Crescimento, severidade de oídio e produtividade do feijão-vagem em resposta a diferentes fontes de potássio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712212023063

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris L., Phaseolus, cloreto de potássio, silicato de potássio, fertilizantes, nutrição de plantas

Resumo

O Brasil tem enfrentado sérios problemas com o abastecimento de fertilizantes potássicos nos últimos anos. Isso tem causado a elevação dos preços e até mesmo escassez do principal fertilizante potássico utilizado pelos produtores, o cloreto de potássio. Por isso, o objetivo do presente trabalho foi avaliar um silicato de potássio nacional (K6) como fonte alternativa ao uso do cloreto de potássio para a cultura do feijão-vagem. Para tanto, sementes de feijão-vagem cv. Macarrão Rasteiro foram semeadas a campo em espaçamento de 0,50 x 0,20 m. Empregou-se o delineamento em blocos ao acaso com quatro tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos foram constituídos da seguinte maneira: (i) testemunha – sem adubação potássica; (ii) cloreto de potássio; (iii) silicato de potássio – K6; (iv) 50% cloreto de potássio + 50% K6. Os fertilizantes foram aplicados no momento da semeadura e as doses determinadas com base na análise de solo e nas recomendações para a cultura. Foi realizada avaliação de altura de plantas, massa fresca e seca da parte aérea, massa fresca e seca de vagens, estimativa de produtividade e ocorrência de oídio, através de notas de severidade. Verificou-se que não houve influência da adubação potássica sobre o crescimento das plantas. De maneira geral, a produtividade de vagens apresentou baixa influência da adubação. Entretanto, a produtividade total de vagens foi maior em plantas adubadas com K6 em comparação a plantas adubadas com cloreto de potássio. A aplicação de K6 também contribuiu para a redução da severidade de oídio. Dessa forma, nós concluímos que o K6 é uma fonte de potássio viável em substituição ao cloreto de potássio para o feijão-vagem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AHAMMED GJ & YANG Y. 2021. Mechanisms of silicon-induced fungal disease resistance in plants. Plant Physiology and Biochemistry 165: 200-206.

BADAWY ASM et al. 2019. Effect of sowing dates and potassium fertilizer rates on seed yield of lima bean cv. (Phaseolus vulgaris L.). Journal of Plant Production 10: 45-52.

BENITES VM et al. 2010. Potássio, cálcio e magnésio. In: PROCHNOW LI et al. (Eds.). Boas práticas para uso eficiente de fertilizantes: nutrientes. Piracicaba: IPNI. p.137-191.

BERNARDI ACC et al. 2009. Doses e formas de aplicação da adubação potássica na rotação soja, milheto e algodão em sistema plantio direto. Pesquisa Agropecuária Tropical 39: 158-167.

CALANCA PP. 2017. Effects of abiotic stress in crop production. In: AHMED M & STOCKLE C (Ed.) Quantification of climate variability, adaptation and mitigation for agricultural sustainability. Washington: Springer. p.165-180.

CNA. 2022. Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Preço do fertilizante cloreto de potássio atinge maior patamar desde janeiro de 2008 e preocupa o produtor rural. Disponível em: https://cnabrasil.org.br/publicacoes/preco-do-fertilizante-cloreto-de-potassio-atinge-maior-patamar-desde-janeiro-de-2008-e-preocupa-o-produtor-rural#: ~:text=

specificamente%20no%20per%C3%ADodo%20de%20fevereiro,ao%20mesmo%20per%C3%ADodo%20de%202021. Acesso em: 1 ago. 2022.

CURI N et al. 2005. Mineralogia e formas de potássio em solos brasileiros. In: YAMADA T & ROBERTS TL (eds.). Potássio na agricultura brasileira. Piracicaba: Potafos. p.71-91.

DAVIS JL et al. 2018. Contrasting nutrient–disease relationships: Potassium gradients in barley leaves have opposite effects on two fungal pathogens with different sensitivities to jasmonic acid. Plant, Cell & Environment 41: 2357-2372.

DUIKER SW & BEEGLE DB. 2006. Soil fertility distributions in long-term no-till, chisel/disk and moldboard plow/disk systems. Soil Tillage Research 88: 30-41.

ERNANI PR et al. 2007. Potássio. In: NOVAIS RF et al. (Eds.). Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. p. 551-594.

GEILFUS CM. 2019. Chloride in soil: From nutrient to soil pollutant. Environmental and Experimental Botany 157: 299-309.

GONÇALVES ECP et al. 2009. Avaliação da reação de genótipos de soja ao oídio em diferentes condições. Summa Phytopathologica 35: 151-153.

FILGUEIRA FAR. 2013. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3.ed. Viçosa: UFV. 421 p.

FOLONI JSS & ROSOLEM CA. 2008. Produtividade e acúmulo de potássio na soja em função da antecipação da adubação potássica no sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 1549-1561.

LANA M & TAVARES A. 2010. 50 Hortaliças: como comprar, conservar e consumir. 2.ed. Brasília: Embrapa Hortaliças. p. 127-129.

MAIKI RK & SINGH VP. 2016. Potassium sources, microorganisms, and plant nutrition—challenges and future research directions: A review. Farming and Management 1: 134-161.

MARSCHNER H. 1997. Mineral nutrition of higher plants. San Diego: Academic Press. 889 p.

MARTINS ES et al. 2010. Agrominerais: rochas silicáticas como fontes minerais alternativas de potássio para a agricultura. Rochas e minerais industriais: usos e especificações. Rio de Janeiro: Cetem. p.205-221.

MONDO VHV & NASCENTE AS. 2018. Produtividade do feijão-comum afetado por população de plantas. Agrarian 11: 89-94.

