Qualidade física e sensorial do camarão Litopeneaus vannamei cultivado em água doce

Autores

  • Lucas de Oliveira Soares Rebouças Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Lyzandra Laís de Almeida Lemos Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Danyela Carla Elias Soares Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Tanyla Cybelly Lira Santos Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Ana Paula Pinheiro de Assis Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Maria Carla da Silva Campelo Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Jean Berg Alves da Silva Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml
  • Patrícia de Oliveira Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017473

Palavras-chave:

salinidade, água doce, águas salinas, astacoidea, artemia

Resumo

Neste trabalho, objetivou-se avaliar a qualidade do camarão marinho L. vannamei cultivado em água doce e em salgada, com ênfase nos parâmetros físicos e sensoriais. Para os parâmetros físicos foram realizadas determinações de pH, capacidade de retenção de água (CRA), perda de peso na cocção (PPC), textura e cor (todas em triplicata). Para análise sensorial participaram do teste 30 provadores, de ambos os sexos, com idade variando entre 23 a 49 anos, para avaliar os camarões segundo os atributos de sabor, odor, cor, textura e suculência e aspecto de preferência geral. Em relação ao pH não houve diferença significativa (p<0,05) entre os dois tratamentos, assim como para CRA e PPC. Os parâmetros de cor (a*, b* e L*) mostraram uniformidade nos resultados, tanto para o camarão in natura como para o cozido, não havendo diferenças significativas. Destacou-se a textura que apresentou diferença significativa (p<0,05) entre os tratamentos, com valores de 1,03 a 1,34, corroborando com os dados reportados pela equipe sensorial. Os parâmetros sensoriais analisados não diferiram significativamente, com exceção para os atributos de odor e cor, que foram superiores para o camarão cultivado em água salgada. Apesar disso os dois tratamentos apresentaram qualidade sensorial, física e química satisfatórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Soares Rebouças, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Engenheiro de Pesca, Mestre em Produção Animal.

Lyzandra Laís de Almeida Lemos, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Engenheira de Pesca

Danyela Carla Elias Soares, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Engenheira de Pesca

Tanyla Cybelly Lira Santos, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Engenheira de Pesca

Ana Paula Pinheiro de Assis, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Zootecnista

Maria Carla da Silva Campelo, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Mestre em Ciência Animal

Jean Berg Alves da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professor do curso de medicina veterinária da UFERSA.

Patrícia de Oliveira Lima, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professora do curso de zootecnia da UFERSA.

Referências

BONAGURIO S. 2001. Qualidade da carne de cordeiros Santa Inês puros e mestiços com Texel abatidos com diferentes pesos. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) – Lavras: UFLA. 150p.

BOUTON PE et al. 1971. Effects of ultimate pH upon the waterholding capacity and tenderness of mutton. Journal of Food Science 36: 435-439.

BRASIL. 1952. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Aprova o novo Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal – RIISPOA. Decreto n° 30.691, de 29 de março de 1952. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 de julho de 1952.

BRASIL. 2001. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Seção 1, nº7-E. p.45-53. 10 jan. 2001.

BRASIL. 2003. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 62 de 26 de agosto de 2003. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Diário Oficial da União, Brasília- DF.

CAMPOS KC & CAMPOS RT. 2006. Alternativa econômica para o novo rural do Nordeste brasileiro: o cultivo do camarão Litopenaeus vannamei em água doce. Revista Informe GEPEC 10: 40-53.

CIANCI M et al. 2002. The molecular basis of the coloration mechanism in lobster shell: β-Crustacyanin at 3.2-Å resolution. Proceedings of the National Academy of Sciences 99: 9795-9800.

FIGUEIRÊDO MCB et al. 2006. Impactos ambientais da carcinicultura de águas interiores. Engenharia Sanitária e Ambiental 11: 231-240.

GUERRA ICD. 2010. Efeito do teor de gordura na elaboração de mortadela utilizando carne de caprinos e de ovinos de descarte. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). João Pessoa: UFPB. 88p.

HAMM R. 1960. Biochemistry of meat hydratation. Advances in Food Research 10: 355-463.

