Estudo florístico e fitossociológico de um fragmento urbano de floresta amazônica secundária em Capitão Poço – PA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023733

Palavras-chave:

Amazônia, sucessão ecológica, composição florística, biodiversidade, conservação da natureza

Resumo

As florestas secundárias constituem importantes áreas em regeneração e estão se expandindo rapidamente na paisagem amazônica. A caracterização dos remanescentes florestais fornece informações essenciais para ações de conservação, manejo e recuperação. O objetivo do presente estudo foi realizar uma avaliação florística e fitossociológica de um fragmento urbano de floresta amazônica secundária (8,12 ha) em Capitão Poço, Pará. Árvores com DAP ≥ 3,2 cm foram inventariadas em cinco parcelas de 15 m x 30 m. A diversidade florística, valor de importância e distribuição diamétrica foram investigados. No levantamento, foram registrados 236 indivíduos de 23 espécies. O índice de diversidade florística foi de 2,58. As espécies mais importantes foram Cecropia obtusa Trécul e Lacistema pubescens Mart. A curva de distribuição dos indivíduos nas classes diamétricas seguiu um padrão exponencial negativo (formato de J invertido), com a maioria dos indivíduos nas menores classes diamétricas. Esses resultados implicam que a floresta apresenta espécies típicas de estágios iniciais de sucessão. Assim, ações de conservação são necessárias para aumentar a diversidade local. Além disso, a floresta estudada é essencial para atividades acadêmicas e de educação ambiental. Recomendamos a realização de estudos florísticos na área para avaliar a dinâmica da espécie na comunidade florestal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denyse Cássia de Maria Sales, Federal University of Espírito Santo

.

Ana Laura da Silva Luz, Universidade Federal Rural da Amazônia

.

Nívea Maria Mafra Rodrigues, Universidade Federal do Espírito Santo

.

Wendel Kaian Mendonça Oliveira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

.

Raimundo Thiago Lima da Silva, Universidade Federal Rural da Amazônia

.

João Olegário Pereira de Carvalho, Universidade Federal do Amazonas

.

Referências

ALMEIDA AS et al. 2022. Potencial de pressão antrópica na região Nordeste Paraense, Brasil. Ciência Florestal 32: 01–18.

AMARAL DD et al. 2009. Checklist da flora arbórea de remanescentes florestais da região metropolitana de Belém e valor histórico dos fragmentos, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi Ciências Naturais 4: 231-289.

ARAÚJO MM et al. 2005. Padrão e processo sucessionais em florestas secundárias de diferentes idades na Amazônia Oriental. Ciência Florestal 15: 343-357.

BFG. 2015. The Brazil Flora Group. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1085-1113.

BRANDÃO DO et al. 2022. The effects of environmental changes on plant species and forest dependent communities in the Amazon region. Forests 13: 466.

CARIM S et al. 2007. Riqueza de espécies, estrutura e composição florística de uma floresta secundária de 40 anos no leste da Amazônia. Acta Botânica Brasilica 21: 293-308.

CARVALHO ANC. et al. 2022. Fitossociologia de espécies florestais em áreas mineradas e em fragmento florestal em Capitão Poço-PA. In: SILVA et al. Ciências agrárias: conhecimento e difusão de tecnologias 2. Ponta Grossa: Atena.

CARVALHO FA et al. 2006. Composição e riqueza florística do componente arbóreo da Floresta Atlântica submontana na região de Imbaú, Município de Silva Jardim, RJ. Acta Botanica Brasilica 20: 727-740.

CONDÉ TM & TONINI H. 2013. Fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Densa na Amazônia Setentrional, Roraima, Brasil. Acta Amazonica 43: 247 – 260.

COPERTINO M et al. 2019. Desmatamento, fogo e clima estão intimamente conectados na Amazônia. Ciência e Cultura 71: 2. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br. Acesso em: 22 apr. 2021.

CORDEIRO IMCC et al. 2017. Nordeste Paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. 4.ed. Belém: Edufra.

EISFELD RL et al. 2014. Caracterização florística e estrutura fitossociológica das espécies arbóreas da Floresta Nacional do Açungui, Campo Largo – PR. Ambiência 10: 429 – 448.

FINOL UH. 1971. Nuevos parâmetros a considerarse en el analisis estructural de las sevas virgenes tropicales. Revista Forestal Venezolana 14: 29-42.

FLORA E FUNGA DO BRASIL. 2021. Fabaceae in Flora e Funga do Brasil. Avaiable from: https://floradobrasil.jbrj.gov.br. Acess em: 15 apr. 2021.

FONSECA A et al. 2022. Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD): janeiro de 2022. Imazon. Available at: https://imazon.org.br/publicacoes/sistema-de-alerta-de-desmatamento-sad-janeiro-de-2022/. Accessed on: Jan 22, 2022.

FREITAS WK et al. 2016. Estrutura horizontal de um trecho da Floresta Decidual da região oeste de Santa Catarina, Brasil. Ambiência 12: 217 – 232.

