Luz e performatividade no acontecimento artístico

Autores

Palavras-chave:

Iluminação Cênica. Performatividade. Manipulador de luz.

Resumo

O artigo apresenta algumas discussões acerca da visualidade construída no acontecimento artístico, através da performatividade da luz em vista de sua relação com o atuador, seja este: ator, performer, operador de luz, espectador e interautor da ação poética. Desse modo, a pesquisa dialoga com as transformações do fazer artístico catapultadas pela pós-modernidade e advento da arte contemporânea. Nesse contexto, busca-se entender a luz, supostamente como objeto performativo, a fim de criar, por meio da iluminação, um campo expressivo e autônomo enquanto linguagem.

Biografia do Autor

Rafael Cardoso Jacinto, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - (UFSM)

Rafael Jacinto é Doutorando em Educação e Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE-UFSM (2020-atual), Mestre em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - UFSM (2017-2018). Possui graduação em Licenciatura em Teatro pela UFSM (2014). Atualmente é professor substituto nos cursos de graduação em Artes Cênicas e Licenciatura em Teatro UFSM e no Departamento de Ensino do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria UFSM (ensino técnico). Professor de Arte da rede privada de educação básica (2014-atual). Integra o conselho parecerista da Revista de Pedagogias e poéticas cenográficas A LUZ EM CENA (2020/atual), Integrante no Grupo de Pesquisa FLOEMA - Núcleo de Estudos em Estética e Educação (CNPq, 2020). Atuou como técnico de luz do Teatro Caixa Preta-UFSM (2012-2014). Foi iluminador cênico do Theatro Treze de Maio Santa Maria-RS (2016-2017). Foi ator e iluminador cênico na Cia. Retalhos de teatral (2013-2019). Desenvolve pesquisa teórico/prática sobre a visualidade da cena, iluminação cênica e performatividade da luz.

Referências

BARROS, Anna Maria de carvalho. A arte da Percepção: Um namoro entre a luz e o espaço. São Paulo: Annablume editora, 1999.

BAUMAN, Zigmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução Mauro Gama, Claudia Martinelli Gama; Revisão técnica Luís Carlos Fridman. Rio de Janiro: Jorge Zahar Ed. 1998.

DANTO, Arthur C. Após o fim da arte: A arte contemporânea e os limites da história. Trad. Saulo krieger. São Paulo: Odysseus Editora, 2006.

GALIZIA, Luiz Roberto. Os Processos Criativos de Robert Wilson. São Paulo: Perspectiva, 1996.

JACINTO, R. C., & STUMM, R. L. Manipulador: uma relação entre espaço, luz e objeto. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 2020, 1(37), p. 211-227.

LUCIANI, N.M. Sobre a performatividade da luz. O Mosaico: R. Pesq. Artes, Curitiba, n. 8, p. 87-101, jul./dez., 2012.

OITICICA, Hélio. Parangolé Poético e Parangolé Social. 1966 Disponível em: <http://www.itaucultural.org.br> Último acesso realizado em 4 de Abril de

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da Encenação Teatral. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Zahar,1998.

SANTAELLA, Lucia. O pluralismo pós-utópico da arte. ARS (São Paulo) [online]. 2009, vol.7, n.14 [cited 2021-04-10], p.130-151.

TUDELLA, Eduardo. A luz na gênese do espetáculo. Salvador: EDFBA, 2017.

VILLARES, Fernanda Carvalho Ferreira. A construção do espaço através da luz: uma leitura da obra de Dan Flavin sob o aspecto do design da iluminação. 2011. Dissertação (Mestrado em Design e Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. doi:10.11606/D.16.2011.tde-11012012-112335. Acesso em: 2021-04-10.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

JACINTO, R. C. Luz e performatividade no acontecimento artístico. A Luz em Cena: Revista de Pedagogias e Poéticas Cenográficas, Florianópolis, v. 1, n. 01, p. 1-18, 2021. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/aluzemcena/article/view/19987. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê temático: A luz e as relações cenográficas