A Cenografia Site - Especific na construção dos espaços públicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/27644669030620230202

Palavras-chave:

Cenografia. Site-specific. Espaços públicos. Manifestação artística.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a cenografia site-specific como instrumento de transformação e construção de novos sentidos, vivências e ocupações dos espaços públicos a partir de três obras: as peças teatrais “Bom Retiro 958 metros”, dirigida por Joca Reiners Terron e “Das saborosas aventuras de Dom Quixote de la Mancha e seu escudeiro Sancho Pança - um capítulo que poderia ter sido”, de André Carreira e a minissérie “A Pedra do Reino” de Ariano Suassuna, dirigida por Luiz Fernando Carvalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgínia Marinho do Egito Rocha de Macedo, Universidade Veiga de Almeida

Arquiteta e Urbanista (USU-RJ), especialista em Cenografia (UVA-RJ), formação livre em Design Gráfico Digital (SENAC-RJ) e Produção Cinematográfica pela Escola de Cinema do Maranhão (IEMA). Diretora Cultural do IAB-MA (Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento Maranhão - gestão 2023-2025). Diretora de Arte em cinema e audiovisual e Arquiteta de Cenografia e Expografia. Coordena o Projeto Casa Encantada, juntamente com outros profissionais de arquitetura, desenvolvendo projetos de melhorias habitacionais atuando com Assessoria e Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (ATHIS).

Referências

ALMEIDA, André M. DE. URBANISMO TÁTICO: da experiência do fazer a um urbanismo afetivo. Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação. Desenvolvimento Urbano, 2017. Disponível em: < https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/27630/1/DISSERTAÇÃO%20André%20Moraes%20de%20Almeida%20.pdf>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

ALOMÁ, Patrícia. O espaço público, esse protagonista da cidade. Archdaily, 2013. Disponível em:

<https://www.archdaily.com.br/br/01-162164/o-espaco-publico-esse-protagonista-da- cidade>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

CARREIRA, André. Ambiente, fluxo e dramaturgia da cidade: materiais do Teatro de Invasão. O Percevejo Online, 2009. Disponível em: <https://seer.unirio.br/opercevejoonline/article/view/482>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

______________. Teatro performativo e a cidade como território. Artefilosofia V. 7 N. 12, 2012. Disponível em: < https://periodicos.ufop.br/raf/article/view/575>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

______________. Cidade espaço inóspito: território do teatro de invasão. Urdimento, Florianópolis, v. 2, n. 38, ago./set. 2020.

CATIERU, Andreea. A arquitetura da interação social.

Archdaily, 2020. Disponível em:

<https://www.archdaily.com.br/br/945444/a-arquitetura-da-interacao-social>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

DUARTE, Cristiane Rose de S.; SANTANA, Ethel Pinheiro. RESSENSIBILIZANDO CIDADES ambiências urbanas e sentidos: Anais da Conferência Internacional. Anais da Conferência Internacional Ressensibilizando Cidades ambiências urbanas e sentidos, de 02 a 05 de outubro de 2019 – Rio de Janeiro: FAU/UFRJ, 2019. Disponível em:

<https://lasc.fau.ufrj.br/public/editor/Anais%20Ressensibilizando%20Cidades%20-%20Oficial_compressed.pdf>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

FILHO, Eliezer. Um artefato cenográfico na invenção espetacular do cotidiano. II Seminário Internacional Urbicentros – Construir, Reconstruir, Desconstruir: morte e vida de centros urbanos, Maceió, Alagoas, 2011. Disponível em: <http://www.laboratoriourbano.ufba.br/?publicacoes=artigo-20>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

IRWIN, Kathleen. The Ambit of Performativity. How Site Makes Meaning in SiteSpecific Performance. Helsinki: University of Arts and Design, Helsinki, 2007.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades; tradução Carlos S. Mendes Rosa; revisão da tradução Maria Estela Heider Cavalheiro; revisão técnica Cheila Aparecida Gomes Bailão – 3 ed. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011. (Coleção cidades).

JEUDY, Henri Pierre; JACQUES, Paola Berenstein. Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Editora: EDUFBA; PPG-AU/FAUFBA, 2006.

LIMA, E. F. W. Dos galpões industriais aos espaços públicos da cidade: alguns processos de configuração espacial nas artes da cena brasileira. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1-31, 2020. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18005>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

MARTINS, Lúcia Helena e CAMA, Anna Stegh. A live art e o espectador em Das saborosas aventuras de Dom Quixote de la Mancha e seu fiel escudeiro Sancho Pança – um capítulo que poderia ter sido. Urdimento, v.1, n.22, p. 157- 166, julho 2014. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/14145373101222014 157 >. Acesso em: 09 jan. de 2024.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 2010. p 481.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

SITE Specific. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2024. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo5419/site-specific>. Acesso em: 09 de jan. de 2024.

TEGONE, Bárbara. Cenários Urbanos. Refúgios Urbanos: Uma imobiliária feita por amanetes da arquitetura, 2018. Disponível em: <https://refugiosurbanos.com.br/cenarios-urbanos/>. Acesso em: 09 jan. de 2024.

Downloads

Publicado

2024-05-09

Como Citar

MARINHO DO EGITO ROCHA DE MACEDO, Virgínia. A Cenografia Site - Especific na construção dos espaços públicos. A Luz em Cena: Revista de Pedagogias e Poéticas Cenográficas, Florianópolis, v. 3, n. 06, p. 1–20, 2024. DOI: 10.5965/27644669030620230202. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/aluzemcena/article/view/24348. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: CENOGRAFIAS, ALEGORIAS E DEMAIS ELEMENTOS NO ESPAÇO DA CENA