Frutificação e indução artificial de maturação com ácido 2-cloroetilfosfônico em diferentes épocas para figos ‘roxo de valinhos’

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023580

Palavras-chave:

Ficus carica L., indução artificial, etileno, figueira, etefom

Resumo

A produção brasileira de Ficus carica L. se concentra nos meses de janeiro a março. O uso de etileno para antecipar e uniformizar a colheita pode alterar a oferta e melhorar seus resultados econômicos. Este trabalho objetivou estabelecer uma curva de crescimento e avaliar o efeito do ácido 2-cloroetilfosfônico (etefom) na maturação e qualidade de figos 'Roxo de Valinhos’ em diferentes períodos, em dias após a frutificação efetiva (DAFE). O estudo foi dividido em dois experimentos concomitantes em um pomar comercial localizado na linha Jacutinga, São Miguel do Oeste, SC, na Safra 2020/2021. Em ambos se utilizou delineamento em blocos casualizados, com oito repetições (blocos), tendo a planta como bloco e dois frutos basais de um ramo como unidade experimental. O Experimento I consistiu na caracterização do desenvolvimento natural dos sicônios. Para isso foram coletados pseudofrutos aos 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70 e 80 DAFE e na maturação em “estado de vez”, sendo mensurados massa, diâmetro, comprimento; cor; textura; sólidos solúveis e acidez titulável. O Experimento II consistiu em uma aplicação de etefom 500 µL L-1 (a partir de Ethrel® 240 g L-1 de ácido 2-cloroetilfosfônico) aos 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70 e 80 DAFE. No não foi realizada nenhuma aplicação. A colheita ocorreu quando os figos apresentaram coloração roxa (“estado de vez”), sendo avaliados quanto aos atributos físico-químicos. O comportamento de crescimento foi uma curva dupla-sigmoide, com três estágios de desenvolvimento. As aplicações de etefom 500 mg L-1 não promovem respostas desejadas para indução artificial de maturação até os 50 DAFE. Os resultados satisfatórios iniciam-se aos 60 DAFE, com diâmetro ≥ 39,8 mm, e aos 70 DAFE, com diâmetro ≥ 38,1 mm. No entanto, 95% de respostas desejáveis para maturação por indução artificial ocorrem aos 80 DAFE quando os figos têm diâmetro médio de 37,3 ± 1,8 mm.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adinor José Capellesso, Instituto Federal Catarinense

SMO/Professor

Aquidauana Miqueloto Zanardi, Instituto Federal Catarinense

.

Claudinei Bazi, Instituto Federal Catarinense

.

Anderson André Züge, Instituto Federal Catarinense

.

Referências

ABDULLAH MM et al. 2022. Effects of Ethephon treatments on Ripening and Uniformity of Fig Fruit (Ficus carica. L). Jopas 21: 282-284.

ADAMS D & YANG SF. 1979. Ethylene biosynthesis: identification of 1-aminocyclopropane-1- carboxylic acid as an intermediate in the conversion of methionine to ethylene. Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America 76: 170-174.

AOAC. 2000. ASSOCIATION OF OFFICIAL AGRICULTURAL CHEMISTS. Official methods of the Association of the Agricultural Chemists.15.ed. Washington: AOAC Internacional.

BERNARDI M. 2021. Análise de oportunidades para produtos da horticultura na região Extremo Oeste Catarinense. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia). São Miguel do Oeste: IFSC. 59p.

BIANCHI VJ et al. 1998. Maturação de figos cv. Roxo de Valinhos fora do período normal de colheita. Revista Brasileira de Agrociência 4: 218-221.

ÇELIKEL FG et al. 1997 Effects of ethephon on fruit development and ripening of the fig (Ficus carica L.) variety ‘Bursa Siyahi’. Acta Hort. 441: 145-151.

CUI Y et al. 2021. Ethephon induces coordinated ripening acceleration and divergent coloration responses in fig (Ficus carica L.) flowers and receptacles. Plant Molecular Biology105: 347-364.

EIDAM T et al. 2014. Efeitos do óleo de soja e ácido 2-cloroetil-fosfônico, na qualidade e na maturação de frutos de figo. Ambiencia 10: 167-177.

FRANCIS FJ. 1989. Food colorants: anthocyanins. Critical Review. Food Science and Nutrition 28: 273-314.

FRANCISCO VLFS et al. 2005. A cultura do figo em São Paulo. Instituto de economia agrícola. São Paulo. Disponível em: http://www.iea.agricultura.sp.gov.br/out/ LerTexto.php?codTexto=2314. Acesso em: 13 mar. 2022.

FREIMAN ZE et al. 2015. The ambiguous ripening nature of the fig (Ficus carica L.) fruit: a gene-expression study of potential ripening regulatorsand ethylene-related genes. Journal of Experimental Botany 66: 3309–3324.

