Avaliação higiênico-sanitária e microbiológica do açaí comercializado no mercado municipal do Ver-o-Peso, Belém-PA, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023705

Palavras-chave:

checklist, boas práticas, qualidade, microrganismo, patógeno

Resumo

O açaí possui grande importância para a economia e dieta da população paraense; no entanto, é frequente a preocupação relacionada à qualidade desse alimento, uma vez que ele está susceptível a diversas contaminações, que vão desde a colheita até seu processamento. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi avaliar as condições higiênico-sanitárias dos boxes que processam e comercializam açaí no mercado municipal, Ver-o-Peso em Belém-PA, avaliar a qualidade microbiológica desse produto, e averiguar a conformidade com os padrões estabelecidos pela legislação vigente. Para a avaliação higiênico-sanitária foi elaborado um checklist com 5 blocos de avaliação 31 itens e 100 subitens de verificação. Também foram realizadas análises microbiológicas (bolores e leveduras, Escherichia coli, Salmonella spp. e Staphylococcus aureus) nas amostras coletadas nesses pontos de venda. O resultado do checklist evidenciou que os índices de adequação para os blocos avaliados estão abaixo de 62,5%, sendo classificados no grupo regular e ruim. Quanto às análises microbiológicas, houve presença de Salmonella spp. e E. coli, e os valores para bolores e leveduras e S. aureus se apresentaram acima do que é preconizado pela legislação. Ambas avaliações foram ferramentas complementares e apresentaram baixa adequação às legislações vigentes. Portanto, consumo desse alimento apresenta risco à saúde do consumidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Carneiro da Silva, Universidade do Estado do Pará

Graduada em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Especialização em Segurança Alimentar e Controle da Qualidade na Indústria de Alimentos da Universidade do Estado do Pará (UEPA) e mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (UFPA) em andamento.

Bruna Almeida da Silva, Universidade do Estado do Pará

.

Lara Lima Seccadio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará

Graduação em Engenharia de Alimentos (2010) e Mestrado em Ciência e Tecnlogia de Alimentos (2013), pela Universidade Federal do Pará. Possui experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, atuando com ênfase em tecnologia de produtos de origem vegetal, pós-colheita, processos de fermentação espontânea e induzida em meio líquido e sólido, e tecnologia de extrusão. Atualmente, é professora EBTT do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Pará, Campus Castanhal.

Ana Carla Alves Pelais, Universidade do Estado do Pará

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2005), mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2007) e doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2014). Atualmente é professora Adjunta da Universidade do Estado do Pará (CCNT/UEPA). É membro da Sociedade Brasileira de Ciência e tecnologia de Alimentos (SBCTA). Tem experiência em docência e pesquisa na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Controle de Qualidade e Microbiologia de Alimentos. 

Natácia da Silva e Silva, Universidade do Estado do Pará

Graduada em Tecnologia Agroindustrial pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) no ano de 2009. Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos (2012) e Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2017). Atualmente é professora Assistente III do Departamento de Tecnologia de Alimentos (DETA) da Universidade do Estado do Pará, campus Cametá. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos. É coordenadora e membro de projetos de pesquisa e extensão, coordenadora do curso de especialização em Gestão da Qualidade na indústria de Alimentos, coordenadora do Núcleo de Projetos, Inovação e Empreendedorismo da Universidade do Estado do Pará. Atua na área de certificação de produtos da agricultura familiar, empreendedorismo e inovação de alimentos. 

Breno Mendes da Silva, Universidade do Estado do Pará

Graduação em andamento em Tecnologia em alimentos.
Universidade do Estado do Pará, UEPA, Brasil.

Referências

ALMICO JD et al. 2018. Avaliação da qualidade microbiológica, físico-química e química de polpas de açaí (Euterpe oleracea Mart.) pasteurizadas congeladas comercializadas em Aracaju-SE. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal 12: 156-168.

ANDRADE JKS et al. 2020. Qualidade microbiológica de polpas de açaí comercializadas em um estado do nordeste brasileiro. Brazilian Journal of Development 6: 12215-12227.

AQUINO CM et al. 2019. Avaliação físico-química e microbiológica de açaí (Euterpe oleracea) congelado pronto para o consumo comercializado em Limoeiro do Norte-Ceará. Biota Amazônia 3:35-40.

ARAÚJO DN. 2019. As perspectivas de competitividade dos batedores artesanais de açaí com selo ‘açaí bom’/ Competitive prospects for 'Acai bom' stamp. Brazilian Journal of Business 3: 857-869.

BAIRROS JV et al. 2016. Análise de bolores e leveduras em queijos tipo minas comercializados em feira livre. Higiene Alimentar 30: 254-255.

BEZERRA VS et al. 2017. Tratamento térmico de frutos de açaí. Macapá: Embrapa. Comunicado Técnico 151. 9p.

BRASIL. 2002. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados Aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores / Industrializadores de Alimentos. Brasília: Diário Oficial da União.

BRASIL. 2004. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para serviços de Alimentação. Brasília: Diário Oficial da União.

BRASIL. 2018. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 37, de 1º de outubro 2018. Parâmetros Analíticos de Suco e de Polpa de Frutas. Brasília: Diário Oficial da União.