JAY JM. 2005. Microbiologia de alimentos. 6.ed. Porto Alegre: Artmed. 712p.

KUBITZA F. 1999. “Off-flavor”, Nutrição, Manejo Alimentar e Manuseio Pré-Abate afetam a Qualidade do Peixe Destinado à Mesa. Revista Panorama da Aquicultura 54: 39-49.

LI MH et al. 2012. Evaluation of corn gluten feed and cottonseed meal as partial replacements for soybean meal and corn in diets for pond-raised hybrid catfish, Ictalurus punctatus x I. furcatus. Journal of the World Aquaculture Society 43: 107-113.

MADRID RM. 2011. ¿Se puede modificar el sabor del pescado? Infopesca Internacional 48: 19-24.

McGRAW KJ et al. 2002. Different colors reveal different information: how nutritional stress affects the expression of melanin-and structurally based ornamental plumage. Journal of Experimental Biology 205: 3747-3755.

MEILGAARD M et al. 1999. Sensory evaluation techniques. 3.ed. Boca Raton: CRC Press. 416p.

MERIGHE GKF et al. 2004. Efeito da Cor do Ambiente sobre o Estresse Social em Tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus). Revista Brasileira de Zootecnia 33: 828-837.

OLIVEIRA DD et al. 2013. Recuperação de carotenoides pela hidrólise enzimática proteica dos resíduos de camarão. In: Simpósio Latino Americano de Ciências de Alimentos – 10 SLACA. Anais... Campinas - FEA/UNICAMP. (Pôster).

ORDÓÑEZ JA et al. 2005. Tecnologia de alimentos: alimentos de origem animal. v.2. Porto Alegre: Artmed. 280p.

OSÓRIO JC et al. 1998. Métodos para avaliação da produção da carne ovina: in vivo, na carcaça e na carne. Pelotas: Editora Universitária. 107p.

PARDI MC et al. 1993. Ciência, higiene e tecnologia da carne: tecnologia da sua obtenção e transformação. Goiânia: CEGRAF-UFG. 586p.

POERSCH L et al. 2006. Perspectivas para o desenvolvimento dos cultivos de camarões marinhos no estuário da Lagoa dos Patos, RS. Ciência Rural 36: 1337- 1343.

QUEIROGA IMBN et al. 2014. Qualidade sensorial do camarão Litopenaeus vannamei congelado. Semina: Ciências Agrárias 35: 1801-1812.

ROCHA IP & ROCHA DM. 2010. Análise da produção e do mercado interno e externo do camarão cultivado. Revista da ABCC 1: 18-23.

SAMOCHA TM et al. 2002. Review of some recent developments in sustainable shrimp farming practices in Texas, Arizona, and Florida. Journal of Applied Aquaculture 12: 1-42.

SOUZA SMG et al. 2012. Off-flavor por geosmina e 2-Metilisoborneol na aquicultura. Semina: Ciências Agrárias 33: 835-846.

TAVARES M & GONÇALVES AA. 2011. Aspectos Físico-Químicos do Pescado. In: GONÇALVES AA. (Ed.). Tecnologia do pescado: ciência, tecnologia, inovação e legislação. São Paulo: Editora Atheneu. p. 10-20.

WARRIS PD. 2003. Ciencia de la carne. Zaragoza: Acribia. 320p.

ZHANG B et al. 2015. Shelf-life of pacific white shrimp (Litopenaeus vannamei) as affected by weakly acidic electrolyzed water ice-glazing and modified atmosphere packaging. Food Control 51: 114-121.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

REBOUÇAS, Lucas de Oliveira Soares; LEMOS, Lyzandra Laís de Almeida; SOARES, Danyela Carla Elias; SANTOS, Tanyla Cybelly Lira; ASSIS, Ana Paula Pinheiro de; CAMPELO, Maria Carla da Silva; SILVA, Jean Berg Alves da; LIMA, Patrícia de Oliveira. Qualidade física e sensorial do camarão Litopeneaus vannamei cultivado em água doce. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 473–479, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017473. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9129. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Animais e Produtos Derivados