GANDOLFI S et al. 1995. Estudo florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo arbóreas de uma floresta mesófila semidecidual no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia 55: 753-767.

HASANUZZAMAN M et al. 2020. The Plant Family Fabaceae: Biology and Physiological Responses to Environmental Stresses. Singapore: Springer Nature.

IUCN. 2022. The IUCN Red List of Threatened species. Available in: https://www.iucnredlist.org/. Accessed in: 20 ago. 2022.

LIMA RBA et al. 2011. Sucessão ecológica de um trecho de Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas, Carauari, Amazonas. Pesquisa Florestal Brasileira 31: 161-172.

LOPES SF et al. 2012. Estrutura e grupos ecológicos de um remanescente florestal urbano com histórico de perturbação recente em Uberlândia, MG. Biotemas 25: 91-102.

MANESCHY RQ et al. 2022. Áreas prioritárias para inclusão de componente arbóreo e redesenho de sistemas pecuários no assentamento Belo Horizonte II, São Domingos do Araguaia, Pará, Brasil. Research, Society and Development 11: 1-11.

MARTINELLI G & MORAES MA (Eds.). 2013. Livro vermelho da flora do Brasil. 1. Ed. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

MUNIZ ALV et al. 2007. Dinâmica do Estrato Arbóreo de Florestas Secundárias no Nordeste do Pará (Bragança). Revista Brasileira de Biociências 5: 603-605.

NARDUCCI TS et al. 2020. Regeneração natural do sub-bosque em plantios de Taxi-branco (Tachigali vulgaris L.F. Gomes da Silva & H.C. Lima) sob diferentes espaçamentos na Amazônia Brasileira. Biota Amazônia 10: 16-21.

PINHEIRO KAO et al. 2021. Floristic and structural analysis of a secondary forest in two successional phases in the municipality of Capitão Poço in the northeast of Pará. Research, Society and Development 10: e29410816894.

PRATA SS et al. 2010. Floristic gradient of the northeast Paraense secondary forests. Acta Amazonica 40: 523 – 534.

PROJETO MAPBIOMAS. 2022. Mapeamento anual de cobertura e uso da terra na Amazônia. Coleção 7. Avaiable from: <https://mapbiomas-br-site.s3.amazonaws.com/MapBiomas_AMAZ%C3%94NIA>. Acess:_2023 June 24.

ROCHA NCV et al. 2012. Levantamento florístico de floresta tropical secundária na área do Parque Ambiental do Utinga, Belém-PA. Enciclopédia Biosfera 8: 1299-1309.

RODRIGUES MAC. 2007. Estrutura de florestas secundárias após dois diferentes sistemas agrícolas no nordeste do estado do Pará, Amazônia Oriental. Acta Amazônica 37: 591-598.

ROZENDAAL DMA et al. 2019. Biodiversity recovery of neotropical secondary forests. Science Advances 5: 1-10.

SÁ D et al. 2012. Estrutura e grupos ecológicos de uma floresta estacional semidecidual no triângulo mineiro, Brasil. Caminhos de Geografia 13: 89-101.

SANTOS RO et al. 2016. Distribuição diamétrica de uma comunidade arbórea na Floresta Estadual do Amapá, Brasil. Biota Amazônia, Macapá 6: 24-31.

SCHWARTZ G. 2007. Manejo sustentável de florestas secundárias: espécies potenciais no Nordeste do Pará, Brasil. Amazônia: Ciência & Desenvolvimento 3: 125-147.

SHANNON CE & WEAVER W. 1949. The mathematical Theory of Comunication. Illinois: The University of Illinois Press. p.177.

SILVA CVJ. 2016. Floristic and structure of an Amazonian primary forest and a chronosequence of secondary succession. Acta Amazônica 46: 133-150.

SILVA JM & MOURA CHR. 2021. Análise da vegetação de um remanescente de Floresta Atlântica: subsídios para o projeto paisagístico. Revista Brasileira de Meio Ambiente 9: 2-24.

APG. 2016. THE ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. The Angiosperm Phylogeny Group and others, An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV, Botanical Journal of the Linnean Society 181: 1-20. https://doi.org/10.1111/boj.12385.

WATZLAWICK LF et al. 2011. Estrutura, diversidade e distribuição espacial da vegetação arbórea na Floresta Ombrófila Mista em Sistema Faxinal, Rebouças (PR). Ambiência 7: 415-427.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SALES, Denyse Cássia de Maria; LUZ, Ana Laura da Silva; RODRIGUES, Nívea Maria Mafra; OLIVEIRA, Wendel Kaian Mendonça; SILVA, Raimundo Thiago Lima da; CARVALHO, João Olegário Pereira de. Estudo florístico e fitossociológico de um fragmento urbano de floresta amazônica secundária em Capitão Poço – PA. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 733–740, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023733. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23739. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Nota de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)