CAYRES CA et al. 2017. Qualidade microbiológica de açaí industrializado. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente.

COHEN KO et al. 2011. Contaminantes microbiológicos em polpas de açaí comercializadas na cidade de Belém-PA. Revista Brasileira de Tecnologia 5: 524-530.

COSTA SCFC et al. 2020. Análise da qualidade microbiológica de polpas de açaí comercializadas em cinco feiras livres da cidade de Manaus. Brazilian Journal of Development 6: 47667-47677.

FRANCO BDGM & LANDGRAF M. 2005. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Atheneu. 196p.

FERREIRA CC et al. 2016. Análise de coliformes termotolerantes e Salmonella sp. em hortaliças minimamente processadas comercializadas em Belo Horizonte-MG. HU Revista 42: 307-313.

FERREIRA JS et al. 2020. Perfil microbiológico de polpas de açaí in natura, pasteurizadas e congeladas, comercializadas na região metropolitana de Belém do Pará. Brazilian Journal of Development 6: 41450-41457.

GUIMARÃES TLF et al. 2021. Qualidade microbiológica e microscópica de polpas de frutas congeladas comercializadas no município de Limoeiro Do Norte-CE. Research, Society and Development 10: 1-13.

IBGE. 2020. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pam/tabelas. Acesso em: 27 dez. 2021.

LEHALLE ALC et al. 2019. Caracterização físico-química de preparações contendo açaí consumidas na cidade de Belém-PA e de sua contribuição energética para o consumidor. Revista da Associação Brasileira de Nutrição 10: 38-46.

LOPES MLB et al. 2021. A cadeia produtiva do açaí em tempos recentes. In: MEDINA GS & CRUZ JE. (Eds). Estudos em Agronegócio: Participação Brasileiras Nas Cadeias Produtivas. p.309-331.

MARINHO SC et al. 2018. Condições microbiológicas de polpas congeladas de açaí comercializadas em mercados públicos de São Luís–MA. Journal of Health Connections 2: 1.

MORAES JO & MACHADO MRG. 2021. Qualidade microbiológica de polpa de frutas no Brasil: Um panorama dos anos 2010 a 2020. Research, Society and Development 10: 1-19.

NASCIMENTO NETO FA et al. 2018. Caracterização higiênico-sanitária e microbiológica de estabelecimentos que comercializam açaí (Euterpe oleracea Mart.) em Igarapé-Miri, Pará. Brazilian Journal of Food Research 9: 15-29.

OLIVEIRA AR et al. 2019. Structural and physicochemical properties of freeze-dried açaí pulp (Euterpe oleracea Mart.). Food Science and Technology 40: 282-289.

OLIVEIRA PAAC et al. 2011. In natura açaí beverage: quality, pasteurization and acidification. Food Science and Technology 31: 502-507.

PARÁ. 2012. Governo do Estado. Decreto Nº 326, 20 de janeiro de 2012. Estabelece regras para manipulação artesanal do açaí. Belém: Diário Oficial do Estado do Pará.

PONTES WP et al. 2020. Cadeia do Pescado: Salmonella Spp. Como Agente Contaminante. Revista Ciência e Saúde Animal 2: 48-68.

SANTANA ACD et al. 2014. Análise discriminante múltipla do mercado varejista de açaí em Belém do Pará. Revista Brasileira de Fruticultura 36: 532-541.

SANTOS ALRD. 2020. Caracterização microbiológica e físico-química de polpas de açaí comercializadas em Barra do Garças-MT. TCC (Graduação em Biomedicina) Barra dos Garças: UFMG. 34p.

SANTOS APC & SANTOS VFN 2016. Adequação de estrutura física de unidades de alimentação e nutrição na cidade de São Paulo-Sp. Publicatio Uepg: Ciências Biológicas e da Saúde 22: 14-20.

SANTOS BA et al. 2016. Microbiological analysis of the acai berry products marketed in the city of São Paulo. Revista Brasileira de Análises clínicas. 48: 53-57.

SANTOS GPR. 2019. O perfil de produção dos batedores artesanais de açaí do município de Belém-Pará. Dissertação (Mestrado em Engenharia Industrial). Belém: UFPA. 94p.

SILVA FS et al. 2017a. Avaliação higiênico-sanitária dos estabelecimentos com o selo" açaí bom" da vigilância sanitária. Brazilian Journal of Food Research 8: 157-169.

SILVA N et al. 2017b. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 5.ed. São Paulo: Blucher.

SOUZA RC & NASCIMENTO FCA 2015. Condições higienicossanitárias de estabelecimentos que manipulam e comercializam açaí em Belém do Pará. Hig. aliment, 36-41.

XIN Y et al. 2015. Research trends in selected blanching pretreatments and quick freezing technologies as applied in fruits and vegetables: A review. International Journal of Refrigeration 57: 11-25.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SILVA, Renata Carneiro da; SILVA, Bruna Almeida da; SECCADIO, Lara Lima; PELAIS, Ana Carla Alves; SILVA, Natácia da Silva e; SILVA, Breno Mendes da. Avaliação higiênico-sanitária e microbiológica do açaí comercializado no mercado municipal do Ver-o-Peso, Belém-PA, Brasil. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 705–712, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023705. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23820. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas