais e político-pedagógicos. Rio de Janeiro: Wak, 2019. p. 17-30.

SIQUEIRA, Juliano Reis. Estágio em Artes Visuais como campo de pesquisa. Apotheke, Florianópolis, v. 8, n.1, p. 30- 43, abril, 2022. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/21814. Acesso em: 6 jun. 2022.

SONTAG, Susan. Sobre Fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VIEIRA, Renata de Almeida. Formação Pós-Graduada e Docência no Ensino Superior: mapeamento das discussões sobre o Estágio de Docência na RBPG/CAPES. Contra-pontos, Itajaí, v. 13, n. 2, p. 94 – 101, mai-ago, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.5965/24471267812022028. Acesso em: 1 jun. 2022.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

BARRIONUEVO, G.; MAIO, E. R.; STUBS, R. P. Figurações nômades em manipulações digitais: experimentações de um Estágio de Docência em Artes Visuais. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 069-082, 2022. DOI: 10.5965/24471267822022069. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/22240. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção temática