GONÇALVES CAA et al. 2006. Caracterização física, físico-química, enzimática e de parede celular em diferentes estádios de desenvolvimento da fruta de figueira. Ciência e Tecnologia de Alimentos 26: 220-229.

JEONG ST et al. 2004. Effects of plant hormones and shading on the accumulation of anthocyanins and the expression of anthocyanin biosynthetic genes in grape berry skins. Plant Science 167: 247-252.

KERBAUY GB. 2004. Fisiologia Vegetal. Rio de janeiro: Guanabara Koogan SA.

KUMAR R et al. 2014. Role of plant hormones and their interplay in development and ripening of fleshy fruits. Journal of Experimental Botany 65: 4561–4575.

LEONEL S & SAMPAIO AC. 2011. A figueira. São Paulo: UNESP.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. 2016. Manual de Calagem e Adubação para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 11.ed. RS/SC: Núcleo Regional Sul- Sociedade Brasileira de Ciência de Solo.

LIMA M & MIRANDA G. 2020. Setembro com volumes baixos de chuva no oeste de SC. EPAGRI Ciram. Disponível em: https://ciram.epagri.sc.gov.br/index.php/2020/10/01/setembro-com-volumes-baixos-de-chuva-no-oeste-de-sc/. Acesso em: 07 dez. 2021.

MIRANDA CHB et al. 2003. Determinação da Fixação Biológica de Nitrogênio o Amendoim Forrageiro (Arachis spp) por Intermédio da Abundância Natural de 15N. Revista Brasileira de Zootecnia 32: 1859-1865.

MAPSON L & ROBINSON JE. 1966. Relation between oxygen tension, biosynthesis of ethylene, respiration and ripening changes in banana fruit. Food Science Technology 1: 215-225.

MAREI N & CRANE JC. 1971. Growth and respiratory response of fig (Ficus carica L. cv. Mission) fruits to ethylene. Plant Physiology 48: 249-254.

NAVA GA et al. 2015. Desbaste de ramos influencia na produtividade e qualidade de figo ‘Roxo de Valinhos’. Revista de Ciências Agroveterinárias 14: 29-37.

OETIKER JH & YANG SF. 1995. The role of ethylene in fruit ripening. Acta horticulturae 397: 197-198.

OWINO OW et al. 2006. Regulatory mechanisms of ethylene biosynthesis in response to various stimuli during maturation and ripening in fig fruit (Ficus carica L.). Planta Physiology and Biochemistry 44: 335-342.

PAIVA EP et al. 2009. Pectina: propriedades químicas e importância sobre a estrutura da parede celular de frutos durante o processo de maturação. Revista Iberoamericana de Polímero 10: 196-211.

PEREIRA FM & MAIORANO JA. 2010. Efeitos do ethephon (ácido 2-cloroetil fosfônico) sobre a maturação de frutas da figueira (Ficus carica) variedade Roxo de Valinhos. In: Simpósio brasileiro sobre a cultura da figueira, Resumos ..., Campinas: FEAGRI – UNICAMP. 204p.

PETRI JL et al. 2016. Reguladores de crescimento para frutíferas de clima temperado. Florianópolis: Epagri.

PIO R. 2018. Cultivo de frutíferas de clima temperado em regiões subtropicais e tropicais. 2.ed. Lavras: UFLA.

POTTER RO et al. 2004. Boletim de pesquisa e desenvolvimento: solos do estado de Santa Catarina. 21.ed. Rio de Janeiro: Embrapa.

PUECH AA & CRANE JC. 1975. Translocation of ethephon in fig (Ficus carica L) shots. Journal of the American Society for Horticultural science 100: 443-446.

QIAO H et al. 2021. Fig fruit ripening is regulated by the interaction between ethylene and abscisic acid. Journal of Integrative Plant Biology 63: 553-569.

RODRIGUES AC et al. 1997. Antecipação e uniformização da maturação de figos cv. Roxo de Valinhos com uso de fitoreguladores e óleo de oliva. Revista Brasileira de Agrociência 3: 69-73.

SANTOS HG et.al. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa.

SOUZA AP et al. 2009. Temperaturas basais e soma térmica para a figueira podada em diferentes épocas. Revista Brasileira de Fruticultura 31:.314-322.

TAIZ L et al. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6.ed. Porto Alegre: Artmed.

ZERONI M et al. 1972. Relationship between Ethylene and the Growth of Ficus sycomorus. Plant Physiology 50: 378-381.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

CAPELLESSO, Adinor José; ZANARDI, Aquidauana Miqueloto; BAZI, Claudinei; ZÜGE, Anderson André. Frutificação e indução artificial de maturação com ácido 2-cloroetilfosfônico em diferentes épocas para figos ‘roxo de valinhos’ . Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 580–593, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023580. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23856. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)