MOSTOFA MG et al. 2022. Potassium in plant physiological adaptation to abiotic stresses. Plant Physiology and Biochemistry 186: 279-289.

MOTERLE LM et al. 2006. Germinação de sementes e crescimento de plântulas de cultivares de milho-pipoca submetidas ao estresse hídrico e salino. Revista Brasileira de Sementes 28: 169-176.

NASCIMENTO WM. 2016. Hortaliças Leguminosas. Brasília: Embrapa. 232 p.

NAZ R et al. 2021. Exogenous silicon and hydrogen sulfide alleviates the simultaneously occurring drought stress and leaf rust infection in wheat. Plant Physiology and Biochemistry 166: 558-571.

OLIVEIRA AP et al. 2007. Rendimento de feijão-vagem em função de doses de K2O. Horticultura Brasileira 25: 29-33.

OLIVEIRA BS. 2015. Diversidade genética, produção e qualidade fisiológica de sementes de genótipos arbustivos de feijão-vagem. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal). Ipameri: UEG. 72p.

OLTMANS RR & MALLARINO AP. 2015. Potassium uptake by corn and soybean, recycling to soil, and impact on soil test potassium. Soil Science Society of America Journal 79: 314-327.

OTTO R et al. 2010. Manejo da adubação potássica na cultura da cana-de-açúcar. Revista Brasileira de Ciência do Solo 34: 1137-1145.

PANHWAR BU et al. 2022. Considering leaf extract of miracle tree (Moringa oleifera L.) and potassium nutrition for contending cotton leaf curl virus (CLCuV) disease of cotton (Gossipium hirsutum L.). Journal of Applied Research in Plant Sciences 3: 229-235.

PINTO CMF et al. 2019. Feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.). In: PAULA JÚNIOR TJ & VENZON M. (Eds.). 101 Culturas: manual de tecnologias agrícolas. 2.ed. Belo Horizonte: EPAMIG. p. 371-374.

PITMAN MG & LÄUCHLI A. 2002. Global impact of salinity and agricultural ecosystems. In: LÄUCHLI A & LÜTTGE U (Ed.) Salinity: Environment - Plants - Molecules. Dordrecht: Springer. p.3-20.

PUSHPAVATHI Y et al. 2020. Potassium fertilization in relation to downy mildew disease incidence in grape leaves. Vitis 59: 71-76.

PRAZERES SS et al. 2015. Crescimento e trocas gasosas de plantas de feijão-caupi sob irrigação salina e doses de potássio. Revista Agro@mbiente 9: 111-118.

RAIJ B. 1991. Fertilidade do solo e adubação. Piracicaba: Potafos. 343 p.

RAIJ B et al. 1997. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. Campinas: IAC. (Boletim Técnico 100).

RAWAT J et al. 2016. Potassium and its role in sustainable agriculture. India: Springer.

RESENDE AV et al. 2006a. Rochas moídas como fontes de potássio para o milho em solo de cerrado. Planaltina: Embrapa Cerrados. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 162).

RESENDE AV et al. 2006b. Suprimento de potássio e pesquisa de uso de rochas “in natura” na agricultura brasileira. Espaço & Geografia 9: 19-42.

RODRIGUES CR et al. 2007. Aumento de qualidade e produção com aplicação de silício solúvel. Revista Campo e Negócios 2: 34-40.

RODRIGUES MAC et al. 2014. Adubação com KCl revestido na cultura do milho no Cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola Ambiental 18: 127-133.

SANTOS D et al. 2012. Tamanho ótimo de parcela para a cultura do feijão-vagem. Revista Ciência Agronômica 43: 119-128.

SILVA MAG et al. 2001. Efeito do nitrogênio e potássio na nutrição do pimentão cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Ciência do Solo 25: 913-922.

SOUMARE A et al. 2022. Potassium sources, microorganisms, and plant nutrition—challenges and future research directions: A review. Pedosphere 7: 15p.

SOURI MK. 2010. Effectiveness of chloride compared to 3,4-dimethylpyrazole phosphate on nitrification inhibition in soil. Communications in Soil Science and Plant Analysis 41: 1769-1778.

SOUZA MDM et al. 2013. Efeito da adubação potássica no crescimento do feijão de corda preto. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada 7: 66-73.

TRANKNER M et al. 2018. Functioning of potassium and magnesium in photosynthesis, photosynthate translocation and photoprotection. Physiologia Plantarum 163: 414-431.

VILELA L et al. 2004. Adubação potássica. In.: SOUSA DMG & LOBATO E. (Eds.). Cerrado: correção do solo e adubação. 2.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. p.169-183.

WOLI K et al. 2018. Corn era hybrid macronutrient and dry matter accumulation in plant components. Agronomy Journal 110: 1648-1658.

YADAV BK & SIDHU AS. 2016. Dynamics of potassium and their bioavailability for plant nutrition. In: MEENA V et al. (Eds.). Potassium solubilizing microorganisms for sustainable agriculture. New Delhi: Springer.

ZARGAR SM et al. 2019. Role of silicon in plant stress tolerance: opportunities to achieve a sustainable cropping system. Biotech 9: 73.

Downloads

Publicado

2023-03-28

Como Citar

GAION, Lucas Aparecido; MENEZES, Davi Cristian Del Hoyo; REIS, Aline Dell Passo; TONINI, Mariana Mota; NASCIMENTO, Nilton Carlos Gonçalves; REPETTI, Cláudia Sampaio Fonseca. Crescimento, severidade de oídio e produtividade do feijão-vagem em resposta a diferentes fontes de potássio . Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 1, p. 63–71, 2023. DOI: 10.5965/223811712212023063. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22737. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)